5 de outubro de 2012

Sobre o Amor - Krishnamurti

"Sabemos pouco do amor, da sua extraordinária ternura e poder. 

Muito facilmente usamos a palavra "amor"; o militar usa-a, o carniceiro usa-a, o homem rico usa-a, assim como o rapaz e a moça. 
Mas sabemos pouco do amor, da sua vastidão, da sua imortalidade, 
da sua profundidade. 

Amar é ter consciência da eternidade.

O relacionamento é uma coisa estranha; muito facilmente caímos na habituação a um relacionamento particular, onde as coisas são tomadas como garantidas, com a situação aceite, não se tolerando qualquer variação; não se considera nenhum movimento em direção à incerteza, mesmo por um segundo. 

Tudo é de tal modo regulado, tornado «seguro», bem amarrado, que não há qualquer hipótese de frescura, de um respirar revivificador. 

A isto, e a muito mais, se chama relacionamento. Se observarmos de muito perto, verificamos que o verdadeiro relacionamento é muito mais subtil, mais rápido que um relâmpago, mais vasto do que a Terra, pois ele é vida. A vida é conflito.

Queremos fazer do relacionamento uma coisa grosseira, rígida, manipulável. Deste modo, ele perde a sua fragrância, a sua beleza. 
Isto surge porque não amamos, e o amor é certamente a maior das coisas, pois nele acontece o completo abandono de nós mesmos.(...) 

É preciso grande inteligência para um homem e uma mulher se esquecerem de si mesmos, para poderem viver juntos, não se rendendo um ao outro ou não sendo dominados um pelo outro. 
O relacionamento é a coisa mais difícil da vida.(...)

Não sei, mas o amor incendeia-me. É uma chama inextinguível. Tenho tanto disso, que quero dá-lo a todos, e dou. 

É como um grande rio, que alimenta e rega cada vila e aldeia; ele vai sendo poluído, deságua nele a porcaria do ser humano, mas depressa as águas se purificam a si próprias, e rapidamente segue em frente. 
Nada pode estragar o amor, pois todas as coisas se dissolvem nele - o bom e o mau, o feio e o belo. 

O amor é algo que é a sua própria eternidade.

O amor é um coisa "perigosa", só ele traz a única revolução que proporciona felicidade.São poucos os que são capazes de amar, e tão poucos os que realmente querem o amor.

Amamos segundo as nossas próprias condições, fazendo do amor um coisa de mercado. Temos mentalidade mercantil, mas o amor não é comercializável nem é um negócio de troca.

O amor é um estado de ser, no qual todos os problemas humanos se resolvem. Vamos ao poço com um dedal e assim a vida torna-se uma coisa sem qualidade, insignificante e limitada."
J. Krishnamurti em Cartas a uma jovem amiga

5 comentários:

  1. Lindo texto para reflexão, Lilian!! A maioria de nós ainda tem muito apego...apego às pessoas, aos momentos, aos sentimentos, às coisas! O amor não tem apego, pelo contrário, o amor liberta!! E é por isso que mais uma vez estou em conflito...porque se não é amor, se é só relacionamento, então não vale a pena tanto sofrimento e anulação de mim mesma!!


    Tenha um ótimo final de semana!!
    Beijos!!♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari querida, o amor é mesmo um mistério a ser vivido...
      O coração não conhece apego, a nossa mente sim.
      O coração transcende ao apego e ama a liberdade. Nossa mente cria a ilusão de que somos incompletos, cria a ilusão da falta, cria o sofrimento.
      O coração ama, é um transbordamento...e isso basta...
      Lindo final de semana prá você também! Amei sua foto, linda demaisss!!
      Bjos querida!

      Excluir
  2. O verdadeiro amor,vem do pai das luzes,onde não ha sombra e nem variedade.É o amor Ágape.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails