26 de abril de 2015

O Self é eternamente Um - Mooji

 

"Eu não tenho nascimento, nem morte e nem deveres.
Eu nunca fiz nada, bom ou mau.
Eu sou puramente Brahman, o Absoluto,
além de todas as qualidades.

Como poderia existir para mim escravidão 
ou liberação?
Se Deus é onipresente, imutável, completo, sem quaisquer partes
então, não há qualquer divisão neste Deus.

Como então ele poderia ser concebido como 
estando dentro ou mesmo fora?
O Universo inteiro está brilhando como Um,
sem qualquer cisão ou ruptura ou partes separadas.

A ideia de Maya ou grande ilusão, é ela 
mesma a grande desilusão.

Dualidade e não dualidade são meramente 
conceitos da mente.

O mundo da forma e o vazio informe,
Nada disso existe independentemente.

No Um, não há qualquer separação ou união.

Verdadeiramente não há nada, 
exceto pela consciência (Shiva) apenas.

Eu não tenho mãe, nem pai, nem irmão.

Eu não tenho esposa, nem marido, nem filho ou amigo.

Eu não tenho apegos ou não apegos.

Como então tu justificas esta ansiedade da mente?

Oh mente!

Não há nem o dia da manifestação, nem a noite da dissolução.

Minha luz contínua nem se levanta nem se põe.

Como poderia um homem sábio sinceramente acreditar
que a existência sem forma é afetada pelas formas?
Ela não é inteira.
Nem é dividida.

Ela não experimenta tristeza ou alegria,
Ela não é o Universo, nem não-Universo.

Compreenda que o Self é eternamente Um."

Um comentário:

  1. Muito bonito e rico este poema de Mooji, sintetiza todos os ensinamentos.
    Muito obrigado por compartilhá-lo.
    Namastê.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails