27 de maio de 2017

Do não ao supremo Sim - Osho


"Eis por que os psicólogos dizem que entre os sete e os quatorze anos de idade, cada criança começa a aprender a dizer não, cada vez mais e mais. Ao dizer não, ela está saindo do útero psicológico da mãe. Mesmo que não haja nenhuma necessidade de se dizer não, ela dirá não. Mesmo quando dizer sim é a seu favor, ela diz não.

Há muito em jogo: ela tem de aprender a dizer não, mais e mais. Quando o menino alcança os quatorze anos e está sexualmente maduro, ele dirá o supremo ‘não’ à mãe: ele se apaixonará por uma outra mulher.

Este é o supremo ‘não’ à mãe, ele está dando as costas à mãe. Ele diz: “Acabei essa história com você, escolhi minha mulher. Tornei-me um indivíduo, independente por direito próprio. Quero viver a minha vida, quero fazer minhas próprias coisas.”.
E se os pais insistem: “Corte o cabelo” – ele usará cabelos longos. Se os pais insistem: “Deixe os cabelos crescerem.” – ele cortará o cabelo. Veja bem. Quando os hippies se tornaram pais, eles viram seus filhos usarem cabelos curtos – porque eles tinham que aprender o “não”.
Se os pais insistem: “A limpeza é próxima de Deus.” – os filhos começarão a viver sujos de todos os modos. Eles ficarão sujos. Não vão querer tomar banho, não usarão sabão. E eles encontrarão racionalizações: que o sabão é perigoso para a pele, que é antinatural, que nenhum animal jamais usou sabão. Eles podem encontrar tantas racionalizações quanto possível, mas lá no fundo todas aquelas racionalizações são disfarces. 

A coisa verdadeira é que, eles querem dizer não. E é claro, quando você quer dizer não, você tem de arranjar razões.
Assim, o não lhe dá a sensação de liberdade; não só isso, ele lhe dá uma sensação de inteligência. Quando você diz sim, ninguém pergunta por quê. Quando você já disse o sim, quem se incomoda de perguntar por quê? Não há nenhuma necessidade de qualquer arrazoado ou argumento, você já disse o sim. Quando você diz não, o ‘por quê’ é fatal de ser perguntado. Isso afia sua inteligência, lhe dá uma definição, um estilo, uma liberdade. Observe a psicologia do “não”.

É muito difícil para os seres humanos ficarem em harmonia, devido à consciência. Consciência dá liberdade, liberdade lhe dá a capacidade de dizer não, e há mais possibilidade de se dizer não do que dizer sim. E sem o sim, não há harmonia. Sim é harmonia. Mas leva tempo para se desenvolver, amadurecer, chegar a tamanha maturidade onde você possa dizer sim e, contudo, permanecer livre; onde você possa dizer sim e, contudo, permanecer único; onde você possa dizer sim e, contudo, não se tornar um escravo.
A liberdade que é trazida pelo ‘não’ é uma liberdade muito infantil. É boa dos sete até os quatorze anos de idade. Mas se a pessoa fica presa nisso e toda a sua vida se torna um contínuo “não”, então, ela parou de crescer.

O supremo crescimento é dizer “sim” com tamanha alegria como uma criança diz “não”. Essa é uma segunda infância. E o homem que pode dizer “sim” com tremenda liberdade e alegria, sem nenhuma hesitação, sem quaisquer cordas lhe segurando, sem quaisquer condições – uma pura e simples alegria, um puro e simples “sim” –, esse homem se tornou um sábio. Esse homem vive em harmonia novamente. E sua harmonia é de uma dimensão totalmente diferente que a harmonia das árvores, dos animais e dos pássaros. Estes vivem em harmonia, porque não podem dizer “não”, e o sábio vive em harmonia porque ele não diz “não”. Entre os dois, os pássaros e os budas, estão todos os seres humanos – os não-desenvolvidos, imaturos, ainda tentando dizer ‘não’, para ter uma sensação de liberdade.
Eu não estou dizendo ‘não aprenda a dizer não’. Estou dizendo para aprender a dizer “não”, quando for hora de dizer “não”, mas não fique entalado nisso. Devagar, devagarinho, veja que existe uma liberdade mais elevada que vem com o "sim", e uma maior harmonia. Paz que dá lugar à compreensão.(...)

Por milhares de anos você tem permanecido identificado com a mente, tem despejado muita energia nela. Ela segue girando e girando, por meses e anos. Mas se você conseguir permanecer um observador silencioso, um observador na colina, então pouco a pouco a energia, o momento, é perdido e a mente chega a parar.
No dia em que a mente parar, você chegou.

A primeira visão do que é Deus e de quem é você acontece imediatamente, porque uma vez que a mente para, toda a sua energia que tinha permanecido envolvida com ela é liberada. E essa energia é tremenda, é infinita: ela começa a descer em você. É uma grande bênção, é graça.

Os chamados revolucionários seguem fracassando porque eles continuam tentando dar um jeito nas mesmas coisas da mente. Alguém acredita em Deus e daí aparece um revolucionário que diz, 'Não há Deus algum e eu não acredito em Deus'. Mas ele é tão fanático com suas idéias como as pessoas que acreditam em Deus.
Crentes e descrentes, ambos são fanáticos. Uns se apegam ao sim e outros se apegam ao não, mas sim e não, ambos são partes da mente. Você escolhe uma parte e um outro alguém escolhe a outra parte. Um é cristão e o outro é hindu, mas ambos são mentes. Um escolheu a Bíblia e o outro escolheu os Vedas, mas ambos são partes da mente.

Então, quem é realmente religioso? Aquele que não fez escolhas a partir da mente. Você não pode chamá-lo cristão, nem hindu, nem comunista; você não pode chamá-lo teísta nem ateu. Ele simplesmente é. Ele é indefinível. Você não consegue rotulá-lo. Ser é tão vasto que não pode ser rotulado.

Nenhuma palavra é adequada o suficiente para descrever o ser. Em tal vastidão, a liberdade; em tal vastidão, a felicidade."
- Osho em O Livro dos Segredos IV

2 comentários:

  1. Gostei da história do "não"!
    Não entendia direito
    Por quê agir desse jeito
    Sem ter uma explicação

    Abalizada em versão
    Aqui postada a respeito
    Para entender o sujeito
    Bem como à educação.

    Parabéns! E fico grato
    Pelo perfeito relato
    Da vida do adolescente

    Que é o próprio retrato
    Do que fomos e é um prato
    Cheio de luz para a gente.

    Minha gratidão! Parabéns pela bela postagem! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão Laerte! Seja bem vindo! Namastê!

      Excluir

Related Posts with Thumbnails