29 de março de 2013

Jesus e a não-dualidade - Jean-Yves Leloup


"Sobre a frase “tudo o que não é assumido não é salvo”frequentemente me perguntam se Jesus assumiu a paternidade, se assumiu o envelhecimento. Respondo que Ele assumiu todas as faces do ser humano. A face do homem transfigurado no Monte Thabor e também a face do homem desfigurado na cruz.

Mas será que Ele assumiu a face da paternidade? 

O que os evangelhos nos contam é que Ele era muito paternal e muito maternal para com as crianças. Usava frequentemente a imagem da criança que mama em sua mãe, que para Ele era uma imagem de não-dualidade, onde dois fazem um. Os discípulos talvez pensem que é preciso que regridamos, que é preciso que nos tornemos criancinhas, que é preciso que retornemos à unidade indiferenciada, à unidade fusional da criança com sua 
mãe. Jesus precisa bem que não se trata disso. Não se trata de regredir, de voltar à infância tornando-se criancinhas, vivendo como criancinhas como fazem estes adultos que imitam as crianças e que não são crianças, são infantis. 

Trata-se de reencontrar a qualidade da inocência e, sobretudo, da confiança na vida, confiança nos viventes que compartilham nossa vida. 
Mas esta confiança precisa ser reconquistada e, então, é preciso fazer de dois, um.

Não se deve retornar ao um, mas sim assumir o
dois, assumir a dualidade que acabamos de falar, indo além do dois, além do Tu e do Eu. É preciso 
descobrir o terceiro incluído que nos une, o terceiro incluído secretamente, para falar como os físicos. 
Trata-se de fazer do dois, um; isso começa com a unidade entre o exterior e o interior. O que está no interior do cântaro está também no exterior, é o mesmo espaço. 
Descobrir isso é um ato de consciência.

Devemos também fazer um do alto e do baixo; mas
onde começa o alto e onde termina o baixo? Para uns o alto começa na cabeça, para outros no tornozelo. Como diz Lao-Tsé, o alto e o baixo se tocam, então não é preciso colocar em oposição o céu e a terra. O céu não está somente acima das nossas cabeças, ele é também o espaço que nos envolve. A terra está no céu, o céu está na terra.

Como diz ainda Lao-Tsé: “O céu está voltado para
a terra e a terra está voltada para o céu”. Os dois são inseparáveis mas algumas vezes opomos o céu e a terra dentro de nós. Então é preciso reencontrar a aliança entre a matéria e o espírito, entre o céu e a terra. Outra aliança que deve viver em nós é a aliança entre o masculino e o feminino. 

Este texto que tem quase 20 séculos é estranhamente atual, pois cada vez mais, em conferencias e seminários, fala-se da integração entre o feminino e o masculino, entre a anima e o animus.

Para podermos encontrar o outro, um outro
inteiro, é preciso que já tenhamos realizado em nós mesmos a unidade entre o masculino e o feminino. Não 
se trata de procurar a outra metade, mas trata-se de procurar o outro, inteiro. Há muitos encontros de metades, mas há poucos encontros de seres inteiros. 

Procurar sua outra metade é sempre se procurar a si mesmo, é procurar a metade que nos falta, a metade masculina ou a metade feminina. Ocorre que, quando tivermos vivido algum tempo com esta metade que veio de fora e graças a esta metade exterior integramos a nossa metade interior, poderemos nos perguntar o que faremos com essa que nos ajudou em nossa integração. 
Isso pode se transformar em um drama. Em um drama ou no momento em que verdadeiramente escolhemos. Porque eu não escolho mais para preencher a minha falta. Eu escolho por ele mesmo, pela sua diferença. O que era um casal transforma-se em uma aliança de dois seres inteiros onde existe algo divino. O encontro entre a Sofia e o Logos, entre Yeshoua de Nazaré e Miriam de Magdala é o encontro entre dois seres inteiros...

Podemos dizer a alguém: “Não tenho mais
necessidade de você, posso viver muito bem sem você, estou muito bem sozinho (é uma bela declaração de 
amor), mas escolhi viver com você.” 
Não falamos mais na ordem da necessidade, mas estamos na ordem do desejo. Não falamos da falta, mas da liberdade compartilhada. 
Nessa aliança existe algo de sagrado.

Jesus nos lembra no evangelho que somos capazes
de amar um outro não somente a partir da nossa sede mas a partir da nossa fonte. 

Neste momento importante de nossa vida paramos de pedir ao outro, de exigir, que ele preencha nossa sede, que ele preencha a nossa falta e podemos realmente amá-lo. 

Agora, o masculino não é apenas um macho, o feminino não é apenas uma fêmea. As relações entre homem e mulher não são mais as relações entre macho e fêmea com todos os jogos mais ou menos sadomasoquistas de sedução e de dominação. Agora, estamos na relação entre duas pessoas."
Jean-Yves Leloup em Palavras da Fonte

Um comentário:

Related Posts with Thumbnails