15 de janeiro de 2011

O Sutra do Coração...


O Bodhisatva da Compaixão,
Quando em meditação profunda,
Compreendeu a vacuidade dos cinco skandhas
E rompeu os laços que lhe causavam sofrimento.
Assim, então,
Forma é nada mais que vacuidade,
Vacuidade nada mais que forma,
forma é somente vacuidade,
vacuidade é somente forma.
Sensação, pensamento e vontade,
E a própria consciência
Assim também o são.
Tudo é vacuidade primordial,
Impassível de nascer ou perecer;
Que não tem mácula nem é puro,
Não aumenta nem diminui.

Na vacuidade, não há forma,
nem sensação, nem pensamento ou escolha,
Nem tão pouco consciência.
Nem olho, ouvido, nariz, lingua, corpo ou mente;
Nem cor, som, cheiro, sabor ou tacto,
Nada a que a mente possa agarrar-se,
Nem sequer percepção.

Não há ignorância, nem o fim da ignorância,
Nem tudo o que advém da ignorância;
Não há decrepitude nem morte,
Nem o cessar de ambas.

Não há sofrer, nem causa do sofrer,
Nem fim do sofrimento ou senda nobre
Que leve ao fim do sofrimento.
Nem sequer sabedoria a alcançar! _
O alcançar também é vácuo.

Saibam então que o Bodhisatva,
Sem nada a que apegar-se,
Mas habitando a sabedoria Prajiia,
É livre de obstáculos enganosos,
Liberto do temor por eles criados
E atinge o mais puro Nirvana.

Todos os Budhas do passado e do presente,
Budhas do tempo que virá,
Por meio da sabedoria Prajfia,
Chegam à completa e perfeita visão
Ouçam então o grande dharani,
O mantra radiante e sem igual,
Cujas palavras aliviam toda dor;
Ouçam e creiam na sua verdade!

Gate Gate Paragate Parasamgate Bodhi Svaha
Gate Gate Paragate Parasamgate Bodhi.Svaha
Gate Gate Paragate Parasamgate Bodhi Svaha
O Sutra do Coração - Texto Sagrado do Buddhismo Mahayana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails