3 de dezembro de 2015

Professores e Mestres - Osho


"Sócrates era um homem sábio, não um homem de conhecimento. Os homens de conhecimento tem respostas seguras, absolutamente seguras, isso é parte de sua estupidez; de fato, só mentes estúpidas podem estar seguras.

A vida é um mistério tão vasto, insondável, incognoscível, que se você for realmente sábio, jamais estará seguro.

A sabedoria é cautelosa. A sabedoria duvida. A sabedoria nunca está segura. Por isso a sabedoria nunca pode ser confinada numa teoria. Todas as teorias são menores que a vida, todas as teorias são estreitas, e a vida não pode caber dentro delas, porque a vida é vasta, tremendamente vasta e infinita. Um sábio só sabe uma coisa: que não sabe. Um homem de conhecimento sabe, e sabe que sabe, e nisso está a raiz da estupidez de um homem de conhecimento.

Segue acumulando ensinamentos que ele mesmo não viveu; e sua memória segue acumulando teorias, palavras, filosofias, nunca tocadas por seu próprio ser. Se converte em uma enorme reserva de conhecimentos; se converte em uma Enciclopédia Britânica, mas é algo morto.

Quanto mais se enche a memória com conhecimentos, menos se vive em seu ser. Quanto mais se penetra na cabeça cada vez mais se converte em numa parte, num fragmento e menos se está unido ao ser enorme, ao universo, a existência. Em um sentido, se torna não-existencial, porque já não é uma parte dessa existência viva, radiante, vibrante. É um fenômeno congelado; já não flui com a vida. É um iceberg, gelado e estancado em alguma parte, aprisionado na cabeça.

Quando a consciência se converte em conhecimento, se congela; quando a consciência se converte em sabedoria, se retorna ao fluxo. Um sábio vive, vive totalmente, mas só sabe uma coisa: que não sabe. Aprender de um sábio é muito difícil, aprender de um homem de conhecimento é muito fácil. Ele pode te dar tudo que sabe, pode transferir o conhecimento de modo muito fácil, e a linguagem é o veículo suficiente. Tudo o que ele acumulou o fez através da mente, através da linguagem; pode ser comunicado facilmente. Um homem de conhecimento é um professor. Pode te ensinar, pode ensinar harmoniosamente coisas que não conheceu em absoluto. É por isso que não se duvida de um homem que sabe. Porque quando um homem sabe, conhece também a polaridade oposta da vida. Quando um homem compreende e sabe realmente, sabe também que tudo está unido ao seu oposto, tudo está encontrando-se e fundindo-se com sue oposto. Nada se pode afirmar em forma definitiva, porque no momento em que se diz algo definitivo, já definiu seu fluxo, já se converteu em um pedaço de gelo, e já não é mais um rio em fluxo. Agora se pode ser acumulado no armazém da mente.

Um homem que não é um sábio não é um professor, pode se um mestre, mas não um professor. Qual é a diferença entre eles?

Um professor está disposto a ensinar, um mestre nunca está disposto a ensinar. Um professor é agressivo, ativo; um mestre é não-agressivo, inativo. Um professor te seguirá e te forçará a levar seus conhecimentos sobre seus ombros. Um mestre espera. Você tem que arrebatá-lo, tens que beber dele. Ele não te seguirá, não te forçará, nem sequer irá bater na sua porta, simplesmente esperará. Poderá beber de seu ser, poderá entrar em seu vazio interno, o palácio interno do seu ser, seu reino interior, mas isso depende de você. Você terá que fazer todo o trabalho. O mestre é apenas uma presença. Se estiver atraído, alcançará sua presença.

Um professor chama, um professor tenta, um professor faz todo o esforço para que você possa compreender. Um mestre simplesmente está aí, aberto, absolutamente aberto para que você entre, mas não faz um gesto sequer. Porque este gesto pode ser agressivo, pode forçá-lo a entrar contra a sua vontade; isso é ruim, isso pode colocá-lo em um caminho errôneo.

Um mestre é uma presença silenciosa. Poderá aprender dele, mas ele não ensinará. Com um professor você será um estudante, existe uma relação, uma relação em ambas as direções; com o mestre só pode ser um discípulo, é só uma direção, você tem que aprender. Se não aprendes, não aprendes; se aprendes, aprendes; mas o mestre é tão feliz com seu próprio ser que não se incomoda. Se aprendes, ele te abençoa; se não aprendes, ele te abençoa; ele é uma bênção.

Não existem exames junto de um mestre, porque para a vida os exames não são possíveis. É tolice se pensar em termos de exames. É por isso que as universidades continuam produzindo gente estúpida. A inteligência não pode ser testada. Não pode haver uma prova para julgá-la. Quando muito pode se avaliar a memória. Quando muito pode se julgar a capacidade de recordar, mas não a capacidade de saber. Um mestre não tem exames. Você entra, aprende e participa. É uma abertura ao vasto ao infinito.

Um homem de conhecimento se converte em professor e milhões de pessoas são atraídas até ele, porque quando aprendes algo, seu ego se sente fortalecido. Muito poucas pessoas são atraídas até um mestre, porque , com um mestre terás que desaprender, com um mestre terás que morrer. Seu ego será destruído completamente. Só então, poderá entrar no templo, no santuário mais profundo do ser do mestre.

Um mestre é um sábio, mas sua compreensão é tão profunda que não poderá compreendê-la. Só poderá vivê-la. Um mestre sabe, mas sabe em profundidade, onde os opostos se encontram, onde a vida e a morte se tornam sinônimos, onde a existência e a não-existência não são opostas, onde todos os rios entram no oceano, nessa profundidade está o mestre.

É difícil compreende-lo porque a compreensão será superficial, e toda compreensão será mais ou menos uma má interpretação. Com um mestre, não tente compreendê-lo. Como vais compreendê-lo? Como vais compreender um fenômeno infinito? Poderá vivê-lo, poderá dissolver-se nele, poderá permitir que se dissolva em ti, isso é tudo o que é possível. É como o amor, não poderá compreender o amor. Seus caminhos são misteriosos. Não poderá compreendê-lo, não poderá prendê-lo em suas teorias. Existem milhares de definições, mas o amor ainda segue sem definição e nunca será definido. Sempre que se define, sente-se que falta algo. Este algo sempre faltará, porque esse algo é a profundidade. Uma definição não pode transmitir a profundidade, só pode estar na superfície.

Um sábio vive na profundidade, um sábio vive no centro; um homem de conhecimento vive na circunferência. Só há uma forma de alcançar um sábio, terás que que chegar ao seu próprio centro. De centro a centro é uma comunhão com um sábio."

Osho em Los tres tesoros

Um comentário:

  1. Perfeito ensinamento de Osho..... grande mente, admiravel, uma das postagens que mais leio aqui são os de Osho....minha total admiração por este grande homem.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails