24 de novembro de 2012

Trabalho e Reconhecimento - Osho

"Precisa ser lembrado que a necessidade de ter aprovação e de ser reconhecido é problema de todo mundo. 
Toda nossa estrutura de vida é tal que somos ensinados que a menos que haja reconhecimento não somos ninguém, não temos valor. 

O trabalho não é importante, mas sim o reconhecimento. E isso está pondo as coisas de cabeça para baixo. O trabalho deve ser importante... uma alegria em si mesmo. 
Você deve trabalhar, não para ser reconhecido, mas porque você gosta de ser criativo; você ama seu trabalho porque gosta do que faz.

Poucas pessoas foram capazes de escapar da armadilha que a sociedade preparou para vocês, como Vicent Van Gogh. Ele continuou pintando – faminto, sem ter onde morar, sem roupas, sem remédios, doente, mas continuou pintando. Nenhuma pintura era vendida, não havia reconhecimento de lugar algum, porém o mais estranho era que nessas condições ele ainda estava feliz... Feliz porque ele era capaz de pintar o que ele queria. Com ou sem reconhecimento, seu trabalho é intrinsecamente valioso.

Na idade de trinta e três anos ele cometeu suicídio – não por causa de alguma miséria, de angústia, não, mas simplesmente porque ele havia pintado sua último quadro, sobre o qual ele esteve trabalhando por quase um ano, um pôr do sol. Ele tentou dúzias de vezes, mas não ficava a altura de seu padrão e ele o destruía. Finalmente ele conseguiu pintar o pôr do sol da maneira que desejava.(...)

Agora, quase um século depois, cada uma de suas pinturas vale milhões de dólares. Existem somente duzentos quadros disponíveis. Ele deve ter pintado milhares, mas estes foram destruídos; ninguém deu muita atenção a eles.

Atualmente, possuir um dos quadros de Van Gogh significa que você tem um senso estético. A pintura dele lhe dá um reconhecimento. O mundo nunca teve qualquer reconhecimento pelo trabalho dele, mas ele nunca se importou. E é assim que deve ser a maneira de olhar as coisas.

Você trabalha se você ama seu trabalho. Não espere por reconhecimento. Se isso acontecer, aceite-o tranquilamente; se não acontecer, nem pense sobre isso. Sua realização deve estar no próprio trabalho. E se todos aprendessem essa simples arte de amar seu trabalho, qualquer que seja, desfrutando-o sem pedir por qualquer reconhecimento, teríamos um mundo mais bonito e celebrativo. 

Como é agora, o mundo lhe apanhou numa armadilha de um padrão miserável: O que você está fazendo não é bom porque você o ama, porque você o faz 
perfeitamente, mas porque o mundo o reconhece, o recompensa, lhe dá medalhas de ouro, prêmios Nobel.

Eles retiraram todo o valor intrínseco da criatividade e destruíram milhões de pessoas – porque vocês não podem dar prêmios Nobel a milhões de pessoas. E vocês criaram o desejo por reconhecimento em todos, assim ninguém pode trabalhar pacificamente, silenciosamente, desfrutando do que quer que 
esteja fazendo. 

E a vida consiste de pequenas coisas. Para essas coisas pequenas não há recompensas, nem títulos dados pelos governos, nem diplomas honorários dados pelas universidades.(...)

Porque você deveria se incomodar com reconhecimento? Incomodar-se com 
reconhecimento só tem sentido se você não ama seu trabalho; então isso é 
significativo, desse modo parece substituir. 

Você odeia seu trabalho, você não gosta dele, porém você o está fazendo porque haverá reconhecimento; você será apreciado, aceito. Ao invés de pensar em reconhecimento, reconsidere seu trabalho. 

Você o ama?... Então isso é o fim. Se você não o ama, então mude-o!

Os pais, os professores estão sempre enfatizando que você deve ser reconhecido, você deve ser aceito. Essa é uma estratégia muito esperta para manter as pessoas sob controle.(...)

Fui mal interpretado de todas as maneiras. Tudo que pode ser dito contra um homem foi dito contra mim; tudo que pode ser feito contra um homem foi feito contra mim. Vocês acham que isso é reconhecimento? Mas amo meu 
trabalho. Amo-o tanto que não o chamo de trabalho; simplesmente o chamo de minha alegria.(...)

Aprendam uma coisa básica: Façam o que quiserem, amem o fazer, e nunca esperem por reconhecimento. Isso é mendigar. Porque deveríamos pedir por reconhecimento? Porque deveríamos ansiar por aceitação?

Olhe bem fundo em si mesmo. Talvez você não goste do que está fazendo, talvez esteja com medo de estar na trilha errada. 
A aceitação lhe ajudará a sentir que você está certo. (...) Dessa maneira você se torna um individuo. E ser um individuo vivendo em total liberdade, sobre seus próprios pés, bebendo de suas próprias fontes, é o que faz um homem 
realmente centrado, enraizado. 
Esse é o início de seu florescimento definitivo."
Osho em Além da Psicologia

3 comentários:

  1. Aprendam uma coisa básica: Façam o que quiserem, amem o fazer, e nunca esperem por reconhecimento.

    Só este trecho ja vale todo o texto obrigado.

    Paz e Bem

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails