29 de setembro de 2012

O Despertar da Sensibilidade...

"Começamos, pois, a ver que a mente deve ser vigilante e sensível. 

Estou empregando a palavra "mente" para designar o "intercâmbio" entre cérebro e a coisa que controla o cérebro; pois a mente não consta apenas de nervos e células cerebrais, mas também daquilo que é ao mesmo tempo transcendente e constituído de células - a coisa total. 

A mente que a maioria de nós possui está sobrecarregada de problemas, aos quais todos os dias acrescentamos novos problemas. 

Dessa maneira, todo o nosso ser se torna embotado e perdemos toda a sensibilidade. E quando não somos sensíveis, fazemos esforço. Veja, por favor, o círculo vicioso em que estamos aprisionados.

Assim, pois, a compreensão do desejo é necessária. 
É preciso compreender o desejo e não viver sem desejo. Se mata o desejo, ficais paralisado. 

Se olhas o por do sol à sua frente, esse próprio ato de olhar constitui um deleite, se sois sensível. Isso também é desejo - o deleite. E não podeis ver o por do sol e com ele deleitar-vos, se não sois sensível. 

Se, vendo um homem rico passar em seu luxuoso carro, não podeis deleitar-vos com isso - não porque desejeis um carro igual, mas porque simplesmente vos deleita ver um homem conduzindo um belo carro; ou se, vendo um pobre ente humano, sujo, inculto, desesperado, não sois capaz de infinita piedade, afeição, amor - não sois sensível. 

Como podeis encontrar a realidade, se não tendes essa sensibilidade, esse sentimento?

Assim, para compreender o desejo, é preciso compreender, escutar cada murmúrio da mente e do coração, cada alteração do pensamento e do 
sentimento; é preciso observar o desejo, tornar-se sensível a ele, vivo para ele. 

Não podeis tornar-vos vivo para o desejo, se o condenais ou se o comparais. 

Deveis estar solicitamente atento ao desejo, porque ele vos dará uma compreensão imensa. E dessa compreensão provém a sensibilidade. Sois então sensível, não apenas fisicamente sensível à beleza, à sordidez, às estrelas, ao sorriso ou às lágrimas, mas sensível também à todos os murmúrios, todos os sussurros que vos povoam a mente - vossas secretas 
esperanças e temores.

E desse escutar, desse vigiar, vem a paixão, aquela paixão aliada do amor. 
Só esse estado estado é que pode cooperar. 
E só esse estado que é capaz de cooperar, sabe quando não se deve cooperar. 

Por conseguinte, em virtude dessa profunda compreensão e vigilância, a mente se torna eficiente, lúcida, cheia de vitalidade e de vigor; e só essa mente pode viajar para muito longe."
J. Krishnamurti em O Despertar da Sensibilidade

3 comentários:

  1. Se a humanidade conseguir compreender perceber e aplicar
    tal verdade seremos tal qual a sensibilidade é
    quero dizer realizaremos a verdadeira "conciência

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Dravidya, a sensibilidade é sinônimo de profundidade, de consciência; ser sensível não é ser fraco, como muitos acreditam, mas ser centrado... e aí está a verdadeira força...
      Agradeço sua presença e sua luz.
      Namastê

      Excluir

Related Posts with Thumbnails