21 de outubro de 2017

Sobre a morte e a imortalidade - Osho



"Nem pelo trabalho, nem pelo nascimento nem pela fortuna, mas apenas pela renúncia, alcançamos a imortalidade.
Mais sublime que o céu, a verdade absoluta, radiante mora na caverna do coração; e é ali que o buscador sincero a encontra."
Kaivalya Upanishad

"O problema da religião é a morte. Como resolvê-lo? Tentamos de várias maneiras. Por meio da riqueza, da ciência, da saúde, da proteção, da medicina, da filosofia e da teologia elaboramos diversas estratégias para sermos imortais. Inventamos muitas coisas, mas todas são vãs, sem sentido absurdas. A morte vem e nada a detém. Sempre foi assim e sempre será porque a morte na verdade, não está apenas no futuro, está também no passado.

Quando alguém nasce, a morte nasce com ele. A morte não está apenas no futuro, é uma decorrência daquilo que chamamos de nascimento. O nascimento é o começo da morte, ou poderíamos dizer, a morte é o final do processo de nascimento. Portanto, o aniversário do seu nascimento é também o aniversário da sua morte. O início é o fim, porque todo início implica um fim. Todo início tem seu fim como a semente. Se a morte estivesse unicamente no futuro, poderia ser evitada. Mas não está, ela faz parte de você, está aqui e agora dentro do seu ser - avançando, crescendo. 

Consequentemente, a morte não é um ponto fico em algum lugar. É algo que cresce em seu interior, e cresce sem parar. Quando você a combate, ela cresce. Quando você a alimenta, ela cresce. Quando tenta escapar de suas garras, ela cresce. Assim, o que quer de faça, uma coisa está constantemente em movimento: ou seja, você está morrendo. O que quer que faça - dormir, relaxar, trabalhar, pensar, meditar - uma coisa é certa: a morte está tomando corpo constantemente, continuamente. Ela não precisa de sua ajuda, não precisa de sua cooperação. Não liga para suas defesas, continua crescendo. Por quê? Porque nasceu quando você nasceu, faz parte de seu nascimento. A morte não pode ser evitada, pelo meios que o homem, a mente humana, sempre empregou.

Este Upanishad diz: a morte pode ser evitada, você se torna imortal, você pode conhecer aquilo que é imortal - que jamais morrerá.
Mas como conhecer isso? Onde procurá-lo, como descobri-lo? Afinal, todos  os esforços de que temos ciência são irrelevantes, sem sentido.
O Upanishad diz: não lute contra a morte, antes, procure saber o que é a vida. Não insista em escapar da morte, antes decida entrar na vida - a própria chama da vida deve ser penetrada. Não crie um tipo de vida negativa; não teime em fugir da morte - esse é uma ato negativo. Seja positivo e ocupe-se em aprender o que é a vida. De fato, a morte não se opõe à vida. Nos dicionários sim, na existência não. A morte não se opõe à vida; a morte se opões ao nascimento.

A vida é algo mais. Ela antecede o nascimento, não nasce. O nascimento é um fenômeno que acontece na vida. O nascimento não é o início da vida. Se fosse, então você teria nascido morto. O nascimento não é o início da vida, a vida o antecede. A vida está implícita no nascimento, existe antes dele. E como existe, dá-se o nascimento. A vida vem antes, o nascimento vem depois. Você existe mesmo antes de nascer. Você nasceu porque já existia.

O mesmo ocorre com a morte. Se você existia antes de nascer, então existirá depois de morrer, pois o que está presente antes do nascimento necessariamente estará presente depois da morte. A vida é algo que acontece entre o nascimento e a morte - e além do nascimento e da morte.

Devemos imaginar que a vida é um rio. Nele, um ponto é conhecido como nascimento, outro como morte, mas ele não para de fluir. Continua a fluir depois da morte o rio que já fluía antes do nascimento. Essa vida semelhante a um rio deve ser penetrado, do contrário nunca conheceremos aquilo que é imortal. Obviamente, o que não é mortal deve ser não nascido. Entretanto nosso olhar é  inteiramente mal orientado. Olharmos para uma maneira de escapar da morte. Ele é contra a morte, não a favor da vida. Por causa dessa falha única, nunca conseguimos conhecer o imortal. Prosseguimos na busca - descobrindo novos métodos, novas técnicas, novos recursos para iludir a morte. Mas a morte vem e jamais deixará de vir.

É preciso conhecer a vida. Jesus disse: "Buscai a vida, a abundância da vida." Não se contentem com aquilo que você chama de vida. Procure mais, descubra mais, aprofunde-se mais - saia à cata de mais vida. No momento buscamos menos morte e não mais vida. Nossa preocupação se volta totalmente para a morte.
Um exemplo. Na escuridão você pode fazer duas coisas: lutar contra ela, na tentativa de destruí-la, ou procurar uma luz, o que é bem diferente. Você poderá combater diretamente a escuridão, mas será derrotado: a escuridão é que vencerá. Não porque seja mais forte que você, mas porque você não tem poderes contra ela. Não, não: a escuridão não é poderosa e você não é impotente! Ocorre que a escuridão não passa de ausência e ninguém consegue lutar contra uma ausência.
A escuridão é negativa. Você não pode lutar contra ela e, se lutar, será derrotado - não porque ela seja forte, mas porque não existe. Como lutar contra algo inexistente? A escuridão não é nada; é apenas a ausência de luz. Se você decidir lutar contra ela, ficará lutando por milhares de anos, sem vencer nunca. Quanto mais for derrotado, mais procurará novos métodos de vencer. E quanto mais for derrotado, mais vai se sentir impotente e achar que a escuridão é muio poderosa. Pensará então que precisa descobrir algo mais poderoso que ela. Essa lógica é inteiramente falaciosa, um círculo vicioso; continue a aplicá-la e você jamais escapará desse círculo.(...)

O caso da morte é o mesmo. A morte não é uma entidade positiva, é apenas a ausência de vida. Quando a vida se ausenta, a morte ocorre. A morte é alguma coisa que se vai, não alguma coisa que vem até você - só a vida vai para algum outro lugar. O rio da vida começa a fluir para um determinado ponte e a morte ocorre - ela é apenas uma ausência.
Não há luz, as trevas ocorrem. A luz vem, as trevas não estão mais ali. Portanto, encontre luz, encontre a vida. Não lute contra a morte, não combata as trevas. Não seja negativo, seja positivo. E por positivo, entendo procurar sempre o que está presente. Jamais saia em busca do que está ausente - você jamais encontrará.
A morte acontece todos os dias, mas ninguém a encontrou, ninguém a conhece. Nem pode conhecer - como poderia? 
Você é a vida - como conheceria a morte? A escuridão está aí, mas o sol nunca a conheceu - como poderia o sol conhecê-la? Quando o sol aparece, não há mais trevas; portanto os dois nunca se encontram, não podem se encontrar isso é impossível. (...)

Você não pode encontrar sua própria ausência. Como poderia? A morte é a sua ausência. Quando você está ausente, a morte ocorre.
Permita-me dizer uma coisa: a morte é um fenômeno social, não individual. Nenhum indivíduo morre; o rio individual continua a correr para algum lugar. Mas quando, partindo de uma multidão, o rio individual flui para outro lugar, aos olhos da multidão alguém morreu; aos olhos da multidão alguém se ausentou. Se meu amigo morreu, morreu para mim, não para ele mesmo. A morte é um fenômeno que ocorreu para mim, não para meu amigo. Como seria possível que ocorresse para ele?
A vida não pode se defrontar com a morte; a vida é um movimento em direção a algum outro lugar - por isso nós nos defrontamos com ela. A morte é um fenômeno social, não é um fenômeno individual. Ninguém jamais morreu, mas nós sabemos que todos morrem. E todos morrem porque alguém de repente desaparece; Estamos aqui, se eu de repente desaparecer, então morri - não para mim, mas para você. Para você eu desapareci. Mas como desaparecer para mim mesmo? Isso seria impossível.

Os Upanishads recomendam: não lute contra a morte, lutar contra a morte é lutar contra a ausência. Em vez disso, procure a presença que está em você. Quem está presente em você? Descubra. O que está presente em você que você chama de vida? O quê? De onde veio para penetrar no seu ser? Qual é o centro, a fonte disso? Mergulhe em seu íntimo e descubra a fonte. Segundo o Upanishad essa fonte da vida está oculta em seu coração. Entre nele e encontre a fonte original. Depois que você conhecer essa fonte, não haverá mais morte para você, não haverá mais medo, não haverá mais nenhum problema. Depois que conhecemos a vida, nos tornamos imortais."
Osho em Os Upanishads, a essência de seus ensinamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails