28 de fevereiro de 2010

EU SOU...


Se olhas uma montanha,
aí EU SOU
Se mergulhas no mais profundo dos abismos,
EU SOU
Se caminhas em meio as pedras, em meio a rosas,
EU SOU
No mais profundo do Ser...
EU SOU
Bem diante dos seus olhos,
EU SOU
Nos confins do universo,
EU SOU
No infinito dos átomos,
EU SOU.

SOU EU que crio, construo, destruo,
SOU EU que faço, desfaço, velo, revelo,
SOU EU que canto, danço, celebro,
SOU EU que oro todas as orações,
SOU EU na mesquita, no templo, na igreja,
SOU EU a inspiração, o pensamento e a emoção,
SOU EU absoluto em cada coração,
SOU EU que leio essas palavras,
SOU EU que medito e contemplo em ti,

Mesmo que não me vejas,
EU SOU,
Mesmo que não me reconheças,
EU SOU.

Pois só EU SOU o canto dos pássaros,
Só EU SOU as ondas do mar,
Só EU SOU o âmago da existência,
Só EU SOU sou a explosão do riso,
Só EU SOU a lágrima de saudade,
Só EU SOU o que SOU...

SOU EU que me apresento ao nascer do dia,
SOU EU a gota e o oceano,
SOU EU que vibro na explosão do Amor,
SOU EU a busca e o encontro,
SOU EU a distância e a separação,
SOU EU o movimento e o repouso,
Todos os nomes SOU EU,
Todos os rostos, SOU EU
Todas as formas SOU EU
Eternamente agora, SOU EU...

SOU EU que me derramo na criação,
SOU EU absolutamente presente,
Absolutamente consciente,
Absolutamente potente...

SOU EU que me revelo a Mim mesmo,
E dos aparentes dois, dez, mil, milhões,
Nunca, jamais houve mais que UM,
EU SOU...

27 de fevereiro de 2010

Vem...



Vem,
Dança comigo a dança da vida,
Dança comigo a dança colorida do amor,
A dança dos que amam,
Dos que se inebriam da beleza e do esplendor da canção cósmica,
E brindam a eternidade de existir simplesmente,
Dançando...

Vem,
Dança comigo a canção mais linda,
Dança num abraço imenso de luz,
Aonde nos perdemos de nós mesmos,
Aonde, o próprio aonde não é mais nada,
Aonde apenas a dança permanece...

Vem,
Dança comigo nessa paz inebriante, imensa,
Dancemos num ritmo flutuante, mágico,
Dancemos imersos na dança,
Na canção,
Na presença...

Dancemos juntos, infinitamente juntos,
Num abraço perfumado de melodia divina,
Num abraço que em si mesmo reflete toda a canção,
Num abraço tão imenso e tão vasto
Que até o silêncio dança com a gente, alegremente...

Vem,
Dança comigo essa melodia divina,
Sejamos crianças mais uma vez, e para sempre,
Alcancemos as esferas celestes aqui mesmo,
Em plena dança...
Em plena presença,
Em pleno nada que somos...
Vem...

26 de fevereiro de 2010

Rumi...


"Toda forma que vês tem seu arquétipo no mundo sem-lugar.
Se a forma esvanece, não importa,
permanece o original.
As belas figuras que viste,
as sábias palavras que escutaste,
não te entristeças se pereceram.
Enquanto a fonte é abundante,
o rio dá água sem cessar.
Por que te lamentas se nenhum dos dois se detém?
A alma é a fonte,
e as coisas criadas, os rios.
Enquanto a fonte jorra, correm os rios.
Tira da cabeça todo o pesar e sorve aos borbotões a água deste rio.
Que a água não seca, ela não tem fim.
Desde que chegaste ao mundo do ser, uma escada foi posta diante de ti, para que escapasses.

Primeiro, foste mineral; depois, te tornaste planta, e mais tarde, animal.
Como pode ser isto segredo para ti?
Finalmente foste feito homem, com conhecimento, razão e fé.

Contempla teu corpo; um punhado de pó vê quão perfeito se tornou!
Quando tiveres cumprido tua jornada, decerto hás de regressar como anjo;
depois disso, terás terminado de vez com a terra,e tua estação há de ser o céu.

Passa de novo pela vida angelical,
entra naquele oceano,
e que tua gota se torne o mar, cem vezes maior que o Mar de Oman.
Abandona este filho que chamas corpo e diz sempre Um;
com toda a alma.
Se teu corpo envelhece, que importa?
Ainda é fresca tua alma."
Rumi, em A evolução da alma.

25 de fevereiro de 2010

O Corpo...


"O corpo lhe dá mensagens somente em sussurros. Se você ficar alerta, será capaz de entendê-lo. E o corpo tem uma sabedoria própria, que é muito mais profunda que a da mente. A mente é imatura. O corpo permaneceu sem a mente por milênios. A mente chegou mais tarde, ela ainda não sabe muito.Tudo o que é básico, o corpo ainda o mantém sob seu controle. Somente coisas inúteis foram dadas à mente - pensar sobre filosofia, inferno, política.

Assim, escute o corpo e nunca se compare com mais ninguém. Nunca antes houve uma pessoa como você e nunca haverá. Você é absolutamente único - no passado, no presente e no futuro. Assim, você não pode comparar suas características com ninguém e não pode imitar ninguém." Osho em Meditações diárias.

Nesse pequeno texto, nosso amado mestre Osho nos aponta a beleza da saboria do corpo. Nosso corpo é absolutamente único e realmente fala... e fala muito !! Só que é uma linguagem, não uma língua, mas uma linguagem que não é binária, mas tridimensional ou até eu diria, pluridimensional...
O corpo responde aos aspectos sutis do Ser. Todo o gestual, as dinâmicas do movimento, pausa, repouso, os ritmos e níveis da respiração, a aura que emana do corpo, os olhares, a fala, os tons da fala, expressões de face, as mãos, enfim uma enormidade de manifestações simultâneas, expressam o profundo à superfície do corpo.

Particularmente sempre tive um fascínio pela pele, e por todo significado implícito na superfície/ profundidade/ funcionalidade da nossa pele. Nossa pele por ser o maior órgão do nosso corpo, é muitas vezes banalizada em sua importância. Mas todo toque, todo carinho, todo sentir o outro, todo contato, começa na pele... é um despertar de sensações que vão aos poucos se aprofundando e daí envolvem todo o nosso biosistema. Da mesma forma, a pele expressa as emoções que estão ainda na subjetividade...numa linguagem bem sutil, é quase imperceptível aos olhos externos, mas todo o corpo sente quando um arrepio nos tira de chão... nossa pele em ação !!

Quando nos aprofundamos nas sensações do corpo, entramos em um mundo mais delicado e muito perceptivo, que não é mental racional, mas muito mais observador... sentir o corpo e sua linguagem nos faz ficar mais atentos aos outros também, as percepções que vem de fora... nos conectamos mais com os outros, na essência, sem julgamentos, apenas percepções.

Enfim, nosso corpo é uma divina manifestação. Nossa casa nessa dimensão. Nossa presença física. Estamos no corpo, embora não sejamos nosso corpo, ainda assim ele possui uma beleza e uma sabedoria infinitas...expressões únicas do Ser...
Amor
Lilian

24 de fevereiro de 2010

Delicadeza...


Debaixo de formas das mais variadas,
Em meio a muitas e muitas maneiras de ser,
Oculto aos olhos pequenos,
Emerge um brilho, uma chama...

Pode parecer pequenino,
Poder ser até insignificante,
As vezes passa desapercebido,
Mas ali mesmo radiante está uma luz, uma chama...

Aos que vivem apressados não vêem,
Aos que não escutam nem observam, também,
Aos que vivem dormindo, se perde,
Aos que acham que tudo sabem, também.

Mas aqueles que estão atentos eis que se revela,
Aqueles de respiram o instante, também,
Aqueles que apuram os ouvido,
Aqueles que calmamente caminham e repousam, também.

Esse revelar é delicado,
É perfumado e límpido como a rosa,
Tem um frescor incomparável,
Uma poesia com a rima mais rica.
Evoca uma delicadeza tão linda,
Repercute no profundo dos nossos corações...

Divino Amor silencioso e profundo,
Magnifico amor que sutilmente se manifesta,
Amor que delicadamente toma formas e cores,
Amor que delicadamente nos possui,
Completamente...

Nosso filme particular...


Hoje queria refletir sobre o filme que cada um de nós vive em nossas vidas.
Os pensamentos, e emoções vem a nossa consciência e nela se projetam, como o filme na tela em branco no cinema.
A tela é nossa consciência inabalável, permanente. Mas o filme, bem, esse pode ser qualquer um. Pode ser um filme de terror, uma comédia, um romance, uma aventura, ou todos eles misturados e ao mesmo tempo...
Isso fica a nosso critério. Quando nos identificamos com um filme, pode ser longa metragem ou um curta, não faz diferença, "entramos" literalmente no filme, e passamos a ver o mundo, as coisas, a nós mesmo, enfim, tudo e todos pelo prisma daquele filme que estamos vivendo.
Pode parecer curioso, mas é assim que todos vivemos. Cada um em seu "filme" particular.
Quando alguns "filmes" se encontram, ótimo, quando outros entram em choque, problemas rsrsrs.
Dai que a vida transcorre de um enredo a outro, ou mistura de enredos. Tudo isso acontecendo na mente que projeta na tela da consciência, e esta devido a sua própria natureza, se identifica com o filme...
Por isso vemos pessoas tristes, infelizes, magoadas, solitárias, outras ansiosas, medrosas, cheias de manias e obsessões...enfim os enredos dos filmes são infinitos... como nossa mente...
Só não nos damos conta que nós estamos nos identificando com os filmes, isso nos trás sofrimento, apego, e poderíamos deixar os filmes passarem, e observarmos eles passarem apenas... sem essa identificação... apenas assistir ao filme ( que quisermos) e deixar os outros irem.. irem embora...
Ser observador é isso.
Manter-se na consciência plena e pacífica...tranquila e pura...
Reconhecer o ilusório como ilusório.
Reconhecer o real como real.
Deixar o filme passar. Ficamos na poltrona da plateia assistindo e nos divertindo com tudo isso !!
Amor
Lilian

23 de fevereiro de 2010

A fertilidade do Amor...


"Nada jamais nasceu do medo.
O amor dá nascimento, o amor é criativo; o medo é impotente.
É assim que as coisas são.
O amor tudo pode, tudo realiza.
A mente vive no não, ela só diz não; o seu combustível é dizer não para tudo.
A mente é basicamente ateísta, negativa.
Não existe mente positiva..."
Osho em Talks on Kabir.

Esse texto nos remete a uma tomada de consciência.
Centrados no amor, somos tudo, somos positivos, includentes, realizadores, manifestos...somos a fertilidade em ação...
Já quando estamos na periferia da mente, na divisão, as coisas se apresentam medrosas, apreensivas, negativas, problemáticas...estéreis...
O "não" pertence a mente. Pois ela analítica e crítica, funciona condicionada por fatos e informações passadas, repetindo padrões pré-concebidos, funciona mesmo como um computador programado para pensar repetido e evitar qualquer surpresa...
Só que a vida é surpresa...Viver é se surpreender a cada instante....Se não há surpresa não há vida...
Quem controla realmente a vida?
Impossível.
Como a gota pode querer controlar o oceano? Chega a ser engraçado!!
Nossa mente pequena foi feita para ser disponibilizada pelo amor... uma ferramenta útil em certos momentos, mas não sempre...
O amor irradia uma sabedoria pura e plural. Não se prende a regras e não está nem ai para coisas repetidas... pelo contrário ele vive o momento e ilumina a beleza do instante sem nada pedir em troca, ou fazer regras para barganhar recompensas... o amor se realiza em si mesmo...

Lembrando apenas que o Amor É a nossa natureza essencial... já a mente...
Amor
Lilian

22 de fevereiro de 2010

Ser inútil...


Lao Tzu estava caminhando com seus discípulos e eles chegaram a uma floresta onde centenas de pessoas estavam cortando árvores, pois um grande palácio estava sendo construído. Assim, praticamente toda a floresta tinha sido cortada, mas apenas uma árvore estava em pé, uma grande árvore com milhares de galhos, tão grande que dez mil pessoas podiam se sentar à sua sombra. Lao Tzu pediu aos discípulos para perguntar por que aquela árvore não havia sido cortada, enquanto todas a floresta viera abaixo.

Os discípulos foram e perguntaram: "Por que vocês não cortaram aquela árvore?"
Eles disseram: " Aquela árvore é absolutamente inútil. Não se pode fazer nada com ela. porque todos os galhos têm muitos nós e não tem nenhum galho reto. Não se pode fazer colunas a partir dela, não se pode fazer móveis com ela, não se pode usá-la para queimar porque sua fumaça é muito perigosa para os olhos, que ficam praticamente cegos com ela. Aquela árvore é absolutamente inútil e é por isso que não a cortamos".
Os discípulos voltaram a Lao Tzu, que riu e disse: " Sejam como essa árvore. Se vocês quiserem sobreviver neste mundo, sejam como essa árvore, absolutamente inúteis. Então ninguém os prejudicará. Se vocês forem belos, serão vendidos no mercado e se tornarão uma mercadoria. Sejam como essa árvore, absolutamente inúteis. Então ninguém poderá prejudicá-los e vocês crescerão grandes e vastos e milhares de pessoas poderão encontrar sombra debaixo de vocês."

Esse belo texto de Lao Tzu, nos aponta como ser um "ninguém" nesse mundo.
Usando a analogia da árvore frondosa, e cuja copa abriga milhares, somente um "ninguém" consegue viver nesse mundo sem conflitos, ou sem ser "visto" como alvo dos olhos egocêntricos, mundanos...
Abandonado o "alguém" entramos na dimensão da simplicidade, e da "não-dualidade", do
não-partidário.
Fica fácil ser assim, e a vida se torna um mero desenrolar de presentes sucessivos e maravilhosos...
Nada temos que provar. Nada temos que conquistar. Nada temos que ser...
Já somos...
Ser inútil é ser um ninguém. Não somos ameaça. Apenas somos...
Amor
Lilian

Deus e Sabedoria...


"Deus é celebração...
Se você não estiver dançando e cantando e celebrando, não está pronto para Deus.
Deus é celebração, é uma dança, é uma canção.
Deus não pode acontecer para pessoas tristes e sérias, não pode acontecer para as pessoas amarguradas.

A amargura faz as pessoas murchar, a felicidade as faz expandir, a bem-aventurança as torna espaçosas — e Deus precisa de todo o espaço, só assim o céu supremo pode entrar em você.
Você tem de se tornar quase tão vasto quanto o céu — e isso só é possível na absoluta bem-aventurança....

A sabedoria é uma canção...
Não é seriedade, é descontração; não é triste, é comemorativa.
Se a sabedoria não for uma canção, não é verdadeira: é apenas um conhecimento, mero conhecimento.
Ela só finge ser sabedoria.
Mas a sabedoria verdadeira, que pode se tornar uma canção, que no fim realmente se torna uma canção, só nasce da meditação.
Não há outro meio.."
Osho em Meditações para a noite.

21 de fevereiro de 2010

Véu...


Apenas um véu nos separa de nós mesmos...
Uma nuvem,
Uma identidade...
Algo que nem nome possui,
Nem espaço,
Nem tempo.
Algo que nem algo é...
Faz com que sejamos vítimas e algozes de nós mesmos,
E do mundo...
Apenas um véu nos separa de nós mesmos...
Entretanto é necessária uma investigação minuciosa,
Um amor sem controle,
Um instante de silêncio e de paz...

Além desse pequeno véu que nos encobre,
Perpassa uma realidade sem fronteiras, nem nomes, nem formas...
Perpassa um desejo sem culpa, sem prisões ou imposições.
Influencia de algo maior e mais luminoso,
Repercute no mais profundo do nosso existir...

Esse amor é a plena realização do Ser,
Imenso,
Terno,
Puro,
Emana um perfume da eternidade e do instante,
Emana um arco-íris de radiância sem fronteiras,
Emana uma beleza da presença divina em cada olhar...

20 de fevereiro de 2010

Cerrado...


Hoje queria compartilhar com vocês a alegria de viajar...
Nosso país é um dos mais lindos que existe...isso não é novidade!!
Riquíssimo em paisagens, pessoas lindas, regionalismos encantadores...
Aqui no centro do país, sentimos a força do cerrado, da terra vermelha, da forte influencia indígena e nordestina, nos costumes, na culinária, nas canções, no jeito de falar... o que nos remete a um colorido "caliente" tropical...
Aqui podemos assistir aos mais lindos espetáculos do entardecer...obra prima divina que tem hora marcada para acontecer... lindo demais!!!
Brasília é uma cidade interessante a meu ver. Uma arquitetura única, Oscar Niemeyer fez (e faz!) aqui a sua obra prima, sua assinatura... harmonia de formas em meio ao descampado enorme... amplidão... sol a pino que reflete nas formas criadas por um gênio, e construídas por mãos de trabalhadores tão simples... um contraste atrás do outro...
Isso nos remete a uma harmonia, já que tudo se completa e se manifesta...
Aqui o ritmo é acelerado. Grandes avenidas, tráfego intenso, vida agitada, corrida ...afinal o poder tem pressa rsrsrs.... mas também, temos o lago Paranoá que é sublime e tranquilo, e nos convida a contemplação de paisagens encantadoras...( no stress !!).

O cerrado é uma experiência a parte...
Natureza castigada pelo sol, pela secura, possui árvores pequeninas, retorcidas... sobrevivem em um solo seco, com poucos nutrientes...mas elas sobrevivem. E junto com os arbustos e pedras, lindas quedas d'agua, flores e pássaros de tirar o fôlego... formam uma paisagem divina...pura...única...
Uma paisagem que parece nos dizer: "Vejam...é possível viver com muito pouco...e ainda assim ser absolutamente bela e feliz..."
Os encantos do nosso país são mesmo infinitos. As cidades do interior como Pirenópolis são um caso a parte. Lindinha...rústica....uma mini-Ouro Preto do cerrado!! Com suas casas coloniais super-preservadas, cachoeiras das mais lindas...um povo acolhedor e amigo, que ri do nada, e sempre tem um caso para te contar, nos oferece um café, um bolinho, ou o que é muito típico daqui, um suco de graviola com tapioca...deliciosos!!

Amo muito viajar, conhecer, amar, me encantar com nosso país. Sinto uma alegria muito grande em poder conversar com as pessoas, em olhar em seus olhos e sentir a energia que emana de cada um...são únicos... assim como o momento de estar com eles...fica para sempre dentro de mim...
Amor
Lilian

19 de fevereiro de 2010

Hoje eu sei...


Hoje eu sei...

Que a compaixão é capaz de transformar o mundo e transformar o ser.
Que a compaixão pode ser desenvolvida, cultivada, que as áreas do cérebro responsáveis pela compaixão podem ser estimuladas.
Que é possível "musculação de neurônios" através da meditação e do pensamento amoroso, terno, inclusivo, compreensivo, sábio.
Que Buda se manifesta em cada ser que se entrega à bondade e ao
Caminho do Bem, que é o Caminho Iluminado.
Que a Verdade é o Caminho. A Verdade com "V" maiúsculo, onde tudo está incluso - até mesmo as mentiras.
Que não sei, que não há nem mesmo um "eu" que sabe e não sabe.
Que intersomos, interconectados com tudo que existe. Somos um só corpo e uma só vida. Estamos em rede. Na rede de Indra, feita de raios luminosos e em cada intersecção uma jóia recebendo e emitindo raios em todas as direções.
Que somos co responsáveis pela realidade em que vivemos, pelo mundo em que estamos e que não adianta reclamar, é preciso agir para transformar.
Que a juventude passa, os amores passam, a velhice passa, os desamores passam. Tudo é transitório e passageiro. O que se une inevitavelmente se separa. E assim é.
Que a pessoa mais forte é aquela que se bende primeiro - assim como o bambu - flexível.
Que a água é capaz de se moldar ao recipiente que a contém e que o gelo é duro e pode ferir. Então faço dos ensinamentos sagrados o sol que derrete o gelo e nos liberta de nossa própria frieza.
Que é preciso sentir, que a indignação é uma alavanca para as grandes transformações e que as grandes transformações são feitas de pequenos gestos simples no dia a dia.
Hoje eu sei que palavras amorosas e ternas afetam as moléculas de água e que somos mais de 75% água. Então eu cuido do que falo, do que penso e como ajo.
Que a mudança depende de mim, de cada um de nós.
E que só há um caminho: ação amorosa e não violenta para resolver conflitos e atritos.
Que a vida vale a pena ser vivida em sua plenitude deste instante eterno.
Que temos é este instante.
Aqui e agora.
Monja Coen, Hoje eu Sei...

18 de fevereiro de 2010

Sabedoria do silêncio...


"Nós os índios conhecemos o silêncio. Não temos medo dele.
Na verdade para nós ele é mais poderoso do que as palavras.
Nossos ancestrais foram educados nas maneiras do silêncio e eles nos transmitiram essa sabedoria.
"Observa escuta e logo atua" nos diziam.
Esta é a maneira correta de viver.
Observa os animais, para ver como cuidam de seus filhotes.
Observa os anciões, para ver como se comportam..
Observa o homem branco para ver o que querem.
Sempre observa primeiro com o coração, e a mente quieta, só então aprenderás.
Quando tiveres observado o suficiente, então poderás atuar.
Com os brancos é o contrário.Vocês aprendem falando.
Dão prêmios às crianças que falam mais na escola.
Em suas festas todos tratam de falar.
No trabalho estão sempre tendo reuniões, nas quais todos interrompem a todos, e todos falam cinco, dez, cem vezes.
E chamam isso de "resolver um problema".
Talvez o silêncio seja duro demais a vocês, porque mostra um lado que não quereis ver.
Quando estão numa habitação, e há silêncio ficam nervosos.
Precisam preencher o espaço com sons.
Então falam compulsivamente, mesmo antes de saber o que vão dizer.
Vocês gostam de discutir. Nem sequer permitem que o outro termine uma frase.
Sempre interrompem. Para nós isso é muito desrespeitoso e muito estúpido inclusive.
Se começas a falar eu não vou te interromper.
Te escutarei.Talvez deixe de escutar se não gostar do que estás dizendo.
Mas não vou te interromper.
Quando terminares, tomarei minha decisão sobre o que disseste, mas não te direi se não estou de acordo a menos que seja importante.
Do contrário simplesmente ficarei calado e me afastarei.
Terás dito o que preciso saber.
Não há mais nada a dizer.

Mas isso não é suficiente para a maioria de vocês.
Deveríamos pensar nas palavras como se fossem sementes.
Deveriam plantá-las, e permiti-las crescer em silêncio.
Nossos ancestrais nos ensinaram que a terra está sempre nos falando, e que devemos ficar em silêncio para escutá-la.
Existem muitas vozes além das nossas.
Muitas vozes. Só vamos escutá-las em silêncio.
"Não sofremos de falta de comunicação mas ao contrário sofremos com todas as forças que nos obrigam a nos exprimir quando não temos grande coisa a dizer".
(Sabedoria indígena ).

17 de fevereiro de 2010

O observador é inocente...


"Quando a mente não está corrompida, naquele espaço de inocência, quando criança, ali tem uma potencialidade viva, uma inteligência viva, algo incrível está acontecendo. Porque que nós gostamos tanto das crianças... porque que toda criança se sente amada por todas as pessoas que estão em volta?
Porque existe uma atração tão grande perante os olhos de uma criança? Compara os olhos de uma criança com uma pessoa pura de coração... Jesus inclusive falava sobre isso e dizia : Os puros de coração terão o Reino...é simplesmente isso, uma maneira de falar, uma maneira bonita de falar que as criancinhas terão o Reino, Ele também dizia...
A criancinha é esse olhar inocente, esse olhar puro, esse olhar cheio de amor, esse olhar sem ideias, conceitos a respeito de algo, mas um olhar que vê algo pela primeira vez. Imagina você chegar em casa e vendo a sua namorada, seu namorado, o teu parceiro pela primeira vez...ou olhando para o mundo pela primeira vez...porque a gente gosta tanto de viajar porque a gente vê as coisas, uma cidade, uma paisagem pela primeira vez, e essa primeira vez é encantadora...

Mas como é que nós estamos vivendo? Estamos vivendo de segunda mão, de terceira mão, de quarta mão...a gente olha uma pessoa e a gente já tem toda ideia a respeito daquela pessoa: ela é assim, ela é assado...eu lido assim, eu falo assim; então a gente não vai aberto, e não aproveita aquele momento como momento único, como se fosse a primeira vez...a primeira vez...
Meditação é começar de novo. Mas começar de novo hoje? Não, começar de novo sempre...
Não existe dentro do espaço de uma mente meditativa, de uma consciência que está relaxada em si mesma, não existe nenhuma ideia de superioridade, de inferioridade.. esse que é o grande segredo da iluminação. As pessoas me mandam emails muito engraçados...porque elas disputam a iluminação....eu sou iluminado, eu não sou iluminado...mas, esse espaço de uma ciência que existe em todos, é iluminado, é cheio de graça, é cheio de paz...
Tem gente que diz: Eu acordei!!

Mas não é acordei, não tem passado para isso, existe passado dentro da sua memória, mas isso não está dentro da memória, está aqui agora, isso é vivo, todo o tempo, é precioso...o espaço onde a iluminação ocorre é nessa inocência, não é um saber... nós podemos usar o conhecimento, mas quem está usando o conhecimento? Uma mente ardilosa? Preocupante. Uma mente inocente? Sabedoria.
A sabedoria, ela tem intrinsecamente algumas coisas como: amorosidade, inocência e graça. Isso é o que a gente vê nos olhinhos, no jeito e no falar de todos os grandes mestres iluminados, eles cansam de nos dizer, isso: Esquece a iluminação e vive agora... ela não está no futuro, ela não aconteceu um dia também e você perdeu, não...pode aparecer alguma coisa, que haja uma identificação com algum pensamento, com alguma emoção que no momento você está passando na sua vida, e você se identifica com aquilo, e você diz: eu perdi a minha inocência, eu perdi a minha luz, eu perdi a minha iluminação, eu perdi esse acordar que eu tinha visto já com aquele mestre, naquele tempo... mas você não pode perder nada, você não pode nem ganhar nada...nós podemos apenas nos iludir, de que precisamos ganhar ou de que perdemos...esse espaço de inocência não é perdido...ele é puro.

Nuvens desaparecem do céu, mas o céu não desaparece. As nuvens são os momentos da nossa vida...é o filme. O filme no cinema, tem um inicio, um meio e um fim. Quando o filme termina, lá de madrugada onde não tem nada passando e ninguém no cinema, existe a tela... a tela permanece. A tela é a Alma, é o Espírito, Deus, a Consciência...aquilo que existe anterior a qualquer outra coisa, e é aquilo que permanece em nós no momento meditativo...(...)
Vamos contemplar esse espaço de silêncio (...) a gente precisa estabelecer alguns momentos para ficar em silencio...um espaço da nossa vida em que a gente deixa um pouquinho os objetivos, as metas, a agenda, e simplesmente descansa nesse observador que somos, que é puro, que é pura inocencia, que é puro espaço..."
Swami Sambodh Naseeb - O Observador é Inocente.

16 de fevereiro de 2010

Vida no Espírito...


Dia desses estava conversando com uma amiga, e estávamos refletindo sobre a Vida no Espírito...

Ela é uma pessoa muito simples, tem muita fé em Deus, em Jesus, mas em muitos momentos sente frágil, indefesa e percebe que a fé é maravilhosa, mas que em muitos momentos nem isso é suficiente para que ela se mantenha "lúcida" frente a alguns desafios da vida...

Estávamos conversando, e me veio a consciência a grandeza de vivermos amparados no Espírito. Entregues mesmo, sem nenhum controle, nem força, nem tentar fazer nada além de relaxar frente a doce, sublime e absoluta vontade divina..."Pai seja feita a Vossa vontade..."
Disse a ela que é uma opção consciente essa entrega. Não é algo fantasioso ou mirabolante... é mesmo um abandonar-se.. deixar ir, deixar ser o que for...será..

Me lembrei da frase do Um Curso em Milagres: "Nada real pode ser ameaçado. Nada irreal existe.".
A primeira vez que li essa frase, causou um impacto tremendo no meu Ser. Me colocou frente a frente com uma força tão grande, que percebi o oceano do Espírito, absolutamente sábio, inteligente e perfeito no qual estamos imersos, e ao mesmo tempo somos sua manifestação.

Nesse dia com minha amiga, nos deparamos com essa força absoluta, uma verdadeira grandeza que vive de forma complexa nas menores coisas, e que traduz sua vontade sempre, haja o que houver, pois só existe de fato essa vontade... nossas pequenas vontades, aparentemente são nossas, mas na verdade são a mesma e única vontade manifesta na aparente individualidade...
Eu sei que o papo rendeu...

E vimos que viver entregue é mesmo uma benção, e nos remete a uma tranquilidade incrível. Essa consciência é dada aqueles que tem um olhar ampliado, que fazem uma ponte entre o micro e o macro, e percebem que o Todo é UM.
Tomar consciência da nossa pequenês frente a vontade divina, e ao mesmo tempo perceber a nossa grandeza enquanto manifestação Dele, é um desafio...
Integrar ambos nos coloca em uma dimensão muito diferente da maioria das pessoas.. que ora vivem o miserável, pequeno e inseguro, o não merecedor, ora vivem um ego enorme, cheio de vontades e até tirano.. são extremos, ainda estão fora do centro...
Amor
Lilian

15 de fevereiro de 2010

Relacionamentos...


"Sempre que seu relacionamento não estiver bom, sempre que fizer aflorar a “loucura” em você e em seu parceiro, fique feliz. O que estava inconsciente está vindo à luz. É uma chance de salvação.Sustente, a cada instante, o saber de cada momento, em especial o do seu estado interior. Se houver raiva, saiba que é raiva.

Se houver ciúme, defesa, um impulso para discutir, uma necessidade de ter sempre razão, uma criança interior reclamando amor e atenção, ou um sofrimento emocional de qualquer tipo, seja o que for, saiba a realidade do momento e sustente esse conhecimento.
O relacionamento passa a ser o seu sadhana, a sua prática espiritual.
Se você notar um comportamento inconsciente no parceiro, prenda-o no abraço amoroso do seu saber, de modo que você não tenha uma reação. A inconsciência e o conhecimento não conseguem conviver por muito tempo, mesmo que o conhecimento esteja só com uma pessoa e a outra não tenha consciência do que está fazendo. A forma da energia que existe por trás da agressão e da hostilidade acha a presença do amor absolutamente insuportável. Se você reage á inconsciência do seu parceiro, você também fica inconsciente. Mas, se ficar alerta à sua reação, nada está perdido.

Se você continuar buscando um relacionamento como forma de salvação, vai se iludir cada vez mais. Mas, se aceitar que o relacionamento está aqui para torná-lo consciente em lugar de feliz, então o relacionamento vai lhe oferecer a salvação e você estará alinhado com a mais alta consciência que quer nascer nesse mundo. Para os que se mantiverem apegados aos padrões antigos haverá cada vez mais sofrimento, violência, confusão e loucura.

Quantas pessoas são necessárias para transformar sua vida em uma prática espiritual? Não se incomode se caso o parceiro não queira cooperar. É através de você que a sanidade, ou seja, a consciência consegue chegar a este mundo. Você não tem de esperar o mundo se curar, ou alguém se tornar consciente, antes de poder alcançar a iluminação. Pode ter que esperar pra sempre"...
Eckhart Tolle em Praticando o Poder do Agora.

Meditação...


"Imensidão sem face,
Sem nome,
Sem nada.
Absoluto vasto, luminoso.
Minha alma repousa,
Silenciosa,
Pequena,

Perfumada,
Minha alma repousa em Ti...

Existem algumas luzes que colorem,
Algumas músicas que celebram,
Surgem lembranças de doces momentos que me fazem Te sentir,
Minha alma repousa...

Posso enxergar o que há no horizonte,
Posso escutar o canto dos séculos,
Posso até cantar antigas canções no silêncio,
E o perfume permanece,
A brisa também,
E minha alma permanece repousando...

Alguém me chama,
Ao longe escuto o chamado,
Um raio de sol me alcança,
Percebo o voo de um pássaro bem perto...
O sutil momento presente,
Trás a simplicidade da paz,
O perfume permanece,
Um delicado raio de luar toca meu rosto,
E minha alma permanece em Ti..."

14 de fevereiro de 2010

O Divino...


" O Oceano não está apenas escondido atrás das ondas, está também se manifestando nelas.

Está ali na superficie, assim como está nas profundezas. A profundeza e a superfície não são duas coisas separadas, são duas polaridades do mesmo fenômeno.

O centro vem à circunferência; está tanto na circunferência quanto está no centro.
Deus não é só o não-manifesto, é também o manifesto. Deus não é só o Criador, é também a criação. Deus está tão presente no mundo quanto nele mesmo.(...)

Todas as formas são Divinas. Nunca vi uma única forma que não fosse Divina. Toda existência é Divina. Não a divida em profana e sagrada.( ...)

O Divino está espalhado por todo lugar;

Está presente no pequeno quanto no grande, tanto na grama como numa estrela distante. Mas a mente pensa em dualidades.

Pensa que Deus está escondido e tenta negar o manifesto e procurar o não manifesto.
Com isso, você cria conflito desnecessário para si mesmo.

Deus está aqui e agora tanto quanto em qualquer outro lugar. Deus está tão presente naquele que procura quanto naquele que é procurado. Está se manifestando. É por isso que eu digo que o oceano está nas ondas.
Afunde nas ondas, aprofunde-se na forma e encontrará o informe."
Osho em A música mais antiga do universo.

13 de fevereiro de 2010

Mooji...


"Eu não "acredito" em Deus -Eu conheço Deus intimamente.
Deus é a essência de meu ser,e de todos os seres, sem exceção.


Deus é o originador de todas as formas, sendo sem forma.


Deus é infinito e, portanto, permeia tudo o que existe.


Deus está além de tudo.


Deus é pura consciência, incognoscível para a mente, brilhando dentro de tudo, como o sentimento"EU SOU"
Mooji em Satsang

12 de fevereiro de 2010

Sobre o "eu"...


Aonde está esse "eu"?
Hoje vamos refletir sobre esse pensamento "eu".

Quando nascemos, não temos nenhuma consciência do que se trata esse "eu"
Simplesmente existimos no mundo. O Todo da criação vive e se manifesta através dessa nova forma que veio ao mundo.
Nosso corpo funciona, vamos aos poucos ouvindo melhor, vendo melhor, nos movimentando melhor, enfim, nosso corpo integra melhor os movimentos, os sentidos, as percepções também e vamos "tomando forma" !!
Mais adiante começamos a compreender quem é o pai, a mãe, quem são os da família, que cuidam de nós, reconhecendo seus rostos, sua voz, e vamos indo, aprendendo a viver no mundo e com os demais....
Chega um momento que recebemos e reconhecemos que temos um nome, uma identidade, que nos diferencia dos demais...somos únicos. Ganhamos um "eu".

Aí começa o desafio.
Vem em seguida as ordens, as comparações, as críticas, os elogios, as competições, as punições...
Somos que impelidos a dar "vida" a esse pensamento de "eu".
Já que ganhamos um temos o dever de dar vida a ele, fazê-lo existir... se todos a volta fazem assim, quem somos "nós" para sermos diferentes...

Nesse momento começamos a nos dividir do TODO.
Começamos a pensar como unidade diferenciada. Começamos a "sair do paraíso".
Passamos a ver o outro, como "outro". Passamos a não mais reconhecer a que pertencemos a vida, ao cosmos, a Deus.
Tudo fica externo a nós. O "eu" caminha só, sua diferenciação tem um preço alto. O preço do isolamento, o preço do sofrer nesse mundo, pois a unidade foi "perdida".

Dessa maneira, com o nosso "eu" vamos indo pela vida. Buscando a unicidade perdida aonde?
No conhecimento. No poder. Nos relacionamentos. No dinheiro. Na carreira enfim... em milhares de "coisas"... e passamos a sentir um imenso vazio interior, que muitas vezes nos levam a depressão, a ansiedade, as drogas, ao isolamento, até a loucura...
É esse o caminho do "eu".
Como unidade aparentemente isolada do todo, com a aparente perda do paraíso, o "eu" vive a eterna busca da felicidade no amanhã, no depois, na vida eterna, sei lá...

Se paramos para refletir um segundo apenas, vamos ver que o Todo nunca foi perdido.
O Todo continua e sempre continuará o Todo. Não tem como ser diferente...

Mas o pequeno pensamento "eu", "meu", "seu", "você"... enfim é que fizeram toda diferença lá no iníco de nossas vidas, e passamos toda uma vida, ou até muitas vidas, tentando derrotar esse pensamento de "eu", e retomar a unidade inicial, retomar a felicidade de pertencer a criação, a Deus, ao Todo, ou seja, retornar ao Paraíso...
Lembrando apenas que o Paraíso é aqui e agora... sempre.
Existe apenas um pequeno, ínfimo e insignificante pensamento que o impede de vivenciá-lo plenamente...
O pequenino pensamento de "eu".
Amor
Lilian

11 de fevereiro de 2010

Pérolas de Clarice...


"Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:- E daí? Eu adoro voar!
Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre.
Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração.
Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente.
Não sei amar pela metade.
Não sei viver de mentira.
Não sei voar de pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre.."

"Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome..."

"Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar..."

"Que minha solidão me sirva de companhia.
Que eu tenha a coragem de me enfrentar.
Que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo..."

"A única verdade é que vivo.
Sinceramente, eu vivo.
Quem sou?
Bem, isso já é demais.."
Clarice Lispector - poemas

10 de fevereiro de 2010

Generosidade...


"Veja a natureza. Ela é uma grande esbanjadora. Quando uma flor é necessária, mil e uma flores desabrocham. Quando um homem faz amor com uma mulher, milhões de células são liberadas. Uma seria suficiente para gerar uma criança. Um homem pode popular toda a terra - apenas um homem! (...)
A natureza esbanja. Uma árvore produz...veja o flamboyant - milhões de sementes prontas. Todas vão cair e algumas, uma, duas, quatro, cem , podem se tornar árvores. Porque tantas sementes? Deus não é mesquinho. Se você pede um ele dá milhões. Peça ! Jesus disse: "Bata e a porte lhe será aberta; peça e lhe será dado" Lembre-se: se você pedir um, milhões lhe serão dados.

No momento que se torna avarento, você se fecha para o fenômeno mais básico da vida: a expansão, a partilha. No momento em que começa a se apegar às coisas, você perdeu o alvo - perdeu o rumo. Porque as coisas não são o alvo; você, seu interior, é o alvo - não uma casa bonita, mas um eu bonito; não tanto dinheiro, mas um eu rico; não muitas coisas, mas um ser aberto, disponível para milhões de coisas..." Osho em a Música mais Antiga do Universo.

Essas divinas palavras do amado mestre Osho, nos mostram como a abundância e generosidade da natureza, de Deus, é a mais pura verdade...
Viver aberto é viver com essa consciência, de doação, de generosidade e perceber que esse é o fluxo natural da vida, dar-se, doar-se...dar-se por que é assim....nada mais....
A generosidade de Deus é surpreendente...
Despertar essa dimensão interior é recuperar nossa essência primitiva, a criança interna, livre...
Encontrar beleza nas coisas simples e mergulhar de cabeça na existência, confiantes no cuidado e providencia plenos de Deus... somos suas crianças, brindemos a vida, sejamos transbordantes e borbulhantes como a champagne rsrsrs
É simples viver aberto. Sem amarras e desejos... soltos e fluidos como a brisa...
Ser simplesmente com a Vida. Ela vive, ela flui, ela aconteçe... e apenas somos com ela...
Generosamente...
Amor
Lilian

9 de fevereiro de 2010

Graça...



Existem momentos em nossas vidas que alcançamos dimensões que jamais imaginaríamos alcançar.
Alguma coisa acontece em nosso Ser, em nossos corações, que saímos da lógica, da razão e por uns instantes apenas mergulhamos em um Todo indizível....indescritível...

Pode parecer estranho para algumas pessoas, mas esse estado é o que os antigos chamam de Graça, ou estado de Graça...

Uma amplidão interna que se exterioriza e flui do nosso Ser, do nosso coração, até alguém ou algo especial que evocou esse estado em nós...
Os mestres dizem que esse estado de Graça é o estado natural do Ser, é a nossa natureza plena, radiante e liberta...que ama e irradia esse amor, essa luz livremente...

É fácil comprovar isso quando vemos uma criança brincado, sorrindo, correndo, quando admiramos uma árvore florida, radiante de cores, que emana uma aura luminosa de beleza expontanea, que nos remete as pequenas perfeições divinas; isso é muito evidente nos pássaros, nas borboletas, nos animais; é fácil ver isso na radiância da juventude que ri, que se diverte consigo mesma, que faz da vida uma grande descoberta; é fácil ver isso em momentos de encontro profundo entre duas ou mais pessoas que silentes penetram nesse estado pelos olhos e pelo coração.... a fala se cala, ela é até desnecessária, nesse caso o silêncio diz bem mais...

O mundo irradia essa Graça...ela é ele...ele é ela...mundo e Graça são a mesma coisa...
Esse estado de Graça nos remete ao mesmo tempo ao imensamente grande amor universal, belo, pleno, repleto em si mesmo, e ao mesmo tempo ao pequenino instante, ao fugaz, ao extremamente simples e frágil...

Algo paradoxal mas que nem sequer pede explicações de tão belo e eterno que é...
Amor
Lilian


8 de fevereiro de 2010

Acordando e dormindo...


Quando acordamos pela manhã nos damos conta de que existimos naquele lugar.
Lentamente tomamos consciência do nosso corpo, as lembranças vem vindo, encadeando nossos pensamentos, e vamos concatenando ideias de ontem, do que devo fazer hoje, se tenho compromisso, enfim...vamos aos poucos nos inteirando de que estamos inseridos numa dimensão, que temos um nome, e uma profissão, que moramos naquele lugar, nosso marido (esposa) nossos filhos.... enfim vamos acordando para uma realidade que chega repleta de formas, cores, luzes, sons, emoções, pensamentos... acordamos plenamente.

Ao final do dia, acontece o oposto. Nossos corpos cansados, mente cansada, um dia cheio de vivências, experiências, emoções...algumas coisas boas aconteceram, outras nem tanto...encontramos pessoas, rimos, nos alimentamos, trabalhamos, vimos coisas bonitas, ouvimos canções, passamos em lugares agradáveis, outros nem tanto...enfim um dia de nossas vidas...
Ao deitar nos colocamos em estado de relaxamento. O corpo relaxa, se abandona na cama, os pensamentos vão aos poucos ficando mais e mais lentos, os sentidos ficam menos estimulados e também vão adormecendo e quando menos esperamos....dormimos...apagamos para o mundo.

Onde está o mundo nesse momento?
Onde estamos nós, nossa consciência, nesse momento?
Boa pergunta !!
Nosso corpo ainda está lá deitado na cama, relaxado, mas nossa consciência, nosso eu, aonde foi parar?
Esse estado adormecido nos mostra que é possível continuar existindo mesmo sem termos consciência do eu.

Desde muitos milhares de anos, os Orientais nos tem mostrado que a consciência do eu só se dá quando estamos acordados...em sono profundo ele simplesmente desaparece... e porque será que isso acontece?
Se o eu está associado aos sentidos, ao estado de vigília, mas acordo para ele e depois durmo para ele, mas continuo existindo...significa que existe algo além dele que permanece vigilante mesmo enquanto durmo...algo que quando estou acordada também está ali, mas não o percebo pois estou identificada com o eu...

Isso que permanece é a nossa Consciência. Um estado do Ser.
Somos graças a esse estado constante...que não dorme, nem acorda, que não está preso a ritmos, nem aos sentidos, nem fluxos, nem tempo, nem memórias, nem nada...existe simplesmente...silenciosamente....
Se relaxamos nosso corpo, deixamos nossos pensamentos frouxos, livres, fechamos nossos olhos, e entramos em contato com aquela sensação de presença relaxada, percebemos uma dimensão interna diferente...simples, silenciosa, ampla e que nos dá uma imensa leveza e plenitude....

Esse é nosso estado fundamental...nossa natureza plena, esse é o âmago do nosso existir...o que me dá a certeza que existo, mesmo sem nenhuma prova "concreta" disso... esse é o Ser, o Eu Sou que falam os orientais...

Uma certeza sem provas... uma amplitude fascinante...uma paz avassaladora...
Meditar significa acessar sempre que quisermos esse estado do Ser. Podemos estar acordados, trabalhando, dirigindo, enfim...e esse estado de plenitude é acessado imediatamente...é como dar um salto, e caímos no Ser que permanece lá em nós.
Acessar esse profundo em nós abre dimensões e experiências maravilhosas em nossas vidas...

Viver centrado nos conecta com o centro de tudo e de todos...
Aos poucos vamos experimentando a conexão que existe em toda a criação em cada ser, cada planta, cada animal, cada pessoa, cada pensamento, cada emoção, tudo enfim, tudo que antes acreditávamos ser tão plural, passa a ser nada mais que UM...
Amor
Lilian

7 de fevereiro de 2010

Descoberta...


"Quero aqueles gestos puros
nascidos de dentro da alma
como uma criança que vem ao mundo
e exprime seus sentimentos
sem explicações...
Porque os gestos puros
eles não tem máculas
simplesmente existem
nascidos da semente do coração...
Quero aquele olhar cheio de encanto
que quebra a beleza da noite
e parte as estrelas em mil pedaços
E arregaça a lua toda
descobrindo seus segredos
ouvindo as canções puras
que emanam do verdadeiro ser...
Quero aquelas palavras
vindas de dentro do coração
que não são achadas em livros
nem em poesias
aquelas que ninguém ainda disse
frases inéditas
que vivem presas nas teias da alma...
Quero aquele impulso latente
da verdade sem máscaras
descobrir o segredo da vida
encantar-me com a música
embutida nos sonhos
E viver como uma criança
descobrindo pelo tato
pelo cheiro
pelo olhar
tudo totalmente inédito e puro
como o primeiro respirar..."
por Mary Fioratti - Poesias

6 de fevereiro de 2010

Silêncio do Ser...


O que acontece no silêncio do Ser...
O que reflete seus olhos nos meus,
Um instante fugaz de eternidade,
Lampejos divinos nos fazem brilhar...

O que acontece entre corações que se amam...
Ternura, fascínio, respeito,
Busca e encontros únicos,
Voos altos, sopro, brisa, espírito...

O que acontece lá e aqui,
Dentro e fora,
Agora e depois,
Nada, nem nunca são dois,
Uma mesma sublime e eterna paisagem...
Quem reconhece esses versos,
Quem vive plenamente nem precisa explicar....

4 de fevereiro de 2010

Mente pequena e mente universal...


"Existem duas paisagens possíveis de serem vividas.
Uma é através da mente pequena. A outra através da mente universal.
A mente pequena restringe nosso Ser a uma personalidade.
A mente universal vê nosso Ser como TODA A EXISTÊNCIA.
A mente pequena sempre vê algo faltando, e por isso, muitos desejos acontecem a ela.
A mente universal é completa, e nessa completude, cada momento é perfeito em si mesmo.
A mente pequena diz: este sofrimento é meu, este corpo é meu, esta vida é minha.
A mente universal diz: este sofrimento é ilusão, este corpo é da vida, e a vida sou EU.
A mente pequena vê nascimento, vida e morte.
A mente universal é eterna, sem começo, nem fim.
A mente pequena diz: eu reencarno muitas vezes, em novos corpos, e sigo evoluindo assim.
A mente universal não tem corpo, não evolui, porque como a perfeição pode evoluir?
A meditação e o conhecimento de Si mesmo abrem a visão de que você é a Mente Universal.
Esta visão lhe abre para um mundo que não é deste mundo, porque carrega nele beleza, amor, compaixão, sabedoria e lucidez, para que este mundo possa ser entendido e vivido como ele é: uma passagem tênue no rio infinito da vida universal. Visto isto, o que há a temer? Visto isso, há muito a amar, exatamente agora"...
por Swami S. Naseeb http://naodual.blogspot.com/

Texto lindo que nos mostra como podemos alternar o nível de consciência do centro para a periferia...
Quando estamos periféricos estamos mentais, plurais, medrosos, ou confusos, cheios de julgamentos, críticas, conflitos e a realidade não nos mostra sentido, coesão...tudo parece absurdo, ilógico, insano, competitivos...essa é a ilusão de que falam os orientais...tudo separado, isolado...cada um por si...

Quando somos centrados, somos consciência pura, clara, simples, únicos, coesos, sem julgamentos, nem críticas, tudo perfeito, tudo integrado, entregue, abandonado a consciência infinita, criadora, nada separado, tudo pertencendo a uma imensa harmonia ...amor, beleza...
tudo absolutamente integrado em sabedoria infinita... somos todos UM...

Duas paisagens possíveis de serem vividas...
Amor
Lilian

3 de fevereiro de 2010

O Amor e o apego...


"Possessividade é o falso amor. (...) Por que o apego se parece com o amor? Qual a diferença? - o mecanismo é sutil.

Amar significa estar pronto para mergulhar no outro. É uma morte a mais profunda morte possível, o mais profundo abismo possível; nele você pode cair e continuar caindo, caindo. Não tem nenhum fim, não tem nenhum fundo; é a queda eterna dentro do outro. Nunca termina. Amar significa tornar o outro tão importante que você deixa de existir.

Amar é render-se incondicionalmente; se houver qualquer condição, então você é importante, não o outro; você é o centro, não o outro. E se você é o centro, então outro é apenas um meio. Você utiliza o outro, explora-o satisfaz-se, gratifica-se por meio do outro, mas você é a meta. E o amor diz: faça do outro o fim dissolva-se, mergulhe. O amor é o fenômeno mortal, um processo de morte. É por isso que as pessoas temem. Nunca o penetra. (...)

O amor é uma necessidade tão profunda que você não pode viver sem ele, seja real ou falso(...)
O amor é como a morte, e se você tem medo da morte, terá medo do amor. (...)

E se você tiver medo da morte como poderá estar pronto para penetrar no amor?
Porque no amor não são apenas as roupas, a casa que mudam é você que morre - a sua mente o seu ego. Esse medo da morte transforma-se em medo do amor e o medo do amor transforma-se em medo da prece, da meditação. Esses três acontecimentos são semelhantes a morte, o amor e a meditação. A rota a ser tomada é a mesma. Se você nunca amou, não será capaz de estar em prece, não será capaz de estar em meditação. Se você nunca amou nem meditou, não compreenderá de modo algum a maravilhosa experiência da morte.(...)

Amor significa morte, mas apego não é morte.
No amor o outro torna-se tão importante que você pode dissolver-se; confia tanto no outro que não necessita ter sua própria mente - pode colocá-la de lado.

Por isso as pessoas dizem que o amor é louco, que é cego. É mesmo! Não que seus olhos fiquem cegos, mas quando o ego está de lado, a sua mente de lado, para todos os outros você parece cego, parece louco.(...) Você não pensa mais em si mesmo.

A confiança é tanta que já não há mais necessidade de pensar. (...) O amor é essa confiança, um dissolvimento do ego. O centro move-se para o outro. (...) A confiança é completa perfeita. E na confiança completa há uma beatude, uma benção. Até mesmo quando você pensa sobre isso, um pequeno vislumbre do que pode ser aparece. Mas quando você chega a sentir é tremendo não há nada igual. O ego então cria o truque, em vez do amor e ego lhe dá o apego, a pessessividade.

O amor diz: seja possuido; o ego diz: possua.
O amor diz: dissolva-se no outro: o ego diz: não permita que o outro se mova em liberdade; corre da liberdade, transforme-o na sua sombra, sua periferia.
O amor dá vida ao outro; o apego,a possessão o mata, tira-lhe a vida.(...)
Quanto mais se ama, menos se teme. Quando o amor realmente é total não há medo. Mas na possessão o medo cresce cada vez mais, porque quando você possui uma pessoa sempre teme que ela o deixe - sempre há a dúvida."
Osho em Nem água nem lua.

1 de fevereiro de 2010

Infinito...


Infinito amor que nos contém,
Espírito divino criador dos mundos e dos sentimentos,
Ressona nos mares e nos corações,
Expande no horizonte sua beleza,
Cobre o céu com seus azuis e luares,
Emociona a alma em lágrimas e olhares...

Imensidão silenciosa e plena,

Imersos estamos plenos em seu Ser,
Todas as faces são Sua,
Todos os braços são Seus,
Sois a fala que ressona no eterno,
Sois o movimento e o repouso,
Sois o principio, o fim e o que existe entre os dois...

Quantos Vos buscam sem encontrar
Quantos Vos querem e nem mesmo sabem como,
Quantos conseguem perceber a sua onipresença
Quantos são os que bebem do mesmo cálice
Quantos estão verdadeiramente na Vossa presença...

Não há nada que não sejas,
Nem lugar algum pode existir sem Ti,
Engana-se quem acredita na busca,
Mais ainda os que crêem no encontro...
Sois o Todo consciente,
Todo esse que não é coisa mas Vida,
Todo esse que é Presença e Espírito...

Perfeita união sem partes,
Tudo e Todos sem nada faltar...

Escuta...


"Se você me ama, você não tem comigo uma relação intelectual - o qual não é absolutamente um relacionamento- mas uma relação de amor; se está emocionalmente tocado por mim, então irá compreender. Porque quando você ama uma pessoa você a ouve com o coração, não com a cabeça. A cabeça é a pior coisa que existe: tola, fútil, exatamente como uma cesta de lixo - nada mais.
Tudo o que é tolice vai sendo colecionado por sua cabeça. As futilidades nunca entram no coração, são acumuladas na cabeça. Só o que é essencial vai para o coração. Assim se você estiver aqui apenas por curiosidade, conseguirá me ouvir apenas na superfície. Pouco poderá lhe acontecer. Mas se você estiver aqui porque sofreu: se não veio como um curioso, mas como alguém que tem conhecido a vida, conhecido seu sofrimento e por meio dele a maturidade; se você realmente quiser ser transformado - então, me ouvirá com muita profundidade."
Osho em Nem água nem lua.

Esse texto nos coloca a antiga questão da escuta entre o discípulo e o mestre.
O oceano de sabedoria do mestre dará ao discípulo exatamente o que o discípulo buscar...
Se ele vier buscar um balde, ele levará um balde, se ele vier buscar o oceano inteiro ele o terá ...
Busquemos sempre a escuta do coração, ele nunca erra, ele nunca se engana, ele é nossa essência verdadeira e eterna...
Uma escuta centrada no coração nos conecta com o Todo, com o Um, com a essência onipresente em toda a criação, em cada ser, cada pessoa...cada momento eterno....com a VERDADE...
Ser coração é assim...
Não importa o tempo, nem as distâncias, nem qualquer coisa...o coração continua centrado amando e irradiando sua luz por onde passa...alimenta-se de si mesmo...encanta-se com tudo e com todos...pois tudo reluz em uma aura de beleza infinita....
Amor
Lilian
Related Posts with Thumbnails