23 de fevereiro de 2013

A Folha - Thich Nhat Hahn

"Num dia de outono, eu estava num parque, absorto a contemplar uma linda folha, muito pequena e em formato de coração. 

Sua cor era quase vermelha e ela mal se mantinha suspensa no galho, quase pronta para cair. Passei muito tempo com ela e fiz algumas perguntas. 

Descobri que a folha fora mãe da árvore. 

Geralmente, pensamos que a árvore é a mãe e as folhas, os filhos, mas enquanto olhava a folha percebi que a folha também é mãe da árvore. 

A seiva que as raízes transportam é só água e minerais, o que não basta para alimentar a árvore. 

A árvore distribui, portanto, a seiva para as folhas, as folhas transformam a seiva bruta em seiva elaborada e, com o auxílio do sol e do gás, devolvem o alimento para a árvore. As folhas são, portanto, mães da árvore. Como a folha é ligada à árvore por uma haste, a comunicação entre elas é fácil de se ver.

Nós não temos mais uma haste nos ligando a nossa mãe, mas quando estávamos dentro do útero tínhamos uma haste muito comprida, o
cordão umbilical. O oxigênio e o alimento de que necessitávamos chegavam a nós através desta haste. 

No dia em que nascemos, porém, ela foi cortada, e nós ficamos com a ilusão de sermos independentes. Isso não é verdade. Continuamos a depender da nossa mãe por muito tempo e, temos também muitas outras mães. 

A Terra é nossa mãe. Temos uma enorme quantidade de hastes nos ligando à nossa mãe Terra. Temos hastes que nos ligam às nuvens. Se não houver nuvens, não haverá água para beber. Somos compostos de pelo menos setenta por cento de água, e a haste entre a nuvem e nós existe realmente. 

Esse também é o caso do rio, da floresta, do lenhador e do agricultor. 

Há centenas de milhares de hastes que nos ligam a tudo o que existe no cosmos, que nos sustentam e possibilitam nossa existência. 

Você vê a ligação entre mim e você? Se você não estiver aí, eu não estou aqui. Isso é certo. Se ainda não percebe, por favor, olhe com mais profundidade e tenho certeza que verá.

Perguntei à folha se ela estava com medo por ser outono e porque as outras folhas estavam caindo. A folha me respondeu, “Não. Durante
toda a primavera e o verão eu estava inteiramente viva. Trabalhei muito para ajudar a alimentar a árvore, e agora grande parte de mim está nela. Não sou limitada por esta forma. Também sou a árvore inteira e, quando retornar ao solo, continuarei a alimentar a árvore. Por isso, não tenho nenhuma preocupação. Quando deixar este galho e for caindo até o chão, acenarei para a árvore e lhe direi, ´Vamos nos ver em breve´.”

Naquele dia o vento soprava e, depois de algum tempo, vi a folha cair do galho e dançar até o chão, cheia de alegria, porque
flutuando no ar ela já se via novamente na árvore. 

Ela estava muito feliz. 

Inclinei minha cabeça em reverência, sabendo que tenho muito a aprender com aquela folha.
Thich Nhat Hanh em Paz a cada passo

4 comentários:

  1. Parabéns pelo Blog. São textos bem esclarecedores. Estou sempre passando por aqui para absorver um pouco dessa Luz que você espalha por essas páginas. Muito Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço Sérgio por sua luz e seu carinho... Seja sempre bem vindo!! Namaste!!

      Excluir
  2. Que hermosa reflexión Lilian, gracias por compartirla, un abrazo

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails