8 de abril de 2010

Duas velas...


"Algo foi transmitido quando o discípulo e o mestre se olharam nos olhos.
Naquele momento de silêncio, alguma transmissão, alguma energia...

Ele viu nos olhos do mestre. -"Esses são os olhos com os quais posso ver o Todo".
Isso vem como uma realização instantânea, assim, nada é dito.
É isso que intriga as pessoas quando lêem o Zen.

As sentenças não explicam, a menos que você tenha visto nos olhos de um mestre, a menos que tenha sentido a presença e o campo de energia de um mestre. Este é um universo totalmente diferente, uma dimensão de comunicação, de comunhão, totalmente diferentes.(...)
Aqueles olhos o satisfizeram completamente -“Este é o homem que por vidas procurei. Voltei ao lar”.
A realização era tão extraordinária e forte que ele se iluminou.
Isso é chamado no Zen de “a transmissão da lâmpada”.
É como se você aproximasse duas velas – uma acesas e outra não.
Mas ao aproximá-las, há um ponto onde de repente a chama de uma vela salta para a outra vela.
Algo exatamente assim acontece entre um mestre e um discípulo, quando eles se encontram nos olhos. Nada precisa ser feito.
Um mestre autêntico de maneira nenhuma é um cativeiro para o discípulo.
Ele é simplesmente um caminho, absolutamente aberto e incondicional; você entra nele e através dele alcança o universo."
Osho em Ma Tzu o espelho vazio.

Um comentário:

  1. Que bom que eu te "achei"! Minha mestra zen eh vc, que me transmite luz e lucidez com um olhar, um silencio.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails