14 de maio de 2011

Onde está o "eu"?


Pergunta - Existem algumas áreas onde minha atenção fica presa, por exemplo no relacionamento com minha família.
Mooji - O que quer que envolva a sua atenção se torna a sua experiência. Existe certa comodidade em se envolver, e o resultado é que você se sente sendo "alguém".

P - Por que isso acontece?
Mooji - A atenção vai por causa do hábito. Eu acredito que todas as questões acerca da espiritualidade se resumem neste ponto. Algo do passado atrai sua atenção e isso leva a um estado de agitação; então, você faz algum esforço para manipular a agitação ou suprimi-la, a fim de mudá-la.

P -Quando se vê que é o passado se manifestando, pode-se simplesmente deixa-lo ir?
Mooji - Isto parece uma pergunta muito boa. Se eu seguir pela linha desta pergunta em particular, estarei cooperando com uma ideia que não é verdadeira, a ideia de que há um "você" que vive a sua vida. Se você pensa que é um “alguém" agindo a partir do seu passado, você está reforçando esta identidade errônea.

Descubra quem é este que vê as coisas dessa maneira. Quem é que está agindo e reagindo? Existe realmente um "eu" que tem esse condicionamento?

Não questione meramente para se livrar do condicionamento ou do desconforto, mas para ver realmente se é isso que você é. Veja aquilo que não tem familia, não é uma mulher ou um homem, e não tem passado. Vá além de todas as associações até que você permaneça sozinho, sem você.
O problema não é o papel em si, mas a crença nele.

P - Sim. Mas ... Por exemplo, em minha família, eles me veem como uma pessoa.
Mooji - Você não tem controle sobre o que os outros pensam e fazem. Você apenas criará um fardo tentando consertar isso. Apenas seja honesto e verdadeiro no momento.
Veja: o “eu” tem algumas associações do passado, projeções para o futuro, um papel ou comportamento, e por causa da crença no papel a consciência é mantida prisioneira em uma certa identidade.

Quem é "eu" e precisamente onde está o "eu" agora mesmo? Posso eu ser alguma coisa? O que seria isso? Tais questionamentos guiam a consciência de volta para a vacuidade, sua fonte.

O Satsang apresenta a oportunidade de reconhecer o seu Ser diretamente, de descobrir aquilo que é atemporal e imutavelmente presente.

P - Por que esquecemos nossa natureza?
Mooji - Aquilo que nós realmente somos não se esquece. Aquilo não é capaz de lembrar ou esquecer.

P - Eu fiz um movimento errado?
Mooji - Eu não conheço nada como "um movimento errado". Tudo é simplesmente perfeito! Essa ideia o está mantendo prisioneiro, e ela é uma completa construção da sua mente!

Pare de pensar que você produz a você mesmo. Na verdade não existe nenhum você de fato, nada ali em absoluto, a não ser enquanto conceito. O observador disso é a realidade única que nós somos.
A mente percebe o vazio como ausência de atividade, impotência, não-existência pessoal; e não percebe que o vazio é pureza, paz e completa satisfação de ser. Isso já é assim mesmo agora. Mesmo agora, que você apresenta estas questões. Aquele que fala é aquele que ouve.
Existe uma fase nesta investigação que pode parecer um pouco paranóica, quando mesmo a mais sutil das sensações é investigada.
Gradualmente, esse tipo de entusiasmo se dissolve e apenas a investigação permanece, sem um inquiridor. Quem está investigando? Ninguém está investigando.
Isso não pode ser compreendido racionalmente.
Na verdade, isso não pode ser explicado e você não pode encontrar a você mesmo, porque você nunca esteve separado.
Paradoxo e charadas existem apenas para a mente. Você é aquilo que contém todos os paradoxos.

P - Você me disse: "não olhe com a mente, olhe com o coração". Eu não sei como olhar com o coração.

Mooji - Quem é este "eu" que diz: "eu não sei como olhar com o coração?"
Esqueça de tudo o que você ouviu ou leu. Esqueça de tudo isso. Eu não presumo que exista algum "você" que compreenderá e se lembrará disso.
É como um novelo de lã que se emaranhou e cada vez que vem aqui ao Satsang se sente: "ah,como foi que eu me tornei emaranhado desta forma?"
Uma explicação parece ser dada a isso, mas a explicação é apenas outra forma de lançá-lo contra a parede, e ele se desemaranha sozinho. O novelo não pode receber o conselho de como desenredar-se. O que deve acontecer é que aquele eu, enquanto Silêncio em si, receba o conselho, e ele então corre até que é desemaranhado - mas ele próprio não é capaz de por em pratica esse conselho!
Isso deve ser bastante libertador para você. Você não tem que fazer nada em absoluto. Estes diálogos são um tipo de brincadeira; não é realmente o que está acontecendo. O cozimento de certa forma está acontecendo por baixo. O que quer que precise acontecer está acontecendo por si só. Apenas olhe.

P - A única coisa que eu posso descrever é aquilo que eu posso ver. Portanto, o que eu posso ver está acontecendo comigo.
Mooji - O que está consciente deste acontecimento? Cada vez que você segue essa pergunta é como um espelho, refletindo você olhando para esta atividade e o próprio espelho. Quão próximo está esse reflexo? Por mais perto que seja, o reflexo nunca se tornará você, porque você está vendo o reflexo.
Tudo é somente agora. A sua existência é somente agora. Apenas o Agora atemporal. Todo o resto é um sonho devido ao condicionamento e à memória.

Memória de quem? De ninguém. É um misterio! Um mistério não pode ser decifrado.
"Para quem é o misterio?" É a pergunta mais importante. Descubra.
Mooji em Antes do Eu Sou - Diálogos com Mooji

4 comentários:

  1. Tia,
    finalmente conheci o seu blog! Li o seu último post e não posso deixar de dizer que ele é e foi inspirador como você! adorei!
    continue escrevendo e deixando deslanchar a consciencia e auto critica nas pessoas, nos 'eus', na existencia...
    beijo grande
    Rá (brasília)

    ResponderExcluir
  2. Rá querida!!! Saudades!! Que legal ver você por aqui..fico feliz!!Venha sempre ok? Beijos no seu coraçãozinho lindo!! :)

    ResponderExcluir
  3. Olá Lilian, bom dia! Que grata satisfação pelo que me trouxe a conhecer o seu blog neste momento, neste dia, neste agora! Venho curtindo desde longa data todos os sábios, gurus, iluminados...aqui amorosamente oferecidos por você e não é que..."de repente"...eu os encontro reunidos aqui neste blog! Mas...que maravilha! Isso é tudo de bom, viu! Que bom que os "meus sufôcos", as"minhas dores" e os "meus prazeres" tanto buscaram que encontraram. De agora em diante serei mais uma das suas - suponho - inúmeras "sombras".
    Grande abraço e TAMUJUNTO.
    Paulo - Niteroi - Tel.21 26188882

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paulo!! A alegria é toda minha, seja bem vindo!! Legal que você está nessa busca e que encontrou luz nos ensinamsntos dos mestres.. Saiba que na existência tudo é perfeito como é, e se você chegou aqui é também a perfeição acontecendo... Quanto aos seus "sufocos", " dores", " prazeres" investigue se são realmente seus, ou se você não é apenas a consciência observadora de todos eles... Grande abraço e agradeço por sua luz e presença aqui!
      Namaste!!

      Excluir

Related Posts with Thumbnails