21 de abril de 2018

Tornar-se e Ser - Osho


"A fonte original de toda tensão é o tornar-se. O indivíduo está sempre tentando se algo; ninguém está tranquilo consigo mesmo tal qual é. O ser não é aceito, o ser é negado e algo mais é tomado como um ideal no qual se transformar. Assim, a tensão básica é sempre um ideal no qual se transformar. Assim, a tensão básica é sempre entre aquilo que você é e aquilo que você ambiciona vir a ser.

Você deseja tornar-se algo. A tensão significa que você não está satisfeito com o que você é e você ambiciona ser o que não é. A tensão é criada entre estes dois. O que você deseja se tornar é irrelevante. Se quiser se tornar rico, famoso, poderoso ou mesmo se quiser ser livre, liberado, ser divino, imortal, mesmo se você ambicionar a salvação, moksha, também a tensão estará ali.

Qualquer coisa que seja desejada com algo a ser satisfeito no futuro, contra você como você é, cria tensão. Quanto mais impossível o ideal é, maior a tensão tende a ser. Por conseguinte, a pessoa que é materialista, normalmente não é tão tensa como a que é religiosa. porque a pessoa religiosa está ambicionando o impossível, o distante. A distância é tão grande que somente uma grande tensão pode preencher o vazio.

Tensão significa uma lacuna entre o que você é e o que quer ser. Se a lacuna for grande, a tensão será grande. Se a lacuna for pequena, a tensão será pequena. E se não há lacuna de forma alguma, significa que você está satisfeito com o que você é. Em outras palavras, você não ambiciona ser uma outra coisa que você não é. Então, sua mente existe no momento. Não há nada com o que estar tensa; você está satisfeito consigo mesmo. Você está no Tao. Para mim, se não há lacuna você é religioso. você está em dhrama.

A lacuna pode ter muitas camadas. Se a ambição for física, a tensão será física. Quando você busca um corpo em particular, uma forma particular - se você ambiciona algo diferente do que você é no nível físico - então há tensão no seu corpo físico. Alguém quer ser mais bonito. Agora o corpo torna-se tenso. Esta tensão começa no primeiro corpo, o fisiológico, mas se é insistente, constante, pode se aprofundar e se espalhar para outras camadas do seu ser.

Se você está ambicionando poderes psíquicos, então a tensão começa no nível psíquico e se espalha. O espalhar-se é exatamente como se você jogasse uma pedra no lago. A pedra cai num ponto particular, mas as vibrações criadas por ela continuarão a se espalhar até o infinito. Assim, a tensão pode se iniciar em qualquer um dos sete corpos, mas a fonte original é sempre a mesma; a lacuna entre um estado que é e um estado que é almejado.

Se você tem a mente de um tipo particular e quer trocá-la, transformá-la - se você deseja ser mais talentoso, mais inteligente - então a tensão é criada. Só se aceitamos a nós mesmos totalmente, não há tensão. Esta aceitação total é o milagre, o único milagre. Encontrar uma pessoa que tenha aceito a si mesma totalmente é a única coisa surpreendente.

A existência em si não é tensa. A tensão é sempre por causa das possibilidades hipotéticas, não existenciais. Não há tensão no presente; a tensão é sempre voltada ao futuro. Ela procede da imaginação. Você pode imaginar-se como algo diferente do que é. Este potencial imaginado criará tensão. Quanto mais imaginativa a pessoa é, pois, mais a possibilidade de tensão. Então a imaginação torna-se destrutiva.

A imaginação pode também tornar-se construtiva, criativa. Se toda sua capacidade de imaginar está focalizada no presente, no momento e não no futuro, então você pode começar a ver sua existência como poesia. Sua imaginação não está criando um ambição; está sendo usada na vivência. Está vivência no presente está além da tensão.
Os animais não são tensos, as árvores não são tensas, porque eles não têm a capacidade de imaginar. Eles estão abaixo da tensão, não além dela. A tensão deles é apenas uma potencialidade; não se tornou atual. Eles estão evoluindo. Surgirá um momento em que a tensão explodirá em seus seres e eles começarão a ambicionar o futuro. É propenso a acontecer. A imaginação torna-se ativa.

A primeira coisa a respeito da qual a imaginação torna-se ativa é o futuro. Você cria imagens e porque não há realidade correspondente, continua a criar mais e mais imagens. Mas no que diz respeito ao presente, você não concebe a imaginação relacionada a ele. Como você pode ser imaginativo no presente? Parece não haver necessidade. Este ponto deve ser entendido.
Se puder estar conscientemente presente no presente, você não estará vivendo na imaginação. Então, a imaginação estará livre para criar dentro do presente em si. Só é necessário o focar correto. Se a imaginação é focalizada no real, ela começa a criar. A criação pode tomar qualquer forma. Se você é poeta, ela se converte numa explosão de poesia. A poesia não será uma ambição do futuro, mas será uma expressão do presente. Ou se você é pintor, a explosão será de pintura. A pintura não será algo como você imaginou, mas como o conheceu e o vivenciou.
Quando você não está vivendo na imaginação, o momento presente lhe é dado. Você pode expressá-lo ou cair no silencio. Mas o silencio agora não é um silencio morto, é também uma expressão do momento presente. Este silencio é um florescer positivo. Algo floresceu dentro de você, a flor do silencio e através deste silencio, tudo o que você está vivendo é expressado."
Osho em Psicologia do Esotérico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails