4 de março de 2014

Há um silencio eterno - Nisargadatta


"Nisargadatta: Separe-se de tudo o que inquiete sua mente. Renuncie a tudo o que altere sua paz. Se quiser paz, mereça-a.

Participante: Com certeza, todo mundo merece a paz.

Nisargadatta: Só a merecem aqueles que não a perturbam.

Participante: De que modo eu perturbo a paz?

Nisargadatta: Sendo escravo de seus desejos e temores.

Participante: Inclusive quando são justificados?

Nisargadatta: As reações emocionais nascidas da ignorância ou da inadvertência nunca são justificadas. Busque uma mente clara e um coração limpo. Tudo o que necessita é permanecer tranquilamente alerta, investigando a natureza real de si mesmo. Este é o único caminho para a paz.

Todos vocês estão ensopados porque está chovendo a cântaros. Em meu mundo sempre faz um tempo esplêndido.
Não há noite nem dia, nem calor nem frio. Ali não me incomodam as preocupações e os pesares. Minha mente está livre de pensamentos porque não há desejos que me escravizem.

Participante: Existem dois mundos?

Nisargadatta: Seu mundo é transitório, mutável. Meu mundo é perfeito, imutável. Pode dizer-me o que quiser de seu mundo, escutarei com atenção, até com interesse e, ao mesmo tempo, não esquecerei, por um só momento, que o seu mundo não existe, que você está sonhando.

Participante: O que diferencia o seu mundo do meu?

Nisargadatta: Meu mundo não tem características pelas quais possa ser identificado. Nada pode ser dito dele. Eu sou meu mundo. Meu mundo sou eu mesmo. É completo e perfeito.
Toda impressão é apagada, toda experiência rechaçada.

Não necessito nada, nem sequer a mim mesmo, pois esse eu mesmo não pode ser perdido.

Participante: Nem mesmo Deus?

Nisargadatta: Todas essas idéias e distinções existem em seu mundo; no meu, não há nada parecido. Meu mundo é singular e muito simples.

Participante: Nada acontece ali?

Nisargadatta: O que acontece em seu mundo, apenas tem validade ali, provocando uma resposta. Em meu mundo não acontece nada.
Participante: O próprio fato de que você experimenta seu próprio mundo implica em dualidade, inerente a toda experiência.

Nisargadatta: Verbalmente, sim. Mas suas palavras não me alcançam.

Meu mundo não é verbal. Em seu mundo, o inominado não tem existência; no meu, as palavras e seus conteúdos não têm nenhuma existência. Em seu mundo nada permanece, no meu nada muda. Meu mundo é real, enquanto o seu é feito de sonhos.

Participante: Mas nós estamos falando.

Nisargadatta: A conversa está no seu mundo. No meu, há um silêncio eterno. Meu silêncio canta, meu vazio é completo, não me falta nada. Você não pode conhecer meu mundo até que esteja ali.

Participante: Parece que só você está em seu mundo.

Nisargadatta: Como você pode dizer só ou não só, quando as palavras não são apropriadas? Certamente que estou só, pois eu sou tudo.

Participante: Você alguma vez vem a nosso mundo?

Nisargadatta: Que é ir e vir para mim? Novamente são palavras. Eu sou. De onde tenho que vir, e aonde tenho que ir?

Participante: De que me serve o seu mundo?

Nisargadatta: Você deve considerar com maior atenção seu próprio mundo, examine-o criticamente e, repentinamente, um dia você se encontrará no meu.
Participante: Que ganho com ele?

Nisargadatta: Não ganha nada. Simplesmente abandona o que não é seu
e encontra o que nunca perdeu – seu próprio Ser."
Nisargadatta Maharaj em Eu Sou Aquilo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails