31 de março de 2010

Espiritualidade...


Aonde nos leva a Espiritualidade?
Ela nos enlaça com a existência num abraço pleno,
Sem demandas,
Sem queixas,
Sem passado, nem sonhos futuros...

Ela nos brinda com cores vibrantes,
E perfumes sempre novos,
Em todos os ambientes...
Ela nos faz ver a divindade em todas as coisas,
Em todos os objetos,
Em todos os rostos,
E lugares...

Ela nos ausenta de nós mesmos.
Ela nos preenche de silêncio e de amor,
Amor que não tem direção certa,
Amor que simplesmente se expande cada vez mais e mais...
Ela simplesmente nos transforma em amor,
Em bondade, em sorriso,
Em acolhimento...

Ela nos leva a atitudes e palavras,
Que fluem através de nós,
Atinge o outro iluminando-o.
Uma forma calorosa e rica,
Que não divide, mas integra.
Uma fala que evoca a essência do outro,
E o faz se sentir grandioso,
Na sua natureza divina...

Ela brinca com a gente,
E nem pede para acontecer,
Ela se faz presente e nos aponta caminhos, direções únicas,
Singulares,
E nem mesmo existem "porque (s)" nem "para que(s)"
Ela aponta e nós vamos com ela...

A Espiritualidade nos brinda a todo instante,
A preferência é dela,
O desejo é dela,
Tudo é ela...

Vocês me perguntariam: e o "eu", onde fica?
Não fica.
Somente a Espiritualidade fica,
E também vai...
Só ela...

Ser-para-sempre..


"Você estava aqui antes de ter nascido e você estará aqui depois que você morrer.
A mente tem um uma existência muito limitada, muito momentânea.
Um dia ela vem, noutro dia ela se vai.
Você é para sempre.
Tenha um pouco de experiência do seu ser-para-sempre.
Mas isso só é possível por meio da não-mente.
A não-mente é outro nome para a meditação."
Osho em O Livro dos Segredos

Uma lenda...


"Havia um rei que todas as noites costumava das umas voltas pela cidade para ver como estavam as coisas - é claro que ele ia disfarçado.
Certa vez ele encontrou um rapaz muito belo, sentado em baixo de uma árvore, e viu que todas as noites o rapaz estava ali, no mesmo lugar.
Até que uma noite ele se aproximou e perguntou ao rapaz: porque você não vai para sua casa dormir?
E o jovem respondeu: As pessoas vão para suas casas dormir porque elas nada têm para guardar. Eu tenho tesouros tão grandes que não posso dormir, preciso guardá-los.
O rei disse: que estranho, não vejo nenhum tesouro por aqui?
O jovem explicou: Esses tesouros estão dentro de mim, o senhor não os pode ver.
Daí que todas as noites os dois conversavam e o rei começou a ver no jovem um santo, um sábio, que emanava uma aura de amor, de compaixão, de silêncio e meditação. A amizade e a confiança cresceram até que uma noite o rei o convidou a ficar hospedado em seu palácio.
Acreditando que o jovem não aceitaria, o jovem aceitou.
Ofereceu-lhe o melhor aposento, acreditando que o jovem recusaria, mas o jovem aceitou.
E ali passou dias, dormindo bem, se alimentando bem...
E isso fez o rei ficar desconfiado; será que ele tinha sido enganado, que o jovem era um oportunista, que a santidade era falsa..
No sétimo dia, o rei ia convidá-lo a se retirar, e ai lhe fez uma pergunta:
Qual a diferença entre você e eu?
O jovem sorriu, e disse venha comigo que lhe responderei.
Os dois tomaram seus cavalos e foram até a fronteira do reino.
O rei disse: bem chegamos a minha fronteira, na outra margem é um outro reino não posso seguir.
As margens do rio, o jovem saltou do cavalo e disse: Bem daqui estou indo. O senhor pode ficar ou se quiser pode vir comigo.
Aonde você vai, perguntou o rei?
O jovem disse: meus tesouros estão comigo, aonde quer que eu vá, os meus tesouros estão comigo. O senhor vem comigo?
Como posso ir, respondeu o rei, meu palácio, minha familia todos estão atrás de mim...
O jovem então disse: está é a diferença entre nós. Eu posso me sentar em baixo da árvore, ou viver em um palácio como um imperador, porque meus tesouros estão dentro de mim. Se é debaixo de uma árvore ou se é dentro de um palácio não faz diferença. O senhor pode voltar, eu estou indo para o outro reino.
O rei se arrependeu, tocou-lhe os pés e pediu perdão..
O jovem sorriu e disse, não me peça desculpas...
Ir ou ficar não faz diferença. Meus tesouros vão comigo aonde eu for...já os seus..."
Osho em Autobiografia de um Mistico Espiritualmente Incorreto.

30 de março de 2010

Deserto desertos...

" Quem volta do deserto tem um olhar para sempre "insatisfeito"
Com as aparências
Incapaz de idolatria
Pois idólatra é quem se satisfaz
Com o que vê,
Com aquilo que compreende
Com aquilo que é.
O deserto lhe ensinou
Que ele não é
Não-ser é o começo
E o fim do meu ser.
A idolatria
É esconder-se o não-ser
Da sua origem e do seu fim
Só Deus
Não existe...
Chega-se ao deserto
No dia
Em que se descobre
Que sempre se esteve ali.
O que escondia o deserto?
Um certo conforto,
Um certo esquecimento
Mas lá estava ele
Fiel, tenaz
Havia apenas ilusões
A perder
Algumas honrarias.
Descobre-se a si mesmo
No dia em que se descobre
Como tendo sido sempre
Descoberto...
O rei sempre estava nu
Debaixo das armaduras..."
...
"O Corão foi escrito para se cantar,
A Thorá foi escrita para se perscrutar
E o Evangelho para se encarnar...
A força do canto
Ao segredo das letras
Prefiro a beleza do Rosto
Pois se o deserto
É o lugar da espera
É a espera
De um rosto e de um encontro
Que dará o sentido ao deserto...
E o Buddha?
Ele é o próprio deserto
Na sua vacuidade sorridente.
Ele é a sua aurora
É deserto
Ele não é o sentido do deserto
É uma espera
Que não aguarda
Mas uma espera não fechada
Àquilo que vem..."
...
"Sem a página em branco
Onde ficarão as palavras?
Não é no deserto
Que o homem inventou a Deus?
Na ausência das coisas
Ou no seu silêncio
Descobre-se a Presença que
Para sempre as contém:
Evidente, mortal e viva vacuidade...
No deserto não há nada para ver
E é isso que é preciso ver
Ao menos uma vez na vida
Ver nada
Com os olhos bem abertos.
E a morte então não terá mais nada
Para nos ensinar..."
...
"Os verdadeiros sábios
O que têm mais que nós?
Mais deserto.
Ou seja, menos...
Menos barulho
Menos mental
Menos cuidados
Menos ilusões
Menos...
Os verdadeiros sábios
São desertos...
Projetamos sobre eles
Nossas miragens mais belas
E ao chegarmos perto deles
Eles nos deixam a sós
Face-a-face com nós mesmos
Cabe a cada um de nós
Cavar o seu próprio poço.
Descobrirá então
Que a sabedoria
É o deserto
"menos" a sede.
A sombra ou o oásis
Onde nada impede a luz..."
Jean-Yves Leloup em Deserto Desertos.

29 de março de 2010

Ser paz...


Hoje queria refletir sobre a alegria de se estar em paz...essa paz profunda...melhor seria dizer: ser paz...

Nesse final de semana na praia, dias lindos de sol, um mar que invade todos os sentidos, e nos embriaga de azuis em todos os tons possíveis e imagináveis...uma brisa refrescante e meiga...

Ainda a noite ir a um barzinho delicioso, com cadeirinhas na calçada, ouvindo um sax maravilhoso, em baixo de um flanbroyan absurdamente florido...pessoas alegres ao redor...conversando, brincando...um clima delicioso no ar...
A alma se encanta com cada rosto, cada gesto, as sutis delicadezas de Deus...
Momentos tão simples, descontraídos...amorosos....que nem dá para dizer...
E aí olhamos ao nosso lado e o que vemos?

Uma pessoa infeliz, fechada, trancada, conflitada...remoendo seu filme particular de infelicidade, manias, de pena de si mesma, hipocondrias...enfim...
Só sei que "perdendo" aquela maravilha toda ali disponível, gratuita...linda...
Isso me fez refletir...
Ter compaixão é isso...
Amar aquela pessoa de jeito que ela está...perceber que ela quer viver aquele filme de "auto piedade" e pronto...

Aceitar que isso é um momento dela, que também vai passar, e que quando passar estarei lá para acolhê-la na alegria, na amizade...
Quando alguém cai nesse filme da mente, e fica com pena se si mesmo, se achando o sacrificado, o martirizado, o mau amado, trata-se de armadilhas mentais que a consciência está se identificando...
Nesse momento toda calma é necessária...
Palavras devem ser cuidadas, meticulosamente cuidadas...melhor nem dizê-las...
Emanar uma aura de amor e de acolhimento é uma maneira delicada de ser presente sem invadir...
Nesses momentos que percebemos se somos paz de verdade...se estamos centrados nela, se somos com ela...
Estar em um ambiente tão luminoso e pleno, repleto de doçuras e melodias, e ainda assim observar que aquela pessoa "nebulosa" rsrsrs também faz parte daquela cena...
Apenas observar, aceitar e amar....acolher o momento presente de coração aberto...seja como for...
Ser paz é isso...
Amor
Lilian

28 de março de 2010

Rubem Alves...


"Amar é ter um pássaro pousado no dedo.
Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento, ele pode voar”.

"Cartas de amor são escritas não para dar notícias, não para contar nada, mas para que mãos separadas se toquem ao tocarem a mesma folha de papel."

"Cada momento de alegria, cada instante efêmero de beleza, cada minuto de amor, são razões suficientes para uma vida inteira. A beleza de um único momento vale a pena de todos os sofrimentos."

"As coisas que restam sobrevivem num lugar da alma que se chama saudade.
A saudade é o bolso onde a alma guarda aquilo que ela provou e aprovou.
Aprovada foram as experiências que deram alegria.
O que valeu a pena está destinado à eternidade.
A saudade é o rosto da eternidade refletido no rio do tempo.
É para isso que necessitamos dos deuses, para que o rio do tempo seja circular"

"Coisas e palavras sangram pela mesma ferida. mas o amor feliz não é ferida.
Como poderiam, então dele sangrar palavras?
O amor feliz não é para ser transformado em literatura.
É para ser desfrutado.
O amor feliz não escreve, ele abraça.
Se escreve alguma coisa, são cartas de amor."

"Meu amor independe do que me fazes.
Não cresce do que me dás.
Se fosse assim ele flutuaria ao sabor dos teus gestos.
Teria razões e explicações.
Se um dia teus gestos de amante me faltassem, ele morreria como a flor arrancada da terra".

"Amor é estado de graça e com amor não se paga".
"Nada mais falso do que o ditado popular que afirma que "amor com amor se paga".
O amor não é regido pela lógica das trocas comerciais.
Nada te devo.
Nada me deves.
Como a rosa que floresce porque floresce, eu te amo porque te amo".

"Compreendi que a vida não é uma sonata que, para realizar sua beleza, tem de ser tocada até o fim.
Dei-me conta, ao contrário, de que a vida é um album de minissonatas.
Cada momento de beleza vivido e amado, por efêmero que seja, é uma experiência completa que está destinada à eternidade.
Um único momento de beleza e de amor justifica a vida inteira"
Poemas de amor por Rubem Alves

Sem Amor...


"A inteligência sem amor te faz perverso.
A justiça sem amor te faz implacável.
A diplomacia sem amor te faz hipócrita.
O êxito sem amor te faz arrogante.
A riqueza sem amor te faz avarento.
A nobreza sem amor te faz orgulhoso.
A beleza sem amor te faz fútil.
A autoridade sem amor te faz tirano.
O trabalho sem amor te faz escravo.
A simplicidade sem amor te deprecia.
A lei sem amor te escraviza.
A política sem amor te deixa egoísta.
A fé sem amor te deixa fanático.
A cruz sem amor se converte em tortura.
A vida sem amor... não tem sentido!"
Sem Amor por Karma Tsultrim Gyamtso

Kafka...


"Quem possui a faculdade de ver a beleza, não envelhece".
...
"Não é necessário sair de casa.
Permaneça em sua mesa e ouça.
Não apenas ouça, mas espere.
Não apenas espere, mas fique sozinho em silêncio.
Então o mundo se apresentará desmascarado.
Em êxtase, se dobrará sobre os seus pés".
...
"Entre muitas outras coisas, tu eras para mim uma janela através da qual podia ver as ruas. Sozinho não o podia fazer".
...
"Só podia encontrar a felicidade se conseguisse subverter o mundo para o fazer entrar no verdadeiro, no puro, no imutável".
...
"De um certo ponto adiante não há mais retorno.
Esse é o ponto que deve ser alcançado".
...
"As sereias, porém, possuem uma arma ainda mais terrível do que seu canto: seu silêncio".
...
"Deixem dormir o futuro como merece. Se o acordarem antes do tempo, teremos um presente sonolento."
...
"Talvez haja apenas um pecado capital: a impaciência. Devido à impaciência, fomos expulsos do paraíso; devido à impaciência, não podemos voltar".
...
"A verdade é tudo aquilo que o homem precisa para viver,
não pode ganhar nem comprar dos outros.
Todo homem deve produzí-la sempre no seu íntimo, se não ele se arruína.
Viver sem a verdade é impossível, mas não exagere o culto da verdade.
Não há um único homem no mundo, que não tenha mentido muitas vezes e com razão."
...
"Um livro deve ser o machado que quebra o mar gelado em nós".
Franz Kafka - Metamorfose.

27 de março de 2010

Mente Búdica...


"Não é difícil descobrir tua Mente Búdica
Simplesmente deixe de procurá-la.
Deixe de aceitar e rejeitar possíveis lugares
Onde pensas que ela possa estar
E ela aparecerá diante de ti.
Cuidado!

O menor sinal de preferência
Abrirá um abismo largo e profundo como o espaço entre o céu e a terra.
Se queres encontrar tua Mente Búdica
Não tenha opiniões sobre nada.
Opiniões produzem argumento
E a disputa é uma doença da mente.
Submerge nas profundezas.
A quietude é profunda.
Não há nada profundo em águas razas.
A Mente Búdica é perfeita e engloba o universo.
Não tem carência de nada e nada tem em excesso.
Se pensas que podes escolher entre as suas partes
Perderás de vista a sua verdadeira essência.
Não te apegues às aparências, às coisas opostas, às coisas que existem como relativas.

Aceite-as com imparcialidade

E não terás que perder tempo com escolhas sem sentido.
Os julgamentos e discriminações bloqueiam o fluxo e trazem as paixões.
Irritam a mente que precisa de quietude e paz.
Se vais de se a senão, de isto a aquilo, ou quaisquer dos inumeráveis opostos,
Perderás de vista o todo, o Uno.
Seguindo um oposto estarás te extraviando, para longe do centro de equilíbrio.
Como esperas alcançar o Uno?
Decidir o que é, é determinar o que não é.
Mas determinar o que não é pode te ocupar tanto que acaba se convertendo no que é.
Quanto mais falas e pensas, mais longe te encontras.
Deixa de falar e de pensar, e o encontrarás em todas as partes.
Se deixares todas as coisas voltarem à sua origem, está bem.
Mas se paras para pensar que esta é sua meta
E que é disto de que o sucesso depende,
E lutas e lutas ao invés de simplesmente deixar ir,
Não estarás praticando Zen.

No momento em que começas a discriminar e a preferir perdes o caminho.
Buscar o real também é um falso ponto de vista que deveria ser igualmente abandonado.
Deixa passar!

Deixa de buscar e de escolher.

As decisões dão lugar às confusões,e aonde pode chegar uma mente confusa?
Todos os pares de opostos vêm da Única Grande Mente Búdica.
Aceita os opostos com dócil resignação.
A Mente Búdica permanece calma e quieta,
Mantenha sua mente nela e nada poderá te perturbar.
O inofensivo e o danoso deixam de existir.
Os sujeitos, quando liberados de seus objetos, desaparecem
Tão certamente quanto os objetos, quando liberados de seus sujeitos, desaparecem também.
Cada um depende da existência do outro.
Entenda esta dualidade e verás que ambos provêm do Vazio do Absoluto.

A base de todo Ser contém os opostos.
Todas as coisas se originam do Uno.
Que perda de tempo escolher entre grosso e fino.
Já que a Grande Mente faz nascer todas as coisas,
Abrace-as todas e deixe morrer teus preconceitos.
Para realizar a Grande Mente não sejas vacilante nem ansioso.
Se tentar pegá-la, agarrarás o are cairás no caminho dos heréticos.

Onde está o Grande Tao?
Podes deixá-lo?
Ele permanecerá ou se irá?
Não está em toda a parte esperando por você para unir a tua natureza com a Sua e ficar livre de problemas como Ele é?
Não canse tua mente te preocupando em saber o que é real e o que não é,
Sobre o que aceitar ou o que rejeitar.
Se queres conhecer o Uno, deixe teus sentidos experimentarem o que vier,
Mas não seja influenciado e nem te envolvas no que vier.
O sábio age sem emoção e parece nem estar agindo.
O ignorante permite que suas emoções o envolvam.
O sábio compreende que todas as coisas são parte do Uno.
O ignorante vê diferenças em toda parte.
Todas as coisas são iguais em sua essência, assim apegar-se a algumas e abandonar outras
É viver no engano.

A mente não é juiz equânime de si mesma.
Tem preconceitos a favor ou contra si mesma.
Não pode ver nada objetivamente.

Bodhi está além de toda noção de bem e mal, além dos pares de opostos.
Os devaneios são ilusões e as flores nunca florescem no céu.
São invenções da imaginação e não merecem ser considerados.
Ganho e perda, certo e errado, grosso e fino.
Deixa todos irem!
Permanece atento.
Mantém abertos teus olhos.
Teus devaneios desaparecerão.
Se não fizeres julgamentos, tudo será exatamente como deve ser.

Profunda é a sabedoria do Tathagata,
Excelsa e além de todas as ilusões.
Este é o Uno a que todas as coisas retornam desde que não as separe,mantendo algumas e afastando outras.
De qualquer modo, onde as deixaria?

Todas estão dentro do Uno.

Não há fora.
O Supremo não tem modelo, dualidade, e nunca é parcial.
Confia nisto.
Mantém viva a tua fé.
Quando abandonas todas as distinções nada sobra exceto a Mente que é agora pura, que irradia sabedoria,e nunca se cansa.
Quando a Mente abandona as discriminações
Os pensamentos e os sentimentos não podem sondar suas profundezas.
O estado é absoluto e livre.
Não há nem eu nem o outro.
Apenas te darás conta de que és parte do Uno.

Tudo está dentro e nada está fora.

Os sábios do mundo todo compreendem isto.
Este conhecimento está além do tempo, seja longo ou curto,
Este conhecimento é eterno.
Nem é e nem não é.
O todo é aqui e o menor é igual ao maior.
O espaço nada pode confinar.
O maior é igual ao menor.
Não há limites, nem dentro nem fora.
O que é e o que não é são a mesma coisa,
Porque o que não é é igual ao que é.
Se não despertares para esta verdade, não se preocupe.
Apenas creia que tua Mente Búdica não é dividida,
Que ela aceita tudo sem julgamento.
Não preste atenção a palavras, discursos, ou métodos bonitos
O eterno não tem presente, passado ou futuro."
Terceiro Patriarca Chan - versão em português por Chuan Yuan Shakya

26 de março de 2010

Mãos abertas...


"Normalmente dizemos que respiramos, e isso não é verdadeiro - a vida respira em nós. Mas continuamos a nos considerar agentes e isso cria o problema,
Quando você fica controlado, excessivamente controlado, não permite que a vida lhe aconteça. Você impõe demasiadas condições e a vida não pode satisfazer nenhuma.

A vida lhe acontece somente quando você a aceita incondicionalmente e está disposto a dar-lhe as boas-vindas, não importa a forma que ela tome. Mas uma pessoa muito controlada está sempre querendo que a vida chegue de certa forma, está sempre pedindo que ela satisfaça certas condições - a vida não se importa, ela simplesmente não leva em conta pessoas como essa.
Quanto mais cedo você quebrar o confinamento do controle, melhor, porque todo controle é da mente. E você é maior do que a mente.
Uma pequena parte está tentando dominar, tentando dar ordens.

A vida segue em frente, você é deixado para trás e fica frustrado. A lógica da mente é tal que diz:"Olhe, você não controlou bem, e por isso perdeu...controle mais".

A verdade é justamente o oposto: as pessoas perdem muitas coisas devido ao exagerado controle.
Seja como um rio selvagem, e muito do que você nem pode sonhar, nem pode imaginar, nem pode esperar, está disponível logo ali, ao seu alcance.
Mas abra as mãos, não continue vivendo a vida com mãos fechadas, porque essa é a vida de controle.
Viva a vida com as mãos abertas.
Todo o céu está disponível, não se contente com menos."
Osho em Meditações Diárias.
....
Nesse texto nosso amado mestre Osho nos aponta a beleza do abandonar-se a vida...a existência a Deus...
Viver como um rio selvagem...sem ser represado, sem ser domado...ser indomável... livre, liberto...fluente...
Todo "controle" é falso...ele nem existe, é mental, é um pensamento apenas...
Nós apenas acreditamos que controlamos a vida, os fatos...
Isso chega a ser engraçado rsrsrs, impossível realmente...
A vida "ganha" sempre qualquer parada rsrsr.
Se brigamos com ela, se achamos que a temos nas mãos...ela SEMPRE nos surpreende!!
Daí a beleza de se deixar viver, se deixar ser, se deixar ir...ou não ir...nem importa !!
Viver de mãos abertas...generosas...amorosas...vivas...
Sempre em fluxo, em movimento, no aberto....como o céu...
Amor
Lilian

25 de março de 2010

Chuva...


Que venha a chuva,
Com suas gotas brilhantes,
Molhar meu rosto,
Escorrer pelo meu corpo
Colando nele o meu vestido.

Que ela me faça sentir um arrepio
Quando tocar meu pescoço
Com seu beijo molhado,
E me faça tremer ao sentir
O suave sopro do vento
Como uma carícia suave, deslizante, inebriante...

Então, eu dançarei descalça, na grama molhada,
Seguindo o descompasso do meu coração que,
Sem direção,
Mergulha absorto nessa inesperada explosão...

O vento refresca,
Mas é quente o meu corpo nessa dança.

Entrego-me a esse momento,
Abro os braços à chuva, à vida,
E me sinto plena...

E como a chuva que vai parando devagar
dando lugar a um sol radiante,
Deixo-me saborear os últimos instantes dessa dança solitária,
E finalmente me aquieto, esperando que o calor que me invade
Seque minhas roupas,
E me convide para a próxima dança...

Ego...


" O fenômeno do ego, do eu, não é uma coisa - é um processo.
Não é uma substância sentada lá dentro de vocês; vocês tem de criá-lo a cada momento.
É como pedalar uma bicicleta: se vocês pedalam, ela continua sempre andando;
Se vocês não pedalam, ela pára. (...). Não há mais energia, não há mais força para ir a lugar nenhum. Ela vai cair e entrar em colapso.

O ego existe porque nós continuamos a pedalar nossos desejos, porque continuamos a nos empenhar para conseguir alguma coisa, porque continuamos à frente de nós mesmos. É exatamente esse o fenômeno do ego - vocês saltam a sua própria frente, um salto no futuro, um salto no amanhã. O salto no inexistente cria o ego. Como resulta do inexistente, ele é como uma miragem. Ele consiste somente em desejos e nada mais.
O ego não está no presente; ele está no futuro. Se vocês estiverem no futuro, então o ego vai parecer bastante substancial. Se vocês estão no presente, o ego é uma miragem; ele começa a desaparecer.(...)

Vocês não conseguem parar o desejo; conseguem apenas compreendê-lo. É na própria compreensão do desejo que está a parada dele. Lembrem-se: ninguém consegue parar de desejar - mas a realidade só acontece quando o desejo pára.

Portanto o dilema. O que fazer? O desejo está dentro de nós, mas os budas vivem dizendo que o desejo precisa ser parado e no, momento seguinte, dizem que nós não conseguimos parar o desejo. Então o que fazer?As pessoas se vêem diante de um dilema. (...)
O desejo tem que ser compreendido. Você pode compreendê-lo, ver simplesmente a sua futilidade.(...)

No dia em que o desejo parou, no dia em que eu o encarei e percebi que ele era só futilidade, fiquei desamparado e desesperançado. Mas algo nesse exato momento começou a acontecer (...) Porque na nossa desesperança está a única esperança, porque na nossa ausência de desejo está a nossa única satisfação e por causa do nosso imenso desamparo, de repente toda a existência começa a nos ajudar.

A existência está esperando. Enquanto ela vê que vocês estão trabalhando por si mesmos, ela não interfere. Espera. Pode esperar indefinidamente, pois não há pressa para a existência. Ela é a eternidade.
Mas no momento em que vocês não estão por sua própria conta - no momento em que vocês desistirem, no momento que vocês desaparecerem - a existência inteira corre ao encontro de vocês. E pela primeira vez, as coisas começam a acontecer."
Osho em Autobiografia de um Místico Espiritualmente Incorreto.

23 de março de 2010

Somos...


Me diga quem é você?
Me diga se toda sua vida você foi o mesmo?
Me diga quantos rostos já teve?
Quantos horizontes, quantos caminhos, quantas direções?
Quantos amores, quantas aventuras, quantas experiências?

Impossível definir em palavras,
Toda caminhada que fizemos e ainda fazemos...
É fácil perceber nossa grandeza,
Apenas algumas perguntas simples,
E vemos o absoluto dinamismos do nosso existir....
Não cabemos em uma face apenas,
Não cabemos em um só pensamento,
Nem muito menos numa só emoção, nem mesmo numa só direção...

Somos todas,
Somos tudo,
Somos qualquer coisa, grande ou pequena,
Somos eternidade,
Infinitude,
Absoluto...

Nada pode realmente nos definir,
Nada pode realmente nos aprisionar,
Nada pode nos reduzir,
Nem sequer aparentemente tentar nos classificar...
Somos inclassificáveis...

Somos absolutamente livres,
Imensamente luminosos,
Infinitamente indefiníveis...

Vivenciamos todas as coisas,
Somos todos os rostos de todas as épocas, em todos os lugares,
Temos todas as formas e todas as idades,
Todas as eras, todos instantes...

Somos tudo, todos...
Somos em cada um e além...

Da pedra ao vento,
Do oceâno ao deserto,
Eras e eras de nascente ao poente,
Luas novas e cheias,
Estrelas cadentes, incandescentes,
Infinitude e pequenez,
Tudo a volta e no centro,
Circulando periféricos e profundamente despertos...

E ainda assim,
Somos puro silêncio,
Puro vazio,
Pura existência...apenas...

Indefinidos por palavras,
Somos... silentes...

Isso basta...

Estrela polar...


"O amor é a estrela polar. Tudo se move, exceto o amor.
Tudo muda, somente o amor permanece.
Neste mundo, em mutação, somente o amor é a substância imutável.
Tudo o mais é um fluxo, é momentâneo: somente o amor é eterno.
Assim, você precisa se lembrar destes dois pontos: Um é o amor, porque essa é a única coisa não ilusória, a única realidade; tudo o mais é sonho. Se você puder se tornar amoroso, você se tornará real; se atingir o amor total, você se tornará você mesmo, a verdade, porque o amor é a única verdade.

E segundo ponto de que você deve se lembrar é que, quando estiver caminhando, há algo em você que nunca caminha. Essa é a sua alma, sua estrela polar. Você come, mas algo em você nunca come; você fica com raiva, mas algo em você nunca fica com raiva; você faz mil e uma coisas, mas algo em você permanece absolutamente além do fazer.
Essa é a estrela polar. Ao caminhar, lembre-se daquilo que nunca caminha; ao se mover, lembre-se do Ser.
Lembre-se sempre do que é absolutamente permanente, daquilo que nunca estremece, que nunca oscila, que nunca conhece mudança.
Esse algo imutável dentro de você é o real, e o amor é a maneira de encontrá-lo."
Osho, em Meditações Diárias.

Alcançar a dimensão amorosa em nós, é alcançar a essência verdadeira, real, imutável...a única que permanece...
Que se manifesta no silêncio, na paz e no amor...incondicional
Essa qualidade amorosa é ampla, sem preferências, sem escolhas, nem medidas...apenas é.
Quando nos damos conta da qualidade amorosa, sem face, ela não é egóica, ela apenas é....e se realiza em si mesma, estamos na dimensão do aberto...como diziam os antigos, na dimensão do vivente em nós...
Aí, já não somos nós que vivemos, mas a vida, o vivente, que vivem em mim, e através de mim.
Sendo esse "mim", apenas uma sutil, temporária, despretenciosa e irrelevante aparência...
Amor
Lilian

22 de março de 2010

A linguagem do Silêncio...


"Quando você começa a se sentir mais próximo de alguém surge uma intimidade, então até mesmo uma simples palavra que pronuncie é importante. Então você não pode brincar com as palavras com tanta facilidade, porque agora tudo tem significado.Portanto, haverá lacunas de silêncio. A princípio você se sentirá estranho, porque não está acostumado ao silêncio. Você acha que deve dizer algo; do contrário, o que o outro irá pensar?

Sempre que você se aproxima de alguém, sempre que há algum tipo de amor, o silêncio vem e não há nada a dizer.

Na verdade, não há nada a dizer — não há nada. Com um estranho, há muito a dizer; com os amigos, nada a dizer. E o silêncio se torna pesado porque você não está acostumado com ele.Você não sabe o que é a música do silêncio. Você só conhece uma maneira de se comunicar, e essa é verbal, por intermédio da mente. Você não sabe como se comunicar por intermédio do coração, coração a coração, em silêncio.

Você não sabe como se comunicar apenas estando ali presente, por intermédio da sua presença. Você está evoluindo, e os padrões antigos de comunicação estão ficando insuficientes. Você terá de desenvolver novos padrões de comunicação não-verbal.
Quanto mais alguém amadurece, mais necessária é a comunicação não-verbal. A linguagem é necessária porque não sabemos como nos comunicar. Quando sabemos como fazê-lo, pouco a pouco, a linguagem não é necessária.
A linguagem é apenas um meio muito primário. O meio verdadeiro é o silêncio.(...)

Quanto mais você medita, mais você ama e mais se relaciona. E, por fim, chega o momento em que apenas o silêncio convém.
Assim, da próxima vez em que estiver com alguém e não estiver se comunicando com palavras, e sentir-se pouco à vontade, fique feliz. Mantenha o silêncio e deixe que o silêncio estabeleça a comunicação.

A linguagem é necessária para aproximar pessoas com quem você não tem um relacionamento amoroso. A não-linguagem é necessária para pessoas com quem você tem um relacionamento amoroso. É preciso tornar-se inocente outra vez como uma criança, e calado.

Os gestos sairão — às vezes vocês sorriem e dão-se as mãos, ou às vezes vocês apenas ficam em silêncio, olhando um nos olhos do outro, sem fazer nada, só estando ali, presentes. As presenças se encontram e se fundem, e algo acontece que só vocês sabem. Só vocês, com quem está acontecendo — ninguém mais vai saber, tal a profundidade em que acontece.
Aproveite esse silêncio; sinta-o, prove-o e saboreie-o.
Logo você vai ver que ele tem a sua própria comunicação; que ela é maior, mais elevada, mais secreta e mais profunda.
E que a comunicação é sagrada; há uma pureza em torno dela."
Osho, em Intimidade: Como confiar em si mesmo e nos outros.

Lao-Tzu..


"O grande TAO é onipresente:
Pode estar à direita e à esquerda.
Todas as coisas lhe devem a existência,
e ele não se recusa a elas.
Realiza a obra,
ele não a chama de sua propriedade.
Ele veste e alimenta todas as coisas
e não pretende ser o senhor delas.

Por estar continuamente sem desejos,
podem chamá-lo de pequeno.
Como todas as coisas dependem dele,
sem conhecê-lo como seu soberano,
podem chamá-lo de grande.
Assim também é o sábio:
ele jamais se engrandece;
por isso realiza a sua Grande Obra."
"Quem estima grandemente a Vida,
nada sabe da Vida,
por isso tem Vida.
Quem menospreza a Vida,
procura não perder a Vida,
por isso não tem Vida.
Quem estima a Vida
não age, nem faz planos.
Quem menospreza a Vida,
age e faz planos.
Quem estima o amor age, mas nada tem em vista.
Quem estima a justiça, age e faz planos.
Quem estima a moralidade age,
e quando não lhe fazem oposição,
a provoca com grandes gestos.
Por isso, se o TAO está perdido,
a Vida também está perdida,
Se a Vida está perdida, o amor está perdido,
Se o amor está perdido, a justiça está perdida,
Se a justiça está perdida, a moralidade está perdida,
A moralidade é a insuficiência da fidelidade, é indigência de fé e o começo da confusão.
A pré-ciência nada mais é que a aparência do TAO
e o começo da loucura.
Por isso o homem correto atem-se ao real
e não as aparências.
Ele vive no SER e não na ficção.
Rejeita esta e se atem aquele."
Lao-Tzu em Tao Te King ( versos XXXIV e XXXVIII)

21 de março de 2010

Verdade...


"Agora, dizer o que mais fundo me toca,
a verdade,
essa coisa que sua comigo,
que dorme comigo,
que sonha,
que anda,
desanda,
poemas escreve,
se encanta,
desdobra-se em mil sombras e alimenta o prazer de se manter feliz e inteiro quando todos os cacos já não grudam,
quando a palha já era,
quando as cartas colapsam,
quando os amigos partiram e queridos se foram,
quando nem mesmo as lágrimas adiantam,
quando nem o riso inebria,
quando a sensação de estar é meramente a materialidade de um casaco sobre os ombros,
quando nem resta esse sentido de pertencer ou possuir,
quando tanto faz tanto fez.
No entanto, sem remorso, tristeza ou saudade
mas um profundo ser no instante eterno do aqui e agora.
verticalmente no eterno instante.
vertiginosamente silencioso,
integrado às mais finas frequências,
sem fim nem começo,
transcendental."
Satyaprem - Poemas

Todo-unidade...


"Amadureça na vida. Pois somente a vida e seu calor podem amadurecê-lo. 
Amadureça! Passe pelo outro! Você terá de passar muitas vezes pelo outro, você terá de experimentar o outro de muitas e muitas maneiras - como amigo, inimigo, amante, adversário, irmão, irmã, esposa, pai, mãe, filho, filha...
Quando você experimentar o outro sob todas as possíveis dimensões, virá a perceber o ponto em que poderá estar com o outro mas em que permanecerá em solitude.
Sua solitude é indestrutível. (...) Duas solitudes se encontrando, mas a sua solitude permanece intacta, intocada. E esta é a dignidade, a grandeza e a beleza, pois esta é a liberdade. Do contrário, sua liberdade teria ido embora.

Seu espaço interior não pode ser usurpado por mais ninguém; ele não é usurpável. Você pode ser jogado de numa cela de prisão, porém sua mais intima solitude permanece livre. Alguém pode apunhalar seu coração, pode matá-lo, mas sua solitude permanece intocada pelo punhal.
Você pode ser atirado ao fogo e se queimar todo, mas sua solitude não queimará.

Essa solitude é Deus.

Deus não está fora.
Ele é o seu âmago mais profundo, é você em seu ser essencial, é a solitude que está dentro de você. Deus está dentro de você, não fora.

Na verdade dizer que Ele está no seu interior não é correto - Ele É o seu interior. O interior É Ele.

E uma vez conhecido seu interior, você ficará admirado ao perceber que o interior contém o exterior. E quando você o tiver conhecido como sua solitude mais íntima...você ficará surpreso....
Quando você se tornar realmente só, perceberá que tudo está contido pelas sua solitude.
Você chegou ao todo-unidade."
Osho em A Sabedoria das Areias.

20 de março de 2010

Koan...


Há um velho koan sobre um monge que foi até seu mestre e disse:
– Sou uma pessoa com muito raiva.
Quero que você me ajude.

O mestre falou:
– Me mostre sua raiva.

O monge respondeu:
– Bem, no momento não estou nervoso.
Não posso mostrá-la.

E o mestre:
– Então, obviamente, isso não é você, já que às vezes a raiva nem está aí.
Quem somos tem muitas faces, mas essas faces não são aquilo que somos.
Charlotte Joko Beck, em "Everyday Zen".

Emoções vem a nós. Emoções vão de nós.
Pensamentos vem a nós. Pensamentos vão de nós.
Nós não somos nem emoções, nem pensamentos.
O que somos afinal?
A tela onde todas emoções, todos os pensamentos podem ser projetados...e liberados...
Amor
Lilian

19 de março de 2010

Sensualidade...


"Sensualidade significa que você está aberto, pronto para pulsar com a existência.
Se um pássaro começa a cantar, a pessoa sensual sente, no mesmo instante, a canção ecoar no âmago do seu ser.
A pessoa que não é sensual não ouve nada, ou talvez escute só um barulho.
A canção não penetra em seu coração.
Um cuco começa a cantar — uma pessoa sensual não sente como se o pássaro estivesse cantando de um mangueiral, mas sim dos recônditos de sua própria alma.
O canto transforma-se no canto da própria pessoa, passa a ser seu próprio anseio divino.
Nesse momento, o observador e o observado são um só.
Ao ver uma flor desabrochando, uma pessoa sensual desabrocha com ela.
Uma pessoa sensual é líquida, fluente, fluida....
A cada experiência, ela torna-se essa experiência.
Ao contemplar o pôr-do-sol, se torna o pôr-do-sol.
Ao contemplar uma noite sem lua, de uma escuridão silenciosa e bela, ela se torna a escuridão.
Pela manhã, se torna a luz.
Ao ouvir uma música, ela é a música; ao ouvir o barulho da água, ela se torna esse barulho.
E, quando o vento passa pelo bambuzal, estalando os bambus... ela não está longe deles.
Está entre eles, em cada um deles — ela é o bambu.
Ela é tudo o que a vida é....
Saboreia a vida em todos os seus meandros.
Isso a torna uma pessoa rica: essa é a verdadeira riqueza.
Ser sensual é estar aberto aos mistérios da vida.
Seja cada vez mais sensual e deixe de lado todas as condenações.
Deixe que o seu corpo se torne uma porta...."
Osho em Corpo e mente em Equilíbrio

Essa fluidez que nos mostra o amado mestre, é a fluidez de viver com a vida, com o momento...
De ser com...
Ser com, é ser o momento, ser o instante, pulsar, amar...deixar-se levar em liberdade e confiança com a vida...ela é sábia, ela se expressa inteira, e viver de verdade é se deixar levar...como água no riacho...ele não sabe aonde está indo...mas a cada instante é uma descoberta, um aprendizado, e mais e mais confiança...
Fluidez nos remete a criança que brinca, que dança, que se expressa espontâneamente...
Não existe mais fora, nem dentro...um espelha o outro...são a mesma paisagem...paisagem viva e perfeita como é...
A intuição é a mestra. O amor é o ritmo... consciente...
Sensualidade...
Uma dimensão do Ser...
Amor
Lilian

18 de março de 2010

Buda...


"Você é um Buda.
Respeite-se e o estado búdico começará a mudar.
Você é um Buda inquieto? Logo você se tornará um Buda tranquilo.
Mas o estado búdico está presente, esteja você quieto ou tranquilo.
No momento você é um Buda confuso? Mais tarde você será um Buda sereno, mas o estado búdico permanece presente.
O estado búdico é tal que não pode ser tirado pela sua inquietação ou confusão.
No momento você pode ser um Buda ignorante; depois você será um Buda sábio, mas o estado búdico permanece o mesmo.(...)
Sim, você é um esplendor aprisionado, que precisa ser solto e liberto."
Osho em A Sabedoria das Areias.

Aqui nosso amado mestre, nos ilumina com a grande verdade, que permanece oculta ainda aos olhos de muitos...nossa natureza essencial, luminosa, Búdica...
Não importa nosso estado emocional, racional, confusional, ou o que seja rsrrs,
nossa natureza essencial É Búdica...É consciência...É presença plena...

Isso não muda...nem tem como mudar...

O que muda não somos nós de fato...tudo que muda não é você!!
Logo pode ser abandonado, pode ser libertado...
O que somos, sempre fomos e sempre seremos é esse estado Búdico eterno...absoluto....
O grandioso EU SOU !!!
Aquele que simplesmente permanece no mais profundo do silencio interior,
aquele que se deixa espelhar a realidade sem nada agarrar ou fixar...
Esse estado Búdico é impessoal...ele é ninguém...ele não é nem eu nem você....separados...
Quando os mestres falam que quando o Búda é desperto o "eu" desaparece, é a mais pura verdade, pois o "eu" se vê como separado do outro...
O estado Búdico, é absolutamente indivisível, impessoal, sem fronteiras, é a fonte...onde tudo e todos somos uma única, plena, absoluta, maravilhosa, radiante, luminosa, amorosa,
presença consciente...
Amor
Lilian

17 de março de 2010

Caminhada...


Olho ao redor,
Um balanço vazio,
Um pássaro solitário a brincar,
Um riacho passando tranquilo,
Uma nuvem que teima em ofuscar o sol...
Voam borboletas nas flores azuis,
Balançam as árvores altas, sorridentes,
Vejo o brilho das pequenas gotas de orvalho,
Quanto verde, quantas cores, quanta beleza estonteante...
Tudo me remete a divina beleza de estar mergulhada em Deus...

Sinto uma brisa leve nos meus cabelos,
Um sorriso amigo me chamando,
Encontro crianças brincando soltas no caminho,
Que sorriem e celebram a alegria de viver e amar,
Me encanto com tamanha paz de Ser em Deus...

Vejo ao longo do caminho várias curvas,
Que me convidam a degustar desse momento..
Umas são luminosas e plenas,
Outras são mais sombrias e escondidas,
Mas em todas existe manifestação, existe presença,
Todas são belas como são...

Caminhar é assim,
Nunca se sabe o que vai se encontrar,
Essa é a beleza do viver,
Cada passo é uma surpresa,
Cada instante uma descoberta,
Momentos únicos de encontros profundos...

Os detalhes são tão preciosos,
O pequenino é realmente especial,
Olhos simples alcançam o profundo,
Se encantam com as belezas generosas,
Da divina manifestação...

16 de março de 2010

Estrela...


Cai a noite,
Em meio a luzes ofuscadas,
Uma pequena estrela teima em brilhar no horizonte solitária,
Espera pelas outras que ainda dormem, talvez...
Ela solitária brilha tanto, e me faz lembra de ti...

Tão distante e tão próximo,
Brilhando em meio as sombras da vida,
Espalhando gotas luminosas de amor por aí,
Deixando um rastro de beleza e doçura por onde passa...

Será que seremos sós,
Será que seremos nós,
Será?
Não sei...
Aonde estamos indo?
Aonde... existe um lugar?
Não sei...

Sei apenas uma coisa,
Me rendo em seus braços,
Me rendo em seus olhos,
Me rendo simplesmente...em ti...

Ali não sou mais eu, não sou mais nada...
Já não existe eu nem você.
Já não existe distancia, nem nada...

Apenas aquela estrela no horizonte brilhando solitária...
Apenas ela...

Espelhar...


"As pessoas funcionam como fotografias, elas ficam apanhando tudo o que está disponivel.
O espelho nunca apanha coisa alguma.
Ele reflete, mas nunca possui algo, nunca segura algo.
Ele permite que esse algo passe rapidamente e nunca tem qualquer tipo de apego.
Esta é a beleza da meditação - meditação é espelhar.
Você vive mil e uma coisas, mas jamais se apega a nada.
Quando a primavera vem, você a desfruta, a reflete, responde a ela.
Quando ela se vai, ela se vai. Você não olha para trás, não chora por ela, não se lamenta. Você não se lamente pelo leite derramado e prossegue se movendo para frente..."
Osho em A Sabedoria das Areias

Aqui o amado mestre Osho nos aponta a direção da eterna alegria....a alegria do espelhar, da não fixação.
Essa consciência deveria ser nosso referencial por toda a vida.
A meditação nos leva a dimensão do Aberto, do Includente....e isso nos conecta com a unicidade do coração....
Espelhar significa amar e Ser Com aquele instante...mas consciente da sua impermanência, consciente da sua liberdade...
Quando se alcança a liberdade interior fica fácil vivencia-la também na vida cotidiana, nas menores coisas que a vida nos apresenta.
A mente fixada quer fixar.
A mente medrosa quer controlar.
A mente oprimida oprime...

Mas o coração liberto não se fixa.
O coração enfrenta as situações espelhando e aprendendo com cada cena, cada fato, cada movimento, cada repouso.
O coração é livre, e liberta...

Espelhar é isso...
Usufruir do momento, já que é efêmero, vivenciar o momento é interagir com ele, na maior profundidade e sutileza possíveis, e deixá-lo ir....
Permanecer um espelho limpo, aberto as novas possibilidades....sempre...
Amor
Lilian

14 de março de 2010

Aceitação...


"Se você aceita a si mesmo, esse é o começo da aceitação de tudo.
Se rejeita a si mesmo, você está basicamente rejeitando o universo;
Se rejeita a si mesmo, você está rejeitando a vida.
Se aceita a si mesmo, você aceitou a vida;
Então não há nada mais a fazer além de sentir prazer, celebrar.
Não há do que se queixar, não há ressentimentos; você se sente grato.
Então a vida é boa e a morte é boa;
Então a alegria é boa e a tristeza é boa;
Então, estar com a pessoa amada é bom e estar sozinho é bom.
Então, tudo o que acontece é bom, porque acontece a partir do TODO."
Osho, em Intimidade Como Confiar Em Si Mesmo e Nos Outros

Nesse pequenino texto do amado mestre Osho, vemos como a auto-aceitação, ou como dizem, a auto-estima, o gostar de si mesmo, é a base para a aceitação da Vida...
Uma baixa auto-estima, ou uma não aceitação de si mesmo, significa que existe ali uma mente crítica funcionando a mil por hora...cheia de argumentações, comparações, analises, e muito, mas muito julgamento...

Claro que uma mente tão poderosa assim, vai atingir primeiramente aquele que está mais próximo, ou seja, a própria pessoa ....
É como estar bem perto do fogo, a chance de se queimar é beeem grande !!
Uma mente critica, analítica, funciona como labaredas vivas, elas queimam...queimam a alegria, a leveza, a descontração...acabam com a simplicidade e nos faz vêr a vida TODA dessa maneira....queimada, chamuscada de tanto julgamento....fica na verdade tudo cinza... afinal a "mente labareda" passou por ali...deixando cinzas no lugar rsrssr.

Desse jeito , já que é difícil aceitar a si mesmo, aceitar o mundo então ....é impossível....
Como pode? Se a mente está sempre na frente "queimando" a realidade e fazendo as cores ficarem todas chamuscadas de cinza...tudo literalmente fica cinzento...e a vida "perde" a graça...

Não que a vida se importe com isso.... a vida continua coloridissima como sempre... mas para aquela pessoa a vida perdeu, queimou-se....virou pó...
Quando saímos dessa queimação toda, e entramos em águas frescas do amor, ahhh tudo muda na hora!!

O coração ama...aceita, e aprende com o que a vida trás...pode compreender ou não, isso nem importa, o coração É com a vida...
Dançante, e aceita o que vier pois vem do Todo, vem de Deus...e isso basta...
Amor
Lilian

Saint-Exupéry...


" Os braços do amor nos encerram com nosso presente, passado e futuro, os braços do amor nos agregam...

As paredes da prisão não podem confinar aquele que ama. Ele é de um império que não está nas coisas, mas sim no sentido das coisas, e zomba dos muros...

Tecemos muito lentamente a trama das amizades e afeições. Aprendemos devagar...

Se não tem esperanças de que o seu amor seja correspondido, é melhor se calar. Ele pode se conservar, chama ardente, dentro de você, em silêncio...

O amor tendo germinado, cria raízes que não param mais de crescer...

Aquele que lê uma carta de amor sente-se plenamente satisfeito, sejam quais foram o papel e a tinta usados. Pois ele não procura o amor nem no papel nem na tinta...

O amor não é pensar, mas ser...

Quando o acaso desperta o amor em alguém, tudo se acomoda naquela pessoa em obediência ao amor...

Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos...

O essencial na maioria das vezes não tem peso. Aqui aparentemente foi só um sorriso. Um sorriso é muitas vezes o fundamental. Somos pagos com um sorriso. Somos recompensados com um sorriso. Somos animados com um sorriso...

Quando nos abandonamos, não sofremos. Quando nos abandonamos, mesmo à tristeza, não sofremos mais...

O essencial da vela não é a cera que deixa suas marcas, mas sim a luz que ela liberta...

Viver é nascer aos poucos...

A vida sempre rompe os limites das fórmulas...

A vida cria a ordem , mas a ordem não cria a vida...

A lógica pura arruína a vida do espírito...

Até nossas misérias fazem parte de nossas riquezas..

Só estou ligado aqueles a quem eu me dou. Só compreendo aqueles a quem me uno...

Por trás de todas as coisas vistas, existe algo mais amplo. Tudo é apenas um caminho, um portal ou uma janela se abrindo para além de si mesmo..."
Extraído de A Sabedoria de Saint-Exupéry

13 de março de 2010

Além de ti...


Vai além de ti,
Vai para águas profundas e calmas,
Vai em meio a sombras e abismos,
Vai sem mesmo saber aonde,
Mas vai...

Caminha, corre, voa,
Não há mais lugar que te caiba,
Não há mais terra que cerceie,
Não há mais palavra que te diminua,
Não há mais espaço que consiga te prender...

Conhece o mais íntimo de ti,
O mais ínfimo de ti te conhece,
O infinito de ti te conhece,
E conhecendo serás conhecido,
Não haverá dois, nem mais,
Ínfinito e íntimo são apenas Um.

Vai além de ti,
Vai além das palavras,
Vai além de tudo que é pequeno e limitante,
Vai mais e mais ao que lhe pertence,
Em meio a rochas e madrugadas, lágrimas e melodias,
Reconhece aquilo que canta e dança em ti,
Reconhece o vazio luminoso original,
Reconhece sua verdadeira face no espelho,
Reconhece em ti aquele que É...

Ramana...


"Eu tenho um corpo, mas eu não sou meu corpo.
Eu posso ver e sentir meu corpo,
E o que pode ser visto e sentido não é o verdadeiro Vidente.
Meu corpo pode estar cansado ou excitado, doente ou saudável, pesado ou leve,mas isso nada tem a ver com meu Eu interior.
Eu tenho um corpo, mas eu não sou meu corpo.
Eu tenho desejos, mas eu não sou meus desejos, eu posso conhecer meus desejos,e o que pode ser conhecido não é o verdadeiro Conhecido.
Desejos vêm e vão, flutuando através de minha percepção, mas eles não afetam meu Eu interior.
Eu tenho desejos, mas não sou desejos.
Eu tenho emoções, mas eu não sou minhas emoções.
Eu posso sentir minhas emoções, e o que pode ser sentido não é o verdadeiro Senciente.
As emoções passam através de mim,mas elas não afetam meu Eu interior.
Eu tenho emoções, mas eu não sou emoções.
Eu tenho pensamentos, mas eu não sou meus pensamentos.
Eu posso conhecer e intuir meus pensamentos,
E o que pode ser conhecido não é o verdadeiro Conhecedor.
Pensamentos vêm a mim e pensamentos me deixam,mas eles não afetam meu Eu interior.
Eu tenho pensamentos, mas não sou meus pensamentos.

Eu sou o que permanece,
Um centro puro de percepção,
Uma testemunha impassível de todos esses pensamentos, emoções, sentimentos e desejos."
RAMANA MAHARSHI - Sábio iluminado advaita

12 de março de 2010

Mulher...


"Mulher, não és só obra de Deus;
Os homens vão-te criando eternamente com a formosura dos seus corações,
E os seus anseios vestiram de glória a tua juventude.
Por ti o poeta vai tecendo a sua imaginária tela de ouro:
O pintor dá às tuas formas, dia após dia, nova imortalidade.
Para te adornar, para te vestir, para tornar-te mais preciosa,
O mar traz as suas pérolas,
A terra o seu ouro, sua flor os jardins do verão.
Mulher, és meio mulher, meio sonho."
Por Rabindranath Tagore

Jornada interior...


"É isso que acontece na jornada interior. Se você puder confiar, uma coisa ou outra sempre acontecerá e ajudará seu crescimento. " Suas necessidades serão supridas". Será fornecido a você tudo que num dado momento for necessário, e nunca antes disso.
Você o recebe somente quando precisa, e não há sequer um único momento de atraso. Quando você o necessita, você o recebe, imediatamente, instantâneamente!!
Essa é a beleza da confiança. Logo você qprende como a existência o abastece, como ela cuida de você. Você não está vivendo numa existência indiferente, ela não o ignora.
Você está preocupado desnecessariamente; tudo é provido.
Uma vez descoberta a chave dessa percepção, toda preocupação desaparece. (...)

Lembre-se: conhecimento, informação, tudo isso é emprestado.
A verdadeira religião nunca acontece como conhecimento, mas como revelação. O conhecimento é o esforço do ser humano para saber a respeito da realidade.
A revelação é de Deus... não do ser humano. Sempre que alguém esta confiando o suficiente, Deus se revela, abre seus mistério.
Esses mistérios não são desvendados devido à sua curiosidade, mas devido à sua confiança.
O conhecimento resulta da curiosidade, a sabedoria da revelação. (...)
A espiritualidade é uma dádiva.
Ela surge para aqueles que confiam e acontece para aqueles que amam, amam imensamente, sem motivações.
Ela acontece para os corajosos, para aqueles que têm uma grande aspiração de viver perigosamente."
Osho em A Sabedoria das Areias.

11 de março de 2010

Saiba apenas que...



Saiba apenas que:
Não existe certo ou errado,
Nem começo nem fim,
Nem isso ou aquilo,
Nem aqui, ali ou lá,
Nem claro nem escuro,
Nem mais nem menos.
Não existe cheio nem vazio,
Nem fácil ou difícil,
Nem belo nem feio,
Nem bom ou ruim,
Nem alto nem baixo,
Nem frio nem quente,
Nem grande nem pequeno,
Nem passado nem futuro,
Nem virtude ou pecado.

Não existe busca nem encontro,
Nem mérito, nem esforço,
Nem fracasso, nem sucesso,
Nem movimento nem repouso,
Nem sonho nem realidade,
Nem vida nem morte,
Não existem pessoas, nem coisas,
Não existe nem eu nem você...

O que existe afinal?
A Existência.
Alguns também a chamam de Deus...

Imagine...


Imagine um dia, você acorda de manhã, se senta na cama, esfrega seus olhos, e ao abri-los se dá conta que tudo a sua volta tem o brilho da divindade....o mesmo quarto, a mesma cortina, a mesma mesinha, o mesmo armário, o mesmo tapete, tudo o mesmo, e tudo absolutamente novo, divino, manifestação divina por todos os lados...e você ali, percebendo tudo isso....

Quando você vai ao banheiro, e se olha no espelho, o seu próprio rosto, ainda é o mesmo de antes e já não é mais, é divina manifestação também...escova seus dentes, toma seu banho...a água do chuveiro é divina, cai sobre seu corpo divino e lhe trás a sensação de um carinho feito pelas próprias mãos de Deus...água divina...

Você toma seu café, e ele não tem mais o mesmo gosto, é pleno de divindade, seu pão é outro sabor...o rosto e a voz da sua esposa (marido), seus filhos....tudo irradia uma aura de beleza, de presença...e você inclusive é também essa manifestação luminosa....

Pega seu carro, pega trânsito...ouve suas músicas preferidas...e tudo absolutamente TUDO agora é simplesmente Deus manifesto, Deus VIVO, Deus isso, Deus aquilo....Deus tudo enfim...

No trabalho a mesma coisa, sua mesa, seus colegas de trabalho, tudo irradia uma alegria tão simples e natural, tudo é tão perfeito que nada, absolutamente nada deve ser mudado, tudo absolutamente perfeito como deve ser ou estar....

Quando você se dá conta de que só Deus É, e que nós estamos totalmente mergulhados na Sua manifestação, nada digo, absolutamente nada pode te abalar ou incomodar....pois você mesmo tem no mais profundo do seu Ser a infinita confiança de que TUDO É Deus manifesto, Tudo é PERFEIÇÃO...

Você percebe que todos os rostos, todas as coisas, todos os lugares...tudo enfim, inclusive seus pensamentos, palavras, tudo mesmo...passa a ser absoluta manifestação divina....TUDO É DEUS.
Se você sorri, Deus sorri, se você chora, Deus chora em você, se você se encanta...é o próprio Deus se encantando em você...

Não existem mais eu e você, não existe mais isso ou aquilo, não existem mais diferenças, nem esse lugar ou aquele, agora ou depois, certo ou errado, bom e mal, luz e sombra, vida e morte...
Deus É TUDO....amorosamente TUDO... simplesmente...

A radiância é tanta que você se encanta com tudo, com todos, com cada pequenina cena do cotidiano...pois tudo revela Deus para você...tudo é Deus se manifestando para você, tudo é Deus brincando com você, tudo é Deus contando a "Sua" história para você....

A revelação divina é assim, simples, suave e acontece no mais profundo do nosso ser...não faz alarde, nem solta fogos de artificio, é mesmo delicada e silenciosa....mas nos remete a uma dimensão luminosa e infinitamente bela....pura poesia e beleza...nas mínimas coisas, em cada pequenino instante....Deus vivo, vibrante, pulsante, radiante na criação...

É isso que os Mestres chamam de Despertar, Iluminar...
Imagine um dia isso acontecendo a você...
Amor
Lilian

10 de março de 2010

Confiança...


"Se você exala o ar, confia na vida. A palavra budista nirvana, significa simplesmente exalar, expirar- confiar.
A confiança é um fenômeno muito, mas muito inocente. A crença é da cabeça; a confiança é do coração.
Você simplesmente confia na vida, pois você é a vida, vive na vida e voltará à fonte. Não há medo.
Você nasce, vive e morre - não há medo. (...) A mesma vida que lhe deu vida, pode sempre lhe dar ainda mais, então por que ter medo? Porque se apegara crenças?
As crenças são criadas pelos homens; a confiança é criada por Deus.
As crenças são filosóficas; a confiança nada tem a ver com filosofia.
A confiança simplesmente mostra que sabe o que é amor.
Não é um conceito de Deus, sentado em algum lugar no céu, manipulando e gerenciando.
A confiança não precisa de Deus; a vida infinita, sua totalidade é mais que suficiente. Quando confia, você relaxa.
Esse relaxamento é a entrega. (...)
Religião em si é entrega, relaxamento. Naõ se apegue a coisa alguma.
O apego mostra que você não confia na vida. (...)

A vida é tremendamente bela. É Divina.
Quando dizemos : A vida é Deus; simplesmente afirmamos que a vida é tão tremendamente bela que sentimos reverência por ela. Só isso.
A vida é tão bela que dá vontade de venerá-la. (...)
Quando afirmamos que a vida é Deus, só estamos afirmando: Não veja a vida como algo banal. Ela é extraordinária.
Há uma tremenda potencialidade nela. Basta abrir os olhos;
Nunca vi uma pessoa que não estivesse interessada em Deus- embora ele não saiba disso- pois nunca vi uma pessoa que não tivesse interesse na felicidade.
Se você se interessa pela felicidade, e interessa por Deus; se se interessa em ser feliz, se interesessa em Deus.
Esqueça Deus.
Apenas tente ser feliz, e um dia, quando você estiver dançando em sua felicidade, quando seu rio interior estiver fluindo, de repente a vida não parecerá mais banal.
Em todos os lugares, alguma força desconhecida se esconderá e você verá Deus nas flores, nas pedras, nas estrelas.
Eu lhe digo: plante uma semente, uma canção, uma estrela.
Se você puder ser feliz, pode se tornar religioso."
Osho em A música Mais Antiga do Universo.

9 de março de 2010

Vida viva...



Hoje queria refletir sobre a beleza de ser vivo...de se sentir vivo...apenas. Parece que ao longo de nossas vidas, a própria vida vai sendo colocada em baixo de tantas coisas, muitas condicionantes...muitas mesmo...que uma hora paramos e nos damos conta...cadê a vida que estava aqui?
Pode parecer até engraçado, e é mesmo rsrsr, mas a vida vivida, de forma livre, solta é quase um sacrilégio hoje em dia...
Todos os adjetivos vem em cima daqueles que vivem soltos, leves, e se deixam levar pela sensação de estar vivo...
Não precisa ser irresponsável, nem louco, nem nada de diferente...a mudança é dentro, no silêncio de dentro...
A gente se dá conta que o ser vivo é a nossa natureza essencial, só isso!
Não precisa de grandes coisas, nem preparativos mirabolantes....ser vivo é natural...como o sol brilhando no céu, ele brilha só isso...não pede explicações...ele brilha...

Viver é assim. Não é condicionado, nem condicionante...é livre...

As vezes fico pensando como seria o mundo se todos sentissem essa vida pulsando, brilhando dentro em cada coração....uma alegria gratuita...apenas por estar vivo....
As explicações podem até vir, as analises e tudo o mais pode acontecer, sem problemas....contanto que o ser VIVO esteja presente....vibrante...luminoso...

Matar a sensação de estar vivo explicando é que não tem nada a ver....´
E é isso que tem acontecido muito por ai...infelizmente.
Perde-se a sensação de estar vivo, e passa-se a pensar em viver...
Talvez amanhã ou depois, um dia, daqui a um ano, dez anos, quando eu for isso, quando eu fizer aquilo...com alguém, ou sem alguém....condicionantes...e mais condicionantes...
Como fica isso?
E até lá? Não se vive? Se espera? Como é que faz?
Vai se deixando a coisa se perder?
É estranho isso...muito estranho...

Vejo muita gente "vivendo" assim...sem vida...apenas nos condicionantes....cheios de barreiras para entrar em contato com a vida de verdade....
Converso muito com pessoas nessa condição de não-vida...
Sempre queixosas, se colocam em situações limites, sempre em becos sem saída...ou perto disso...
Situação de não-vida é assim...aí o corpo começa a dar sinais que tem alguma coisa errada que precisa ser mudado...dores aparecem, problemas daqui e dali, como que dizendo:
Olha, pare e comece a olhar para você, veja você não está vivendo de verdade, você está se enganando, isso ai que você faz não é viver...é outra coisa...vida é prazer, alegria, celebração...
Deveríamos tomar consciência que viver é como respirar, não é esforço é prazer é brincadeira...
Uma criança vive brincando...porque um adulto não pode viver brincando também... e no seu trabalho usufruir e produzir com leveza, descontraído, sendo amigo, sendo parceiro...criando boas relações...amando...
A vida adulta não é excluída da vida leve, nem da vida simples... pelo contrário deveria ser melhor ainda, mais sábia, mais bela, mais rica e mais includente em matéria de alegria, sentimentos, coloridos diversos, mais e mais facetas descobertas, manifestas...isso sim seria uma vida adulta VIVA...
A criança permanece em nós, nascemos crianças...ela perdura toda nossa existência...

Podemos viver assim se quisermos, basta tomar consciência que na verdade TODAS as barreiras e condicionantes, somos nós que criamos...e o pior...para nós mesmos..
Se amamos a vida, e dançamos nela, fica fácil aceitar certas coisas amando...vem dela, vem de Deus vivo na vida...amemos...
Mesmo que não compreendamos....amemos....vem da vida...vem de Deus vivo na vida é assim....

O nosso pacto, nosso vinculo deveria ser sempre COM A VIDA....haja o que houver, seja o que for...as barreiras ( se existirem) deveriam ser vistas como desafios, "provocações" que a própria vida nos faz, como que nos "testando" se é aquilo mesmo que queremos...se for, vamos em frente...pois o nosso vinculo é com a vida, com a grande brincadeira da vida....e isso ninguém nos tira...o prazer de brincar...o prazer de ser VIVO...com a VIDA...em qualquer idade...
Amor
Lilian
Related Posts with Thumbnails