16 de julho de 2011

O Sagrado além dos conceitos...



"O esclarecimento de que falo não é simplesmente uma realização, não simplesmente a descoberta de nossa verdadeira natureza. Esta descoberta é apenas o começo, o ponto de entrada em uma revolução interior. A realização não garante esta revolução, ela simplesmente faz com que seja possível.

O que é essa revolução interior? Para começar, a revolução não é estática, ela está viva, permanente e contínua. Ela não pode ser compreendida ou feita para caber em qualquer modelo conceitual. Nem há qualquer caminho para essa revolução interior, pois não é previsível nem controlável e tem uma vida própria. Esta revolução é uma ruptura com o velho, com as repetitivas, estruturas mortas de pensamento e percepção que a humanidade encontra-se presa. Dentro a realização da realidade última é um despertar repentino direto e existencial para a nossa verdadeira natureza que abre a porta à possibilidade de uma revolução interior.

Tal revolução requer um esvaziamento contínuo fora das antigas estruturas da consciência, e do nascimento de uma inteligência viva e fluida. Esta inteligência reestrutura todo o seu ser-corpo, mente e percepção. Esta inteligência corta a mente livre de suas estruturas antigas que estão enraizadas dentro da totalidade da consciência humana.Se a pessoa não pode tornar-se livre das antigas estruturas condicionadas da consciência humana, então ainda está em uma prisão.

Tendo um despertar para a nossa verdadeira natureza não significa necessariamente que haverá uma revolução em curso na forma como se percebe, age e reage à vida. O momento de despertar nos mostra o que é verdadeiro e real, em última análise, bem como revelando uma profunda possibilidade no caminho, de que a vida pode ser vivida de um estado indivisível e incondicional do ser.

Mas o momento do despertar não garante estas possibilidades mais profundas, como muitos que experimentaram despertar espiritual podem atestar.Despertar abre uma porta para dentro para uma profunda revolução interior, mas não garante que ela terá lugar. Se ocorre ou não depende de muitos fatores, mas nenhum mais importante e vital do que uma intenção sincera e inequívoca pela verdade acima e além de tudo. Esta intenção sincera em direção à verdade é o que todo o crescimento espiritual depende, em última análise, especialmente quando ela transcende todas as preferências pessoais, agendas e objetivos.

Essa revolução interior é o despertar de uma inteligência não nasce da mente, mas de um silêncio interior da mente, a única que tem a capacidade de erradicar todas as velhas estruturas da própria consciência. A menos que estas estruturas sejam desenraizadas, não haverá o pensamento criativo, ação ou resposta. A menos que haja uma revolução interior, nada de novo e fresco pode florescer. Só o velho, o repetitivo, será condicionado na ausência dessa revolução.
Mas o nosso potencial está para além do conhecido, além das estruturas do passado, além de qualquer coisa que a humanidade criou. Nosso potencial é algo que pode florescer somente quando já não estamos presos nas influências e limitações do conhecido. Além do domínio da mente, além das limitações da consciência condicionada da humanidade, encontra-se o que pode ser chamado de sagrado. E é a partir do sagrado que uma nova consciência e fluido é nascido que enxuga o velho e traz à vida o florescimento de uma expressão viva e indivisível do ser. Tal expressão não é nem pessoal nem impessoal, nem espiritual, nem do mundo, mas sim o fluxo e floração de existência além de todas as noções de self.

Então vamos entender que a realidade transcende todas as nossas noções sobre a realidade. Realidade não é nem cristã, hindu, judaica, Advaita Vedanta, nem budista. Não é nem dualista, nem não-dualista, nem espiritual nem não espiritual. Devemos vir a saber que há mais realidade e de sacralidade em uma folha de grama do que em todos os nossos pensamentos e idéias sobre a realidade

Quando percebemos a partir de uma consciência indivisa, vamos encontrar o sagrado em cada expressão de vida. Vamos encontrá-lo em nossa xícara de chá, na brisa cair, na escovação dos dentes, em cada momento de viver e morrer. Portanto, devemos deixar a coleção inteira de pensamento condicionados para trás e deixar-nos ser guiados pelo fio de silêncio interior em direção ao desconhecido, além de onde todos os caminhos fim, para aquele lugar onde vamos inocentemente ou não em todos, não uma vez, mas continuamente.

É preciso estar disposto a ficar sozinho, no desconhecido, sem nenhuma referência ao conhecido ou no passado ou a qualquer condicionamento. É preciso estar onde ninguém ficou antes em completa nudez, inocência e humildade.
Deve-se ficar na luz negra, naquele abraço sem fundamento, inabalável e fiel à realidade além de todas as identificações, não apenas por um momento, mas sempre sem fim. Pois então o que é sagrado, não dividido, o todo emerge na consciência e começa a se expressar."
Adyashanti em A Revolução Interior

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails