29 de setembro de 2013

Alegria descondicionada - Jean Klein


"Em alguns momentos, a sós conosco mesmos, experimentamos uma imensa carência interior.

É a motivação-mãe que gera as demais. A necessidade de preencher esta carência, de apagar esta sede, nos leva a pensar, a agir. Sem sequer interrogá-la, fugimos de nossa insuficiência, tratamos de preenchê-la às vezes com um objeto, às vezes com um projeto, e logo, decepcionados, corremos de uma compensação à seguinte, indo de fracasso em fracasso, de sofrimento em sofrimento, de guerra em guerra.

Este é o destino do homem comum, de todos os que aceitam com resignação esta ordem de coisas que julgam inerente à condição humana.

Observemos de mais perto. 

 Enganados pela satisfação que nos proporcionam os objetos, chegamos a constatar que causam saciedade e, até mesmo, indiferença: nos preenchem num momento, nos levam à não carência, nos devolvem a nós mesmos e logo nos cansam; perderam sua magia evocadora. 

Portanto, a plenitude que experimentamos não se encontra neles, está em nós; durante um momento o objeto tem a faculdade de suscitá-la e tiramos a conclusão equivocada de que ele foi o artesão desta paz. O erro consiste em 
considerar este objeto como uma condição ‘sine qua non’ da dita plenitude.

Durante estes períodos de alegria, esta existe em si mesma, não há nada mais. Logo, referindo-nos a essa felicidade, a superpomos a um objeto que, segundo acreditamos, foi o que a ocasionou. 

Portanto, objetivamos a alegria (transformamos a alegria em um objeto). 

Se constatarmos que esta perspectiva na qual nos situamos só pode dar uma felicidade efêmera, incapaz de nos proporcionar aquela paz duradoura que está dentro de nós mesmos, compreendemos, por fim, que, no momento em que alcançamos o equilíbrio, nenhum objeto o causou; a última satisfação, alegria inefável, inalterável, sem motivo, está sempre presente em nós; o que ocorre é que estava velada para nossos olhos."
Jean Klein em A Alegria sem Objetos

2 comentários:

  1. Sempre que venho aqui não consigo ler só um texto, leio vários...rsrs mas confesso que tenho um pouco de dificuldade de colocar em prática certos ensinamentos... a questão de deixar o ego e renunciar a objetivos me deixa um pouco confusa, me pergunto se é mesmo possível renegar desejos e objetivos quando ´para sobrevivermos dependemos de dinheiro e por isso precisamos pensar no futuro... e isso trará objetivos e aspirações e certa ansiedade..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Flãvia, a vida prática nos desafia sempre. Mas o que os mestres nos apontam é que mesmo mergulhados nas nossas tarefas, trabalhos, planejamentos, estejamos presentes, pois é onde tudo realmente acontece, e também que estejamos abertos, disponíveis as mudanças que a vida nos trouxer. Isto é viver de forma consciênte e confiante de que a Existência acontece através de nós em sua eterna perfeição, muito além da nossa míope compreensão. Agradeço seu carinho e sua presença aqui!! Namaste!!

      Excluir

Related Posts with Thumbnails