20 de novembro de 2014

Compreendendo a dor - Jeff Foster


"Sua dor, sua doença, seu desconforto presente, não é nada para se envergonhar. Não é um sinal de seu fracasso, nem um castigo, nem uma prova, nem mesmo 'má sorte'. Não é nem o sentido nem o significado de sua vida. Mas contém uma grande inteligência e poder de cura. Se você sabe onde, e como procurar.Vamos começar pelo começo. 

Você está experimentando a dor em seu corpo. É intenso e desconfortável. Você tem ido a muitos médicos, curandeiros,terapeutas, especialistas em auto-ajuda. Você já tentou a medicina ocidental, as terapias alternativas, a energia de cura, meditação, cânticos, mudar sua dieta, drogas, experiências espirituais alucinantes, transmissões de gurus, orações, retiros, hipnose. Você já tentou o pensamento positivo, entorpecendo a sua dor, ignorando sua dor, dizer "não" a ela; você já tentou ser "consciência pura" ou uma "testemunha independente '... Mas a dor ainda está aqui, e parece que ninguém pode ajudá-lo agora. O que você pode fazer?

Você vai continuar procurando uma solução, uma terapia que funciona? Coloca suas esperanças em um futuro que pode ou não vir? Ou você vai desistir agora e simplesmente aceitar que não há nada que você pode fazer?

A resposta pode estar bem no meio, como a maioria das respostas reais estão.

Veja, talvez a sua dor tenha algo para lhe mostrar, coisa que o prazer, ou a ausência de dor ou mesmo "conseguir o que queria", nunca poderiam fazer. Talvez por isso a dor esteja aqui, para revelar o seu verdadeiro caminho. Não para destruí-lo, mas para "focar" você. Para revelar uma coragem, compaixão e equanimidade em si mesmo que você nunca imaginou ser possível. Para te tornar mais humilde, para trazê-lo para um lugar de gratidão, e de calma. 

Então reformulemos a questão inicial: "Como posso ser livre de dor agora?", por: "Existe alguma inteligência nesta dor? Existe um convite mais profundo aqui? Há uma lição presente nessa minha dor? Existe algo que desejo que se cumprida? Algo até então escondido, algo que agora quer se fazer conhecido? "

Me diga o que é pior? Você ou a sua demanda para estar livre da dor agora? 
O que é pior? O momento-a-momento, sensações físicas no corpo, ou a sua guerra contra eles? 
O que é pior? A dor ou a sua frustração e desespero de que a dor "ainda está aqui" e "não desapareceu ainda"? 
O que é pior? A dor ou a sensação de que você está preso dentro de seu corpo, que você se decepcionou com o organismo? 
O que é pior? O seu próprio corpo, ou suas esperanças e sonhos despedaçados pela dor?

Você pode querer explorar o que realmente está causando a maior parte do seu stress, depressão e medo. É o stress ou a sua atitude para com ele que causa a dor? Você pode achar que há um mundo de diferença entre a dor física, e seu sofrimento e tristeza em torno da dor. Você pode achar que você realmente sente muito pior quando você pensa sobre a sua dor, reflete sobre isso, cria e fica obcecada por ele. Quando você pensa sobre a dor de ontem ou ausência de dor, quando você imagina a dor futura, quando você fantasia sobre a dor que nunca vai embora, imaginando que ela acabará por matá-lo; quando você pensa em todas as coisas que você fez de errado - você está sofrendo, e esta é a parte desnecessária. Todos esses são pensamentos, imagens, idéias, sugestões, perspectivas, memórias, fantasias - e não a realidade viva do momento presente.

Quando você desconecta do momento presente, e mergulha em sua história SOBRE a sua dor, você pode achar que os sentimentos de frustração, medo, raiva e até mesmo transtorno começam a acumular-se. Você começa focando tantas coisas que você não tem controle direto agora. Você sonha com um passado quando estava livre da dor, e fica lembrando em como voltar para lá ( não é possível ). Tudo era tão bom... Você acha que a sua dor está impedindo você de fazer o que você quer fazer, faz você parar de viver a vida que você tinha planejado... Você imagina um futuro cheio de dor e desconexão...

E você começa a sentir-se impotente, e terrivelmente desapontada, e até mesmo cheia de raiva contra a vida, o universo e tudo mais. Esta não era a vida que você esperava ou imaginava; a vida que havia sido prometida a você. Você se concentra em todas as coisas que você não pode fazer mais, todas as coisas que não existem mais, todas as coisas que você perdeu, todas as coisas que nunca mais voltarão. Você culpa a sua dor por arruinar sua vida. Você se sente tão longe da cura, do amor, da sua verdadeira vida; tão desconectada do seu corpo, de modo isolado, solitário...

Você já tentou de tudo, tudo, menos o óbvio: aceitar a sua dor, estando presente com ela, hoje.

Agora, vamos ser claros sobre isso: a aceitação não significa desistir da possibilidade de que a dor diminuia ou mesmo desapareça amanhã, ou na próxima semana ou no próximo ano. Significa apenas que sua paz não é mais dependente ou não disso acontecer.

Você está recuperando a sua felicidade, hoje, não importa o que o futuro traz.

Aceitando a sua dor não significa renunciar a si mesma para o destino, sendo uma vítima da vida. 
Muito pelo contrário! 
Significa a saída de todos os seus pesadelos e histórias baseadas no medo do passado e do futuro, e se alinhando como e onde você está hoje. Significa ser uma aliada do hoje, e não a sua vítima. Significa dizer SIM para onde você está agora, mesmo que 'onde você está' não é onde você esperava que fosse. Significa estar em profundo contato com este momento, com este corpo e seu potencial de cura, com o chão em que você está, com todo um universo como ele dança. Isso significa admitir que você não está no controle desse cosmos, e que há uma inteligência mais profunda presente aqui, trabalhando, infinitamente mais sábia do que este pequeno ego humano. 

Isso significa admitir que você não pode saber o que a próxima cena do filme de sua vida será. Significa a saída da história do tempo e do espaço. Isso significa confiança e começar a agir a partir de um lugar de confiança. Isso significa apoiar-se na criatividade do momento; estar aberta à conexões inesperadas, soluções, respostas, e sim, alegrias.

Quando você luta contra a sua dor, quando você age a partir dela, você se torna uma vítima porque você está permitindo que ela tenha poder sobre você, permitindo que o seu contentamento seja diminuído por causa disso. Você está dando energia à dor, através de sua resistência a ela, através de seu foco na tentativa de se livrar dela, tentando escapar e mesmo tentando "curar" isso. 

Há violência aí. E como você viu, a sua tentativa de se livrar de sua dor não conseguiu nada até agora; sua resistência não levou à verdadeira cura. Essa guerra só cria mais e mais separação entre você e seu corpo, separação da presença que você é, te separa da paz, separa dos seus entes queridos, da gratidão, da inteligência do momento - que é a fonte da verdadeira cura. E também esgota você, esgota seus estoques de energia. 

Pense em toda a energia que tem desviado para essa guerra entre você e a dor - energia que poderia ser usada para alimentar-se, e curar-se. Quando você cai na dimensão de recepção, você está podendo ver agora a dor como uma aliada, um guia, um professor, não é uma ameaça à sua vida, a dor, a doença se tornam um caminho. 

O SIM é a sua recuperação de energia, e não a sua passividade. Você está liberando algo desnecessário, e não se tornando uma vítima ou tolerando algo indesejado.

Você sai do seu pensamento-história "a dor deveria ter ido embora" ( você não pode saber isso ) ou "a dor nunca vai embora" ( você não pode saber isso ). Tudo isso são pensamentos do passado e do futuro, pesadelos e sonhos. 

Você para de comparar onde você está com o local onde você queria estar. Você para de criar a imagem de "ausência de dor", e você para de comparar este momento com essa imagem. Você soltou a história "Eu deveria ter vivido de forma diferente - Eu criei essa dor - Eu sou o culpado". Isso é rebobinar o filme da sua vida, e você não tem poder nesse sentido também. Você remove o fardo do tempo, tornando-se presente neste momento. Presença é a sua verdadeira fonte de poder - e, finalmente, de cura.

Você pára de focar em todas as coisas que você não pode fazer agora, todas as coisas que não são possíveis a você fazer agora. Esse foco na falta e na ausência e "no que não está aqui 'só vai fazer você se sentir mais deprimida e impotente e desligada. Você volta seu foco para o que você pode fazer, para o que você é, o que está presente, o que não foi perdido, o que ainda é possível, para os dias de hoje, para todas as coisas que a dor não pode tocar. Todas as coisas que fazem sua vida valer a pena. Todas as coisas que, mesmo com a dor, continuam presentes nas sua vida. Talvez a coisa toda seja um apelo à simplicidade radical.

Você se torna curiosa sobre onde você está agora - esta cena é o presente no filme de sua vida. Você se torna fascinada com esse momento, com o que é vivo, e onde você está. Esta respiração. Essas sensações. O sentimento da terra sob seus pés. O som de um pássaro cantando. Uma cena que você observa da janela. E a dor está aqui também. 

Você percebe em você o desejo de que a dor vá embora - você não fazer disso um inimigo. Você percebe um desejo profundo de estar livre da dor, para escapar para algum outro tempo ou lugar. Você percebe uma frustração, uma decepção que a dor ainda esteja aqui, que ainda não evaporou. Você não luta com esses pensamentos ou sentimentos; observe-os, continue curiosa, conectada com o momento que você começa a permitir que esses sentimentos dentro de si mesmo também aconteçam, sem se misturar com eles. 

Assim, você sai de sua mente e entra em sintonia com seu corpo. Você sente a respiração, o movimento dela, o ritmo, seu imediatismo, a sua presença. Você sente como a respiração sobe e desce como uma onda em um vasto oceano. Você sente a barriga se expandir e contrair. Você sabe que você está aqui, neste momento. Fundamentada, presente e viva. Um exploradora corajosa. Disposta a investigar, e sem se apressar a nenhuma conclusão.

Você sai da história de sua dor, a narrativa da dor de ontem e de amanhã, a memória da dor do passado e da antecipação de futuras dores. Isso é tudo tão avassalador, quanta história. Pare de pensar SOBRE a sua dor agora, e realmente se comprometa a atender a sua dor no momento presente. 
Volte às sensações físicas do corpo. Por um momento, abandone a palavra "dor" ( uma palavra muito pesada, sólida do passado ) e diretamente explore e sinta as sensações físicas, que constituem a sua experiência presente de dor. Será que o corpo se sente apertado, frouxo, frio?  Pode ser pesado, faminto, febril, quente? 

Agora, um passo adiante, deixe cair ainda estas palavras, e volte para as sensações reais, sem rotulá-las, com um espírito de curiosidade e abertura. Apenas sinta, e observe, sem rotular, sem nenhuma explicação. Pura observação daquilo que sente o corpo.
Lembre-se, você não está tentando se livrar das sensações, detê-las, fazê-as ir embora, ou mesmo curá-las. Está ficando muito perto, trazendo sua atenção e escuta suaves e o calor da sua presença para cada parte do seu corpo que está implorando por sua atenção. 

Mantenha sua exploração. Você pode encontrar um "centro" para a sua dor? A sua dor tem um limite? Será que ela pulsa ou vibra? Experimente com a tentar mover a sua atenção para o núcleo de sua dor. Se as sensações começam a mover-se, siga-as no corpo. 

Se ficarem mais intensas, tudo bem - permaneça presente, atenta e curiosa. Se elas começam a dissipar-se, expandir-se, suavizar-se, maravilhoso - fique por perto, atenta. Não espere nenhum resultado particular, mas permita que o que acontecer seja visto por você. Qualquer expectativa, quando segura por muito tempo, pode levar à decepção em face da realidade. Observe, simplesmente. Tudo o que aparecer, acolha, e deixe passar.

Se desejar, você pode experimentar uma brincadeira com a sua respiração. 
Como você respira, sinta ou imagine o ar da sua respiração fluindo para a área desconfortável, infundindo-lhe vida e oxigênio. Você está dignificando aquele lugar em você. Você está lembrando que ele tem o direito de estar aqui também; o direito de ser incluído na respiração e no corpo e não excluídos. É muito amoroso se respirar conscientemente na dor, isso faz com que se evapore a divisão ilusória entre você ( consciência ), a respiração e o corpo. 

Em vez de contrair em torno da dor, contraindo-se em torno dela, você está respirando dentro dela, inundando-a com amor, a respiração é vida. Você está honrando a presença da dor agora, ao invés de esperar por sua ausência no tempo. Você está lhe dando um OK! profundo no coração da experiência. Você não está tentando fazer a dor ir embora, mas explorando a natureza da sua aparência.

Você pode começar a notar que, como tudo na vida, a dor não é sólida, mas uma massa amorfa de sensações, mudando de momento a momento. Às vezes você vai realmente olhar e achar que a dor não está lá. Às vezes, com atenção e gentileza, uma dor intensa vai amolecer, dissipar, relaxar, se tornar menos nítida, mais difusa. Às vezes, a dor pode ficar bastante intensa. Às vezes você vai ser tão absorta em outra coisa - uma peça de música, uma conversa, uma caminhada na natureza, uma meditação, um belo sonho - que você vai esquecer sua dor está mesmo lá. ( A dor está lá quando você não está ciente dela? ). Você pode aprender a valorizar esses momentos. 

Sua experiência real de dor está constantemente mudando, evoluindo, mudando, nunca é a mesma duas vezes. 

A história "Eu estou com dor" ou "A dor é constante", muitas vezes nem sequer começar a descrever a realidade viva, momento-a-momento de dor. Lembre-se, a partir da perspectiva do momento presente, não existe tal coisa como "sempre", "nunca", nem mesmo 'constante'. Não há ontem, nem amanhã. Há somente agora. Agora é tudo o que você está lidando.

Você pode ver a sua dor como um inimigo, essencialmente, "ruim" ou "errado" ou um "erro", ou você pode vê-la como um aliada na sua exploração corajosa da vida. Muitos têm de acordar do sonho de não sofrer, apesar da dor, mas por causa da dor. 

A dor lhes ensina a abrandar e prestar atenção às partes de si mesmos; elas podem nunca receber atenção de outra forma. Ela ensinou-os a sair das histórias do passado e do futuro, e inclinar-se para o momento presente. Ela ensinou-os a respirar, explorar, e a ser grata pelas pequenas coisas. Para se tornar suaves, mas poderosos. Para se concentrar no que é realmente importante na vida. Para valorizar o dia, para ver a preciosidade em cada encontro; seja um momento de alegria, momento de tristeza, sempre é um momento de se fazer amizade com tudo - até mesmo as suas decepções, até mesmo os seus medos, até mesmo os seus momentos de desespero. Ensinou a sair dos sonhos de 'o que poderia ter sido', e acordar para a realidade 'daquilo que que é '. 

Para muitos, a dor lhes ensinou a humildade; ela abriu o seu ego, e partiu em mil pedaços todos os seus sonhos ultrapassados de espiritualidade, e os trouxe a um lugar de entrega e amor, aqui e agora. Ela obrigou-o a passar pelo seu verdadeiro caminho. Ironicamente, ela ensinou-lhes o verdadeiro sentido da cura.

Se você parar de se comparar, meu amigo, minha amiga, você pode encontrar presentes e ensinamentos ocultos em sua experiência única de dor. E a sua intenção pode mudar - de se livrar da dor, para ouvi-la, estar aberto à sua presença, querendo saber o que está ela lhe pedindo. Você pode mover-se da violência e do desespero, para a gentileza, a aceitação, a calma e a paciência. Você pode começar uma conversa amigável com a sua dor.

A dor pode destruir você, ou ela pode concentrar você, te tornar mais atento, mais focado. Ela pode levá-lo mais profundo no sono e na depressão, ou pode acordá-lo. Ela pode transformá-lo em uma vítima, ou ela pode ajudá-lo mais do que nunca, a se sentir mais poderoso, mais alinhado, mais conectado com a sua verdadeira vida.

Não estou dizendo que você deve tentar 'gostar' da sua dor. Isso não é realista. Eu não estou dizendo que você deva se tornar um masoquista ou um guerreiro destemido. Isso é desnecessário. Não estou mesmo dizendo que você deva desistir de procurar um médico, um curador, um terapeuta, um amigo que possa ajudá-lo a dar-lhe uma outra perspectiva sobre a fonte de sua dor. 

Eu estou pedindo que você - enquanto isso, por hoje, pelo menos - ouça a sua dor, e encontre a inteligência nela. Para sair dos pesadelos e histórias baseadas no medo que cercam a sua dor; estou pedindo para parar de pensar muito em sua dor, e tentar um pouco de gentileza, e exploração. Lembre-se de que a aceitação não pode fazer a sua dor piorar. Ela só pode levá-lo mais profundamente ao grande mistério da cura.

E um dia, que pode não ser tão longe assim, você pode olhar para trás e agradecer a sua dor por mantê-lo ligado à terra, curioso, atento e aberto. 
Você pode perceber que a sua dor não foi na verdade 'pedras no seu caminho' - e sim que, a dor realmente era 'parte do seu caminho', e foi de todos, o seu maior mestre."
Jeff Foster em Satsang

6 comentários:

  1. Excelente este artigo de Jeff Foster, uma visão sobre como encaramos a dor e a doença, e nos mostra de não deve haver negação (evitação) do fato nem foco excessivo (valorização, vitimização).
    Muito obrigado por nos trazer este texto.
    Namastê.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante. Grata por compartilhar! Abraço

    ResponderExcluir
  3. Sinto me muito melhor neste momento de dor.Abriu meus olhos. Muito obrigada!

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails