2 de maio de 2012

Os Quatro Mudras do Tantra...


"O Tantra fala sobre quatro fechos, quatro mudras. Para atingir o supremo a pessoa precisa passar por quatro portas; ela precisa abrir quatro fechaduras. Essas fechaduras são chamadas de mudras. Eles são muito importantes.

O primeiro mudra é chamado de Karma Mudra.
Ele é a porta mais exterior, a periferia do seu ser: é a ação, e por isso é chamado de Karma Mudra.
Karma significa ação, e ação é a parte mais exterior do seu ser. O que você faz é a sua periferia. Você ama alguém, odeia alguém, protege alguém ...o que você faz é sua periferia. A ação é a parte mais exterior do seu ser.
O primeiro fecho é aberto ao ser total na sua ação..TOTAL na sua ação. Seja lá o que você fizer, faça-o com totalidade, e surgirá grande alegria. Se você estiver com raiva, com medo, seja inteiramente atento a eles. Não fará mais sentido ficar com raiva: você compreendeu e agora ela pode ser abandonada. Tudo o que é compreendido pode ser abandonado facilmente. Só as coisas que não foram entendidas continuam penduradas à sua volta. Portanto, seja total seja qual for o caso. Tente ser total e alerta, esse é o primeiro fecho a ser aberto.
Lembre-se sempre que o Tantra é muito científico. Ele não diz para repetir um mantra, mas diz para estar atento na sua ação.

O segundo mudra é o chamado de Gyana Mudra.
É um pouco mais profundo do que o primeiro, um pouco mais interior do que o primeiro e é o conhecimento. Ação é a parte mais externa, o conhecimento é um pouco mais profundo. Você pode observar o que eu estou dizendo, mas não pode observar o que eu estou sabendo; o saber é interno. As ações podem ser observadas, os conhecimentos não podem, pois são internos. O segundo fecho é o do conhecimento Gyana Mudra.

Saiba realmente as coisas, e deixe de meramente acreditar em coisas que você não sabe. (...)
Se você for honesto e simplesmente disser aquilo que sabe, e parar de acreditar em coisas que não sabe, o segundo fecho jamais se abrirá. O conhecimento falso é o inimigo do conhecimento verdadeiro, e todas as crenças são conhecimentos falsos; você simplesmente acredita nelas. E seus pretensos santos ficam lhe dizendo: Primeiro acredite depois saberá.
O Tantra diz para primeiro saber, então a crença estará presente. Mas esse é um tipo totalmente diferente de crença; ela é confiança. Acreditar é uma coisa, saber é outra. Você acredita no sol? O sol se ergue e você não precisa acreditar nele, ele está simplesmente presente é você sabe disso;(...) Há um Deus, a divindade que vem através do saber. Mas a primeira coisa a ser feita é abandonar tudo o que você não sabe mas apenas "acha" que sabe. Você sempre acreditou, carregou um esse fardo. De cem coisas você será desafogado de quase noventa e oito
e permanecerão apenas algumas coisas que você realmente sabe. Você sentirá uma grande liberdade; sua cabeça não ficará tão pesada. E com essa liberdade e ausência de peso, você entra no segundo mudra. O segundo fecho é quebrado.

O terceiro mudra é chamado de Samaya Mudra.
Samaya significa tempo. A primeira, a camada mais externa é ação; a segunda camada é conhecimento; a terceira é o tempo. O conhecimento desapareceu e você está apenas no agora, só o tempo mais puro permaneceu.
Observe, medite sobre isso. No agora não há conhecimento, pois o conhecimento é sempre sobre o passado. No momento presente não há conhecimento. Limite-se a este momento; o que você sabe? Nada é conhecido. Se você começar a achar que conhece isto e aquilo, isso virá do passado e não deste exato momento, não do agora; O conhecimento é do passado ou é uma projeção no futuro, o agora é livre de conhecimento.
Assim, o terceiro é o Samaya Mudra, estar neste momento. Por que o Tantra o chama de samaya, de tempo? Normalmente você acha que o passado, o presente e o futuro são as três divisões do tempo, mas esse não é o entendimento do Tantra. O Tantra diz que apenas o presente é o tempo. O passado não existe, ele já se foi; o futuro não existe, ele ainda não veio. Apenas o presente existe.
Estar no presente é estar realmente no tempo. Fora isso você está ou na memória ou em sonhos, que são ambos falsos, ilusões. Assim, o terceiro fecho é quebrado ao esta no agora.

Primeiro seja total em sua ação, e o primeiro fecho é quebrado. Seja, seja honesto no seu conhecimento e o segundo fecho é quebrado. E esteja apenas no aqui e agora, e o terceiro fecho é quebrado.

E o quarto mudra é chamado de Maha Mudra.
Maha ,o grande gesto...o mais íntimo, o espaço. Agora apenas o espaço mais puro permaneceu. Ação, conhecimento, tempo, espaço, esses são os quatro fechos. O espaço é a sua essência, o ponto central da roda, o centro do ciclone.
No seu vazio mais íntimo está o espaço, o céu."
Osho em Tantra o caminho da Aceitação.

2 comentários:

  1. Querida Lilian:Não estendi o 2º Mudra. Osol se põe eu sei que se põe e acredito.
    Deus não se põe e nem nasce a acada dia no horizonte....
    Eu acredito mas diante do texto ,eu suponho e por tanto ,tenho que abandonar este pensamento(Deus) para ficar mais leve!
    Poderia me esclarcer querida?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rosa! Veja bem, Osho nos mostra que a confiança é diferente da crença. Confiança vem da constatação, da experiência própria. Ele usa o exemplo do sol, que não é preciso se acreditar nele, ele é real e todos podemos constatar isso. O segundo selo é um aprofundamento do primeiro, que é externo, Karma, que é a ação.
      Deus aqui é a Totalidade, a Onipresença, além das crenças, além das divisões da mente. Não depende de crença, é uma experiência vivida momento a momento em total inter-relação com a realidade,
      Agradeço sua presença, espero ter te esclarecido! Abraços prá você!
      Namaste!

      Excluir

Related Posts with Thumbnails