7 de abril de 2013

O Coração e além - Satyaprem


"Há muito tempo atrás – bastante tempo – eu não estava me sentindo de bem com a vida. 

Eu pensava: "Não pode ser só isso. Tem que ter algo mais. O que está 
faltando?" E abriu-se, ali, sem nenhuma razão aparente, um caminho, um chamado. 

O chamado foi de tremenda simplicidade – e talvez por isso eu não o 
tenha atendido, primariamente.
O que vou dizer agora não é de um todo preciso – por isso, perdoe-me –, mas vem a elucidar o momento: a partir daquele instante, é como se eu tivesse passado por uma grande preparação para ser eu mesmo. 
E levei tudo isso muito a sério!

O que ficou claro é que tudo o que eu fiz não me levou a nenhum lugar proposto pela minha mente. 
No final, o que encontrei foi Eu mesmo – e esse eu não é nada do que eu pensava.

A compreensão se deu em perceber que aquilo que eu estava buscando era aquilo que estava buscando. O fato é que, a partir daí, uma nova perspectiva surgiu; de tal maneira que hoje falo uma outra língua. Parece Português, mas não é. E o melhor dessa nova língua é que não tem "quem" a compreenda. É preciso deixar de ser "alguém" para Ver.

Deixe-me explicar de outra maneira: a mente é mau entendedor. Dessa linguagem, o coração é um bom entendedor. Porém, mais fundo, deve ser percebido que a compreensão vai além até mesmo do coração. 
Olhe agora e veja onde você se encontra: se na mente, no coração ou além do coração. De onde estou olhando, você está além do coração.

A mente tenta compreender o que ela não pode compreender. Na verdade, a mente não consegue nem mesmo "entender" – e aqui faço um paralelo entre "compreensão" e "entendimento". 
A mente não entende. O coração, sim, é capaz de entender – é por isso que, 
para começarmos o nosso diálogo, o coração deve estar presente. 

Mas, ao final, além de tudo, a compreensão emerge do Ser, que reconhece a si mesmo.(...)

No agora, toda ação imediata é guiada pela atenção. 
Com isso, novas sinapses são formadas no seu cérebro. 
Quando a atenção é prioritária, novas sinapses – e, com isso, novas maneiras de se relacionar com os objetos – se estabelecem. Na verdade, se trata de 
um retorno. Esta é a dimensão por trás do mundo da mente, por trás do sonho.

O mundo todo segue numa mesma direção, agindo da maneira que foi programado a agir. Prove a essência do agora e veja que, imediatamente, se abre a possibilidade de um novo “você”, livre dos moldes provenientes do passado ou projetados no futuro.

Se chegou até aqui, se te interessa, a única maneira de acessar este ambiente é indo para dentro. 

Dentro, o que te guia não são as tradições ou os condicionamentos não-investigados. Dentro só tem o agora e o agora é uma aventura. No agora há satisfação plena sob qualquer que seja o movimento na tela dos sentidos.

Veja! Sempre que você se abre para o agora, ele se abre para você. E é criando intimidade com essa abertura que você pode estar no mundo de uma maneira desperta, livre. Em paz."
Satyaprem em Satsang

2 comentários:

  1. todos os textos são maravilhosos obrigada por compartilhar essas joias rara. elza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão Elza! Seja bem vinda!! Namastê!

      Excluir

Related Posts with Thumbnails