9 de maio de 2013

Balões - Jeff Foster


"Um balão cheio de ar, flutua num mar infinito de ar... 
E o balão diz para si mesmo: 
- "Eu” sou um indivíduo. 
Eu vivo em um mundo cheio de indivíduos. 
Um mundo de “eu” e “meus”: meus pensamentos, minhas lembranças, minhas crenças, minhas realizações, meus sucessos, meus fracassos, meu passado, meu futuro, meus relacionamentos. 
Eu possuo um pequeno pedaço do todo, um pedacinho da vida. Esta é a minha pequena parte do todo.”

O que o balão mais teme é estourar – em outras palavras, a sua própria morte – porque vê isso como a perda definitiva do “eu e meu”
Em outras palavras, a morte é a perda da “minha pequena parte do todo”. 
O fim da ‘minha vida’.

O que o balão não pode ver é que a morte é a libertação. 
Após a morte, “minha pequena parte do todo” simplesmente explode de volta para o todo. 
“Minha vida” se dissolve de volta à vida em si. E o que se vê é que “a minha vida” foi sempre uma ilusão, porque nunca houve alguém lá separado do todo. Houve apenas o todo, sempre. 

O balão nunca “tinha” qualquer coisa para começar, e assim nunca poderia “perder” qualquer coisa. 
Em outras palavras, não há “indivíduo” separado da própria vida – apenas parece existir.

A mente (pensamento) nunca será capaz de compreender isso. 

Mas em algum lugar além da mente, em algum lugar além das histórias que contamos sobre a vida, em algum lugar além de todos os nossos conceitos, filosofias, ideologias, religiões … pode haver um reconhecimento, uma ressonância, um saber. 

E essa mensagem é realmente sobre isso: um reconhecimento que está totalmente além da mente e além das palavras.

Você é perfeito como você é – até mesmo em sua imperfeição. 
A vida é perfeita como ela é, mesmo se você não puder ainda ver isso. 

Esta é uma viagem para dentro da sua própria ausência, uma ausência que finalmente se revela como a presença perfeita de tudo, como o lar que você sempre buscou, e que será e encontrará: Você escreveu essas palavras a si mesmo, para lembrar-se de que, no fundo, você sempre soube.
Jeff Foster em Life Without a Centre

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails